Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Abaixo a página que  de certa forma  "abre"  a  página  do CETIQ, que bem descreve as  atividades e objetivos  da  Escola , que encontra-se  sobre o  que  me  autorizo classificar  como vigorosa e  bbrutal intervenção- mas  corre  risco. Até  a presente data  o destacado papel  do CETIQT permanece o que  está  abaixo descrito. O  CETIQ,  ex  ETIQT, passou a  Centro de  Tecnologia , sendo ao que  entendo o primeiro Centrode  Tecnologia  do Sistema  Senai. Uma breve ,    esclarecedora  história deste  processo, pode  ser encontrada  em " Sugestão de um Modelo de Inteligência Competitiva para Centros de Tecnologia Têxtil: O Caso do SENAI/CETIQT." Histórico e Estrutura do SENAI/CETIQT de  autoria  de Marcelo José Pio, Ariel Vicentini de S. Martins y Adelaide Antunes, que pode  ser  acessada    em   http://www.revistaespacios.com/a04v25n01/04250134.html >. Na referência lê-se

"A Escola Técnica da Indústria Química e Têxtil (ETIQT) foi inaugurada em 1949, com o objetivo de suprir a indústria têxtil de técnicos com a capacidade de atuação nos principais elos da cadeia têxtil (fiação, tecelagem e acabamento). Com um corpo docente especializado em escolas têxteis americanas e inglesas e equipamentos altamente sofisticados para a época, a ETIQT constituiu-se, em pouco tempo, em uma referência para as indústrias têxteis brasileiras para a qualificação de seus profissionais. Continuando , (.. Desta forma, em 1980, transformou-se no Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil – CETIQT. Durante os anos 80, o SENAI/CETIQT, em convênio com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), lançou o Curso de Engenharia Mecânica, habilitação têxtil, e o Curso de Estilismo e Confecção Industrial, sendo este último pioneiro na formação de profissionais qualificados, e uma exigência do mercado, na época"

Fui aluno  do antigo  ETIQT,  graduando em 61, trabalhei   6 anos como técnico  na Sudamtex, em 68  fui para os  Estados  Unidos , ond  fiz  Quimica  Têxtil ,  doutorei-me  em  Engenharia  Química, e trabalhei como pesquisador na  Universidade da Carolina  do Norte.  Em 78  iniciei atividades no  ETIQT,  como  assessor à  convite do Professor  Gonzaga,  chegando a trabalhar em tempo integral na  Instituição  entre  82  e  83. O  CETIQT   já estava  estabelecido como Centro,  e  eu estava orgulhoso de ter participado deste processo, que ampliou anormenet os  serviços prestados  ao setor  Têxtil.

O  CETIQT  não tem competidor na área de  ensino e pesquisa  altura  no presente  momento, nem tem pespectiva  de ter, sequer  a longo prazo.  O steron  têxtil é um deserto de  cérebros- ainda. O  CETIQT  e sua  equipe foram os principais  participantes do Estudo realizado  pelo  CGEE  "Estudo Prospectivo Setorial:  Têxtil e  Confecção" ,Série  Cadernos  da Indústria  ABDI , Agência   Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), 2010., disponível na  internet., que iria subsidiar  o  MINC no estabelecimento de uma  política  de inovação para o  setor têxtil.Desde  da  sua  fundação  o  Cetiqt privilegiou educadores  com experiência têxtil, de fábrica   e  formação , para  atuar  como Diretor da  instituição. Abre-se uma exceção  agora, com um Diretor , sem formação ou experiencia  na  área (  pelo seu  currículo),  vindo do  distante Estado  do Tocantins-já temos  mais de 50  profissionais  demitidos  de forma  brutal e  inédita para uma  inhjstituiçcom fundos   coletadso  da  folha de  salários  das indústrias.Desconheço na história moderna  da educação do Brasil uma  ação  tão brutal em uma instituição  de educação no  Brasil, aparentemente  orientadas por  assessorias mais  especializadas em fechar  fábricas. Mas  o  CETIQT não é uma  fábrica. E quais  aa  assessorias  que  foram contratadas para fazer  um trabalho  tão brutal  ,  e  perdoem-me  por  assim    dizer,  sujo? Este trabaho pela  rapidez  e brutalidade  parece  seguir a  orientação de Maquiavel para  fazer  uma trabalho  sujo:  que seja  rápido.  Abaixo nom,es  de algumns dos  reponsáveis  pela inédita e brutal intervenção numa instituição de  educação,  sem paralelo  na história  moderna  da educação no Brasil. Aos demitidos   aconselho que procurame  um  buscar um apoio  legal

O CETIQT

O CETIQT é um dos mais importantes centros de formação profissional, prestação de serviços e consultorias para a cadeia produtiva têxtil no Brasil e no mundo.

É a única escola têxtil do país a possuir uma fábrica têxtil completa, além de planta-piloto de confecção, rede integrada de laboratórios, institutos especializados em cor, design e prospecção tecnológica e mercadológica, e o mais completo acervo bibliográfico têxtil, de confecção, moda e mercado.

É a primeira unidade do SENAI a oferecer cursos de nível superior. A Faculdade SENAI/CETIQT, cujos diplomas são validados pelos futuros empregadores dos que ali se formam, já é conhecida como A FACULDADE DA INDÚSTRIA.

A Faculdade SENAI/CETIQT oferece oito cursos de Graduação: Administração, Artes - Habilitação Figurino e Indumentária, Curso Superior de Tecnologia em Produção de Vestuário (Tecnólogo em Modelagem), Design - Ênfase em Design de Superfície, Design - Habilitação Moda, Engenharia Têxtil, Engenharia de Produção, Engenharia Química.

Oferece, também, seis cursos de Pós-graduação Lato Sensu presenciais: Design de Acessórios de Moda, Design de Estampas, Design de Moda, Design Estratégico, Design de Interiores, Pesquisa de Comportamento e Consumo.

A Faculdade SENAI/CETIQT é credenciada para oferta de Cursos de Pós-graduação Lato Sensu na modalidade a distância (Portaria 298, de 24/03/2011). São dois os cursos de especialização oferecidos a distância, em parceria com os Pólos de Apoio Presencial nos estados de BA, ES, MG e PB, além do RJ: Pós-Graduação em Design de Moda e MBA em Gestão Estratégica de Vendas para os Mercados da Moda e de Têxteis.

A Instituição também oferece cursos de Extensão de curta duração, presenciais e a distância.

São muitas opções e, certamente, uma delas se ajusta às suas necessidades.

O CETIQT é referência para todos os temas dos setores têxtil e de confecção: EDUCAÇÃO, MODA E DESIGN, COR, CONSULTORIAS, SERVIÇOS e INFORMAÇÃO. Navegue por eles e conheça o que há de melhor para a cadeia têxtil e para você.

 

CONSELHO TÉCNICO ADMINISTRATIVO

O SENAI/CETIQT é administrado por um Conselho Técnico e Administrativo ( CTA ) e por uma Diretoria Executiva.

O CTA é formado por cinco empresários da Cadeia Têxtil Nacional, representando diferentes regiões do país e outros quatro membros que representam o Departamento Nacional do SENAI, o Departamento Regional do SENAI - RJ, Ministério da Educação e Cultura e o corpo docente do SENAI/CETIQT.

No âmbito executivo, são três Diretorias que administram o SENAI/CETIQT: Diretoria Geral, de Educação e Tecnologia e de Operações.

Assim sendo, os projetos estratégicos da Instituição estão perfeitamente alinhados com as necessidades da Cadeia Têxtil Nacional.

ADMINISTRAÇÃO NACIONAL DO SENAI
Presidente do Conselho Nacional do SENAI : Robson Braga de Andrade
Diretor Geral do Departamento Nacional : Rafael Lucchesi

CONSELHO TÉCNICO ADMINISTRATIVO DO SENAI/CETIQT
Presidente : Aguinaldo Diniz Filho

Conselheiros:
João Batista Gomes Lima
José Francisco Veloso Ribeiro
Leonardo Garcia Teixeira Mendes
Luiz Augusto Barreto Rocha
Luiz Augusto Caldas Pereira
Maria Lúcia Paulino Telles
Pierangelo Rossetti
Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti
Rolf Dieter Bückmann

ADMINISTRAÇÃO DO SENAI/CETIQT
Diretor : Marcus Carvalho Fonseca
Gerente Executivo de Educação e Tecnologia : Leonardo Garcia Teixeira Mendes
Gerente Executivo de Administração e Finanças : Fernando Rotta Rodrigues

Exibições: 2143

Responder esta

Respostas a este tópico

Fui aluno do Cetiqt em 88.  Naquele tempo, saí de lá com uma leve idéia do que era a indústria têxtil.  Quando comecei a trabalhar, logo em seguida, percebi a defasagem tecnológica entre o que aprendi e o patamar mais elevado que as industrias já trabalhavam.

Ou seja, o Cetiqt se dizia "centro tecnológico"  mas não o era.

Mais tarde, já profissional atuante, precisei dos serviços do Cetiqt (laboratoriais e/ou informações técnicas).

Surpreendi-me com o departamentalismo...burocracia e falta de comprometimento dos que tinham a função de dar suporte a indústria.  Desisti de tentar buscar amparo nessa Instituição.

Mais tarde, o SENAI decidiu abrir o curso técnico textil aqui em Blumenau e região, centro que abastecia fortemente o Cetiqt com alunos que traziam e tb levavam tecnologia.  Foi mais um passo para a percepção do "Porque existe o Cetiqt???"

Não sei ao certo o que está acontecendo dentro do Cetiqt, se quem está saindo é de forma justa ou injusta, mas sei que tinha muita gente sentada lá dentro na fama que o Cetiqt angariou em seus anos de glória onde havia profissionais comprometidos como vc, que a transformaram numa escola referência.

O Cetiqt está morrendo?? talvez sim, ou talvez esteja em metamorfose?

E a culpa, não é deste diretor, que nem o conheço, mas sim de várias administrações "puramente políticas" que deixaram as coisas chegarem a este patamar.

O próprio SENAI, deu um tiro no pé, quando regionalizou o ensino técnico e os de graduação.  Quase todos os cursos que vc falou que o Cetiqt oferece, o Senai de Blumenau tem um igual ou parecido a oferecer com um custo mais baixo.  Ótimo para quem é daqui.  Ruim para o Cetiqt.

Então, mais do que ficar lamentando o enterro de quem já está morrendo a anos, é imperativo que se repense a função dessa instituição, e que a torne ágil, menos burocrata a alinhada com as necessidades da indústria.

Abraço  a todos.

Considerando a diversidade de desafios  técnicos e  , em alguns casos  científicos , dos diversos  ramos  da  indústria  têxtil, diversidade o que  se  extende  a todos  os  setores da manufatura  , é  normal que o conhecimento adquirido em qualquer  instituição de ensino  seja limitado  em relação ao que o profissional  aprenderá , terá que aprender,  ao  longo  de  sua  carreira.. Eu,  como sou um cara  que me reconheço como  limitado, também sai  do ETIQT  com um conhecimento  tembém "limitado", embora suficiente para que  tenha trabalhado  numa  grande emrpesa  como a  Sudamtex, ido para  os Estados  Unidos onde me formei em Quimica Têxtil, obtido um PhD em Engenharia  Química,  e trabalhado como Pesquisador na  área  têxtil da  North Caropina State  University. Recentemente  o  CETIQT  foi quase que o único  ator no trabalho realizado pelo CGEE, para atender  na ponta  o MINC. Se não existisse o CETIQT,provavelmente o SENAI  Têxtil  de Blumenau   não existiria  como tal , sabendo-se que muitos dos líderes  da  Têxtil em SC foram formados no  CETIQT, que deu binestimável serviço ao setor  têxtil  de todo o Brasil. A proposta deo CETiQT não é  centralizar  atividades que podem  ser realizadas em outros  Esados mas  até  ajudar  a consolida-las,e  possivelmente, dar mais ênfase, se  sobreviver  a atual  intervenção. Outrossim  ao popnto queb  sei  o  CETIQT  foi um exemplo  imitado pelo SENAI  , que implantou  Centros de Tecnologia .Hoje  aposentei-me  aos  70   anos  depois de  35 anos na  UNICAMP, hoje na  condição de de  Professor  Titular. Muito  contribui para minha carreira o conhecimento de minha s limitações.Sim sou umcara limitado. esse  conhecimento é o primeiro passo para que não  continuemos  limitados e colocando as  consequencias  de nossas  limitações  em outros. Por  questão metodológica assuma-se  como limitado, como eu fiz,e parta daí. Infelizmente concluo  sem poder  deixar  de  dizer  que  engana-se quantyo  ao  CETIQT.  Leia o relatório  feito  para o  CGEE que  pelo que pela posição adotada  não  leu.

Pelo visto o Edson não entendeu nada do que eu quis dizer.  Mas deixa, ele já está aposentado, não está dentro de empresa que necessita de instituições tecnológicas de apoio a empresa.  Se assim fosse, entenderia o que estou dizendo.  Se essas instituições de apoio tecnológico não estivessem tão em descompasso com a indústria têxtil, quem sabe, seríamos menos rabugentos.  Ah ! E por eu ser tb limitado, é que busco apoio nessas instituições, mas cada vez me decepciono mais porque o que mais encontro são pessoas (não vou dizer profissionais) defendendo seus feudos.

Estou aposentado e  continuo trabalhando normalmente a convite da  Unicamp  , ministrando cursos,  orientando  teses, escrevendo trabalhos , fazendo assessoria ,  e defendendo a  Instituição  a qual  tanto devo, assim como deve  ao  CETIQT, e  muito, todo  o  Estado, e  muitos  empresários  da área  têxtil de   Santa  Catarina.  De 88  quando vc  se  formou até  2012  passaram-se  quase  25 anos. Vc continua  colocando a  culpa  do seu desempenho  no SENAI?  Afinal qual sua  função  aí na  fábrica?

Querido, Tinha decidido não continuar esta discussão com vc porque sei que não valeria a pena.  Mas já que vc perguntou, não estou culpando ninguém por meu desempenho...minhas atitudes certas ou erradas ao longo dos meus 25 anos de indústria são de responsabilidade minha.  Minha função na empresa que atuo... Apenas Dono.

Por sinal, o SENAI, é um bom parceiro.

SENHORES. SOU EX ALUNO DO CETIQT(1983), FUI AUXILIAR BOLSISTA NA PLANTA DE TECELAGEM

DO CETIQT(ONDE DESENVOLVI EXCELENTES AMIZADES COM O CORPO DOCENTE) E FUI FUNCIONÁ-

RIO DO SENAI/DR CE EM FORTALEZA ONDE ACUMULEI AS FUNÇÕES DE INSTRUTOR E ANALISTA DE

TREINAMENTOS ATUANDO JUNTO AOS RHs DAS INDÚSTRIAS E COLABORAVA, COM AS MESMAS, NOS

LEVANTAMENTOS DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTOS. NESTA OPORTUNIDADE PARTICIPEI DE 

UM TRABALHO, QUE FOI PUBLICADO PELO SENAI "AVANÇOS TECNOLÓGICOS NA INDÚSTRIA TÊXTIL

DO CEARÁ". JUNTAMENTE COM AS EXPERIÊNCIAS ADQUIRIDAS NO CONTATO COM AS TÊXTEIS 

CEARENSES E O TRABALHO PUBLICADO, QUE CONSISTIA NUMA PESQUISA/RELATÓRIO COM O

PROPÓSITO DE DETECTAR AS NECESSIDADES DE FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA PARA ACOM-

PANHAR OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS INTRODUZIDOS PELAS EMPRESAS, PUDEMOS CONCLUIR

QUE OS CENTROS TECNOLÓGICOS EXISTENTES NO BRASIL NÃO TINHAM CONDIÇÕES TÉCNICAS

PARA QUALIFICAR ESSA MÃO DE OBRA. EU, MESMO, REALIZEI UM LEVANTAMENTO NO CENTRO

DO SENAI EM PAULISTA/PE E CONHECIA BEM O CETIQT. PARA EXEMPLIFICAR CITO O SEGUINTE

CASO: AS INDÚSTRIAS TÊXTEIS ADQUIRIRAM SALAS DE ABERTURA ROBOTIZADAS NA ALIMENTA-

ÇÃO, SEM FORMADOR DE MANTA E COM ALIMENTAÇÃO DIRETA NAS CARDAS E O CETIQT COM

UMA SALA DE ABERTURA DA DÉCADA DE 50 QUE NEM FUNCIONAVA. O TEAR DE PROJÉTIL DA

SULZER NÃO PASSAVA DE UM PROTÓTIPO NÃO OPERCIONÁVEL SÓ DEMONSTRATIVO. PERGUN-

TO-LHES: QUAL O OBJETIVO SOCIAL DO SENAI??? A MEU VER, UMA INSTITUIÇÃO VOLTADA PARA

A FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA INDUSTRIAL QUE ATUA, EM ALGUNS DRs, INCLUSIVE NOS NÍVEIS

INICIAIS DA FORMAÇÃO EDUCACIONAL, FUNDAMENTAL E MÉDIO. "FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA"

POIS ONDE ESTÃO OS LABORATÓRIOS PARA ESTUDOS DE MÉTODOS OPERACIONAIS, ANÁLISES DE

DESENVOLVIMENTOS POR ESTUDOS DE TEMPOS E MÉTODOS???? COMO FORMAR GENTE PARA OPERAR

E ADMINISTRAR PRODUÇÕES INDUSTRIAIS???? O QUE EU FIZ PARA DAR SUPORTE ÁS INDÚSTRIAS

CEARENSES??? PROPUS FORMÁ-LAS NAS PRÓPRIAS INDÚSTRIAS COM O SUPORTE DE TREINAMEN-

TO DO SENAI/DR CE. RESULTADO??? FUI CRITICADO E MINHA PROPOSTA COLOCADA DE LADO,

MAS, A VICUNHA COMPROU O PROJETO E ASSIM, COMO MUITOS PROFISSIONAIS CONCURSADOS

DO SISTEMA SENAI, FUI PARA A INICIATIVA PRIVADA. FORMAMOS NO PRIMEIRO ANO 15 SUPER-

VISORES DE PRODUÇÃO PARA FIAÇÃO NA VICUNHA C/ APROVEITAMENTO DE 100% DOS ALUNOS.

A DURA REALIDADE É QUE O SENAI É UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA COM "ALMA" DE PÚBLICA ONDE

SERVE DE CABIDE DE EMPREGO PARA "AMIGOS" DOS NÚCLEOS DIRETÓRIOS DAS FEDERAÇÕES DAS

INDÚSTRIAS DOS ESTADOS E DO CNI. ADMINISTRADORES QUE AGUARDAM TEMPO DE APOSENTA-

DORIA OU CARGOS POLÍTICOS.


 

PREZADO EDSON,

 

SEMPRE LEIO OS SEUS COMENTARIOS E SEMPRE ESTOU DE ACORDO COM VOCE.

EU TAMBEM ESTUDEI NO ETIQT (1969 A 1972).

FUI ALUNO DO DALTRO, DO BOMBA, DO NAGHETINI, DO GONZAGA, DO GERALDO XAVIER, DO EDNALDO CAETANO, DO BOLIVAR E ETC...

TRABALHEI NA SANTISTA NO NORDESTE E TAMBEM TRABALHEI NA SUDAMTEX NO RIO DE JANEIRO, MEU CHEFE ERA SR. JOÃO PASSARELLI NAQUELA EMPRESA.

CLARO QUE O TEMPO PASSA E COISAS MUDAM, PRINCIPALMENTE NUMA INSTITUIÇÃO COMO O CETIQT.  AO CONTRARIO DE OUTRAS PESSOAS, QUE TAMBEM RESPEITO E DE FORMA ALGUMA VOU POLEMIZAR, EU SOU APAIXONADO PELO CETIQT.

EU NÃO ERA NADA E COM POUCAS POSSIBILIDADES...ENTÃO ENTREI NO CETIQT.

 

SAÍ DE LÁ PESSOA MELHOR E PROFISSIONAL DE PRIMEIRA LINHA. APRENDI MUITO NA VIDA E NAS INDUSTRIAS MAS CHEGUEI NA INDUSTRIA (SANTISTA, SUDAMTEX, POLYENKA, COM CONHECIMENTO ACIMA DA MÉDIA. E GRAÇAS AO MEU DIPLOMA DO CETIQT (TECNICO TEXTIL COM MUITO ORGULHO) EU VENCI...E VENCI MESMO....

HOJE TENHO CURSO UNIVERSITARIO, MBA, POS GRADUAÇÃO E TUDO O MAIS....MAS A MINHA BASE É O CETIQT.

 

SE ESTÃO FAZENDO "POLITICAGEM"  COM A INSTITUIÇÃO, NÓS DE OUTRAS ÉPOCAS... NÃO VAMOS FICAR CONTENTES......

 

FIQUEI 4 ANOS LÁ E DEPOIS QUE SAÍ...NUNCA MAIS ENCONTREI ESCOLA DO MESMO NÍVEL.....

 

TALVEZ VOCE QUE TEVE A SORTE DE ESTUDAR FORA DO BRASIL.

 

 

UM GRANDE ABRAÇO.

 

SERGIO COELHO BASTOS

AMERICANA - SP

Alvíssaras Senai/Cetiqt/ETIQT.

ORGULHOSAMENTE ! ! !

Ingo Joachim Schymura/ETIQT 1963

Sou técnico têxtil - ETIQT 1970 trabalhei em grandes industrias textil Sudamtex(rio) Rio Tinto(Pb)
Cotonificio da Torre(Pe) Tecelagem Brasil(Sp) curso superior e pós graduação textil na Fei(Sp) mas sinto orgulho de ser técnico têxtil,base de tudo
José tavares - Sp

Concordo com o Ingo, acho que deveríamos nos unir, ABTT principalmente para reverter a situação, também fui do tempo de ETIQT, e hoje fico triste quando vejo brigas e vaidades sendo postas em primeiro plano, sabemos das limitações do sistema S, principalmente pelas inúmeras tentativas de desviar o seu foco e os seus objetivos, acho que agora estão quase conseguindo, precisamos e devemos tomar uma posição que evite este atentado ao segmento têxtil, não adianta ficar com picuinhas pessoais, vaidades e orgulhos, o que a indústria têxtil precisa e de nós, TÉCNICOS TÊXTEIS, com muito orgulho formados pelo ETIQT, CETIQT, a indústria têxtil não seria o que é, mesmo com limitações, não fosse o potencial, a capacidade técnica e de gestão que nós técnicos têxteis temos, vamos lutar para trazer novamente o CETIQT, para o lugar de onde nunca deveria ter levantado suspeitas para sair.

Barbosa, Ingo, Caetano, Camilo, Edvaldo e tantos outros vamos mostrar a força que a ABTT, CETIQT tem para reverter a situação, contem com o meu apoio nesta empreitada.

Eu estou também empenhado em levar adiante essa discussão para salvar o CETIQT de possível fechamento e sugiro fazermos um "MANIFESTO" e colocarmos num site e angariar assinaturas de todos aqueles que apoiarem essa iniciativa. Já conversei com o Edison pelo telefone e estou aguardando nosso colega Carlito Candido Ribeiro elaborar esse manifesto para envia-lo para o Textile Industry e angariarmos as adesões necessárias  para encaminharmos a todos os Conselheiros atuais e ex- Conselheiros do CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO do CETIQT ;  C.N.I. ; Industriais Têxteis de todos os Estados do Brasil ; Sindicatos Patronais das Industrias Têxteis etc... Acho que não devemos contar com a ABTT , que nem recebida é mais pelo Diretor Geral do Cetiqt, nem tampouco do Diretor de Educação, como eramos recebidos até pouco tempos atrás, ocasião que podíamos discutir e criticar determinadas ações daquele Centro de Tecnologia. Eramos ouvidos e prestigiados como a unica instituição de classe representativa dos profissionais têxteis do Brasil. Atualmente a ABTT foi recebida dia 28/05 por uma funcionaria do 4º escalão,para pedir autorização à realização da Festa de 50 anos da ABTT em suas dependências. Não creio que seus representantes legais, tenham aquilo roxo para comprar essa briga, a não ser, alguns independentes, não comprometidos com a atual diretoria.  

BOA NOITE BARBOSA !

EU ESTOU A DISPOSIÇÃO PARA PARTICIPAR.  SE É EM DEFESA DO CETIQT...CONTE COMIGO.

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço