Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

MDIC recebe reivindicações do setor Têxtil em audiência na Câmara


macris_videoEm audiência pública com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Fernado Pimentel, o deputado federal e coordenador estadual  da Frente Parlamentar Mista José Alencar para o Desenvolvimento da Indústria Têxtil e de Confecção, Vanderelei Macris (PSDB-SP), comentou sobre diversos aspectos  que atingem o setor, como a queda na produção e a concorrência desleal com produtos importados, entre outros.

 

Durante a audiência realizada no dia 18 de setembro, o deputado ressaltou a importância do setor para a economia do Brasil, que, segundo ele, é a segunda na área de empregabilidade, mas entra em processo de deterioração com a intensa crise. “Esse processo está começando a desempregar. Nós tivemos em Americana, a Vicunha agora com 200 desempregados, fechou as portas”, disse. “Se nós tivermos que recuperar depois de acabar com o setor do ponto de vista econômico, são 80, R$ 90 bilhões que vamos precisar para recuperar esse setor da economia”, considerou Macris.

 

Com estas ponderações, o parlamentar foi convidado pelo ministro Pimentel a debater o tema no Mdic. “Conversarei e convidarei o presidente da Abit para, com ainda mais informações, buscarmos soluções para preservar o setor têxtil e de confecção. Não podemos esquecer de um setor altamente empregador, um setor que tem tradição no Brasil”, argumentou.

 

Veja a  explanação completa do parlamentar durante a audiência pública

http://www.sinditextilsp.org.br/index.php/materias/item/1143-macris...

Exibições: 584

Responder esta

Respostas a este tópico

FRACA... DEFESA DOS INTERESSES DOS TEXTEIS FOI MUITO FRACA....NÃO VAI DAR EM NADA...

PRECISAMOS DE UM LÍDER PARA LEVAR OS ASSUNTOS DOS TEXTEIS OS MINISTROS...

A REUNIÃO QUE O DEPUTADO VANDERLEY MACRÍS PARTICIPOU FOI UMA REUNIÃO GENÉRICA....SEM NENHUM FOCO....

NEM UMA AGENDA SAIU DESSA REUNIÃO...PURA PERDA DE TEMPO.....

A INDUSTRIA TEXTIL TEM ESSE LÍDER ?????

E ESSE LÍDER TEM ESSA DISPOSIÇÃO EM DEFENDER CAUSA COMO ESSA ???

REUNIÃOZINHA SÓ PARA JOGAR PARA PLATÉIA E APARECER NA FOTO.

TIVEMOS UM VICE PRESIDENTE DA REPUBLICA QUE ERA DO RAMO TÊXTIL E NÃO FEZ NADA PELO MESMO.

TEMOS UM PRESIDENTE DA FIESP QUE FOI EMPRESARIO DO SETOR TÊXTIL E NADA........

VOCÊS ACHAM QUE CONSEGUIREMOS ALGUMA COISA?

O TÊXTIL É TRAMPOLIM PARA POLÍTICOS E PARA AQUELES QUE QUEREM ENTRAR NA POLITICA, POR ISSO NINGUÉM PEITA SECRETÁRIOS, MINISTROS, PRESIDENTE...................

ESQUEÇAM, O TÊXTIL ESTÁ LARGADO E SEM LIDERANÇAS. 

Não querendo ser polêmico novamente, mas vamos aos fatos, antes que isso aqui vire uma Argentina, de tantas barreiras comerciais que forçam meus colegas empresários:

A indústria textil brasileira é permeada por amadores de todos os lados. É burocracia do começo ao fim: do representante, que lhe impõe todo tipo de empecilho na compra do produto (além claro, da falta de expertise no negócio) até a fábrica, que tem prazos médios de 15 a 20 dias para entrega DE QUALQUER QUANTIDADE. Não desenvolvem nada, não criam nada, não abdicam de nada. Fornecem quando muito aquilo que está no catálogo. Se você fugir um pouco do escopo, te cortam independente do seu tamanho.

Vocês só sabem viajar a China para comprar produto pronto, insumos, máquinas, e passear, mas NENHUM colega do ramo vai para aprender, como eu fiz. Façam uma viagem como cliente e vejam como funcionam as fábricas lá: como elas vendem, como produzem etc., e vão perceber que 50% das barreiras são vocês mesmos que impõem.

Se utilizarem a muleta do trabalho escravo, dos subsídios do governo chinês etc., os convido a ir a Alemanha, Coréia, Japão e conhecer as fábricas deles. Verão que muito dos problemas se encontram dentro de suas fábricas. Vocês não querem desenvolver nada novo. Investir na cadeia de produção? Magina! Trabalhar a logística para atender tanto o atacado quanto o varejo? Jamais. Contratar engenheiros, inventores e toda sorte de profissionais para otimizar sua produção? Nunca.

Se eu encontro dificuldades para comprar um simples tecido 100% poliéster, com a largura que necessito, imagina um grupo que necessita abastecer centenas de lojas no prazo? 

Abraços,

Henrique Zucatelli

Grupo Cobra

PREZADO HENRIQUE,

FICO FELIZ AO LER O SEU COMENTARIO.  COINCIDE INTEIRAMENTE COM O MEU PENSAMENTO.  NA NOSSA INDUSTRIA TEXTIL " NADA SE CRIA TUDO SE COPIA".....

FOI E É ASSIM... AINDA.

O EMPRESARIO TEXTIL INVESTE MILHÕES DE DOLARES EM UMA FABRICA NOVA, COM EQUIPAM,ENTOS MODERRNOS E ETC... E CONTRATA 1/2 DUZIA DE "MEIA CUIÉ" PRA ADMINISTRA-LA...ENTÃO... FICAM NESSA DE COPIAR...CHORAR...RECLAMAR...COPIAR...CHORAR...RECLAMAR...

E TEM MAIS...SEMPRE RECLAMANDO E SEMPRE GANHANDO MUITO DINHEIRO...COMPRANDO AVIÃO...CARRO IMPORTADO...FAZENDA NO MATO GROSSO....E......"BURLANDO O FISCO"....PRA VARIAR...

"NADA SE CRIA TUDO SE COPIA".... ESSE É O LEMA.....

 

QUEM DISSE QUE O CHIONES TEM 3 CULHÕES ?????

AÍ VEM UMA REUNIÃO COM O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMERCIO E UM DEPUTADO REPRESENTANDO A CADEIA TEXTIL APRESENTA "VAGAM,ENTE"  OS PROBLEMAS DOS TEXTEIS......

 

É MOLE ISSO HENRIQUE ZUCATELLI ???????????????????

Cara, concordo em gênero número e grau com o Henrique...

Também com  o  Sergio a Alexandre, quando diz que não temos lideranças ( e pensar que fui demitido de uma instituição de ensino por ousar falar no nome desses santos em vão")

Pois é fico q pensar como o setor pode atrair profissionais melhores se sua liderança é autoritária , egoísta e populista (qualidades antagônicas a um líder).

Autoritária = Julgam que sabem, eles e seus grupos de aspones, e não precisam de ninguém;

Egoístas = Pensam sempre na próxima eleição;

Populista = Geram ações sociais para aparecerem na foto, como se o problema da cadeia têxtil fosse resolvido através de geração de empregos de costureiras para fazer roupas para sua vizinhança; ou ainda se a economia produtiva sem escala de produção pudesse ser competitiva com o varejo que se instalou, está se instalando e que se instalará no país

 

Sr. Henrique Zucatelli

Parabéns pelo comentario !

É isso ai !!! ....entre falar e agir  a diferença é muito grande .Façamos a nossa parte ..só assim mudaremos  a realidade e desmascararemos tantas mentiras e  absurdos que os oportunistas lançam  nos ouvidos de muitos para favorecerem  uma minoria. Muitos so  reclamam mas  não mudam uma virgula para melhorar  ou corrigir os entraves  que emperram o desenvolvimento do setor textil.Temos tudo na mão ...materia prima ,mercado e capital humano e  não dão valor porque distorcem a realidade jogando no ar que o Custo BRasil  impede que possamos crescer.Concordo !!   Mas não fazem nada porque ? Seja governo seja setor privado ficam so no bla bla bla.. Não fazem nada ou fingem que fazem . Solução ;  ...... ao inves de proteger o mercado  lute para abrir o mercado diminua  as aliquotas para zero .....importem tudo o maximo que puder  ai quem sabe  alguem faz algo de concreto!

Jaime H Toda



Henrique Zucatelli disse:

Não querendo ser polêmico novamente, mas vamos aos fatos, antes que isso aqui vire uma Argentina, de tantas barreiras comerciais que forçam meus colegas empresários:

A indústria textil brasileira é permeada por amadores de todos os lados. É burocracia do começo ao fim: do representante, que lhe impõe todo tipo de empecilho na compra do produto (além claro, da falta de expertise no negócio) até a fábrica, que tem prazos médios de 15 a 20 dias para entrega DE QUALQUER QUANTIDADE. Não desenvolvem nada, não criam nada, não abdicam de nada. Fornecem quando muito aquilo que está no catálogo. Se você fugir um pouco do escopo, te cortam independente do seu tamanho.

Vocês só sabem viajar a China para comprar produto pronto, insumos, máquinas, e passear, mas NENHUM colega do ramo vai para aprender, como eu fiz. Façam uma viagem como cliente e vejam como funcionam as fábricas lá: como elas vendem, como produzem etc., e vão perceber que 50% das barreiras são vocês mesmos que impõem.

Se utilizarem a muleta do trabalho escravo, dos subsídios do governo chinês etc., os convido a ir a Alemanha, Coréia, Japão e conhecer as fábricas deles. Verão que muito dos problemas se encontram dentro de suas fábricas. Vocês não querem desenvolver nada novo. Investir na cadeia de produção? Magina! Trabalhar a logística para atender tanto o atacado quanto o varejo? Jamais. Contratar engenheiros, inventores e toda sorte de profissionais para otimizar sua produção? Nunca.

Se eu encontro dificuldades para comprar um simples tecido 100% poliéster, com a largura que necessito, imagina um grupo que necessita abastecer centenas de lojas no prazo? 

Abraços,

Henrique Zucatelli

Grupo Cobra

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço