Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Indústria Fatura Mais no Ano, Mesmo com Produção Estagnada - TÊXTIL, Recuo de 15% da sua Produção, e Queda de Quase 10% do seu Faturamento.

Apesar do ano fraco, com produção praticamente estagnada, a indústria brasileira conseguiu manter seu faturamento em alta em 2011. Em alguns segmentos, como calçadista e de vestuário, a receita aumentou mesmo com a produção em queda.

Segundo fontes do setor, a principal estratégia para conseguir isso é o aumento do uso de insumos importados.

Com o real valorizado, as empresas aproveitam para importar componentes mais baratos, reduzindo seus custos e elevando o faturamento, diz o economista da CNI (Confederação Nacional da Indústria) Marcelo de Ávila.

"Por outro lado, a demanda menor por insumos nacionais reduz a expansão do setor de bens intermediários, que tende a investir menos, entrando num ciclo vicioso de baixo crescimento." Entre janeiro e outubro, o faturamento real da indústria cresceu 5,4%, aponta levantamento da CNI. Já a produção subiu apenas 0,7%, de acordo com o IBGE.

No setor de calçado e artigos de couro, por exemplo, a produção acumula queda de 9,3% de janeiro a outubro, enquanto a receita subiu 20%.

Segundo o diretor-executivo da Abicalçados (Associação Brasileira das Indústrias de Calçados), Heitor Klein, hoje é uma prática disseminada na indústria calçadista a importação de itens acabados ou de partes de calçados que são então montados aqui.

"Importar calçados desmontados é uma operação normal. Há uma pequena etapa de industrialização local que tem impacto forte no faturamento, mas que afeta negativamente a produção e o emprego", afirma.

A consequência desse processo de substituição de insumos nacionais por importados fica clara nos segmentos de vestuário e têxtil.

Enquanto o primeiro conseguiu elevar sua receita em 3,5% no ano mesmo produzindo menos, o segundo viu um forte recuo de 15% da sua produção, acompanhado da queda de quase 10% do seu faturamento.

Por trás desses números está a alta de 18% da importação de fibras sintéticas, por exemplo, que diminui os custos do setor de vestuário, mas reduz o mercado do têxtil.

ESTOQUE

A receita da indústria cresceu por cinco meses seguidos até outubro, justamente o período em que a produção industrial recuou devido à piora da crise externa e ao impacto acumulado de medidas adotadas no início do ano pelo governo para desaquecer a economia.

De acordo com o economista da CNI Marcelo de Ávila, isso ocorreu porque houve um crescimento excessivo dos estoques no segundo trimestre do ano, o que levou as empresas a segurar a produção para vender o que ficou encalhado nas prateleiras.

"Isso também explica porque o faturamento vem crescendo mesmo com a produção fraca", afirma Ávila.

Já a substituição de insumos nacionais por componentes importados é um fenômeno que já ocorre há alguns anos, observa.

O faturamento da indústria está hoje num patamar 12,4% superior ao de setembro de 2008, quando estourou a crise financeira mundial. A produção, por sua vez, hoje é 4,6% menor.

Fonte:http://www.odocumento.com.br/materia.php?id=379920|

Exibições: 172

Responder esta

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço