Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

O presidente do Sindicato das Indústrias Têxteis de Blumenau (Sintex), Ulrich Kuhn, Disse que a Entidade já se Manifestou Contra a Salvaguarda dos Têxteis

Para atender pleito da indústria têxtil nacional, que enfrenta dificuldades para competir em função do crescimento das importações de confecções (boa parte com preço subfaturado), o ministro Guido Mantega prometeu, no final do ano passado, a adoção de salvaguardas que exigem tributação por produto. Mas o setor importador, incluindo indústrias catarinenses que complementam a produção no exterior, especialmente na Ásia, estão pressionando o governo a não adotar a medida. O presidente do Sindicato das Indústrias Têxteis de Blumenau (Sintex), Ulrich Kuhn, disse que a entidade já se manifestou contra a salvaguarda porque a medida pune todos os países que venderem têxteis ao Brasil não só os que praticam subfaturamentoou têm câmbio subvalorizado.
Conforme o empresário, há uma corrente, no Brasil, caminhando para um protecionismo em vez de resolver os problemas de custo Brasil, câmbio e outros, que impedem a competição. A importação predatória é um problemas de fiscalização.

Mais empregos

O argumento do governo federal para as salvaguardas é a preservação do emprego. Conforme Ulrich Kuhn, o Brasil precisa criar um sistema tributário especial para atividades intensivas em mão de obra caso esse segmento interesse ao país. Assim, será possível ser competitivo nos mercados interno e externo. Ele alerta que o plano Brasil Maior, que passou a tributar em 1,5% do faturamento as empresas de confecções para reduzir custos de mão de obra acabou provocando aumento de custo para quem é mais eficiente e agrega mais valor

Fonte:|http://wp.clicrbs.com.br/estelabenetti/2012/02/03/a-polemica-das-sa...

Exibições: 1456

Responder esta

Respostas a este tópico

 

CAROS COLEGAS,

 

DIANTE DE TODO O ESFORÇO DESPRENDIDO PELOS PROFISSIONAIS DA INDUSTRIA TEXTIL BRASILEIRA SOMENTE ASSISTIMOS DUAS PESSOAS DISCUSSAREM CONTRA A SALVAGUARDA.

O SR. PRESIDENTE DA ALPARGATAS - QUE IMPORTA TENIS DA CHINA E TROCA A ETIQUETA QUANDO CHEGA AQUI E ESSE SENHOR QUE IMPORTA OS CONFECCIONADOS JÁ COM AS ETIQUETAS DELE COLOCADAS LÁ NA CHINA.

FALTAM SE EXPRESSAR CONTRA A SALVAGUARDA OS OUTROS IMPORTADORES QUE ABASTECEM OS GRANDES MAGAZINES E QUE TODOS NOS ESTAMOS CANSADOS DE SABER QUEM SÃO....

 

O PROBLEMA TODO É O PODER FINANCEIRO  DELES SER ENORME....E NESSE BRASIL, QUEM TEM DINHEIRO.....COMPRA TUDO...E TODOS.....

se olharmos a parte interna da lingueta de um tenis , vamos notar que a maior parte é fabricada no Vietnã....olhem no shoping  de santa barabara....

as lojas HAVAN  importam tudo da china!!! e crescem a passos largos!!! foi lá que pude ver em final de 2008, na loha de Blumenau etiquetas do Vietnã.....

em julho de 2008, comprei em uma loja em Blumenau 1  paleto de inverno em veludo cotelê , um blusão com a marca Peirre Cardin, ambos fabricados na China!!!!Mostrei a diversas pessoas em Americana....fiquei absmado com o custo que na época respectivamente me custaram R$ 249,00 e R$ 199,00 .....hoje vc compra o mesmo paletó na Colombo e paga R$ 199,00 ( se o preço nao caiu mais...) o que mais fiquei admirado foi a qualidade dos produtos, nao apenas estes mas outros em diversas lojas de varejo em Blumenau....blusas de lã ou mesclas com acrilico, ternos, camisas, meias de inverno em jacquard, cuecas, lenços...etc..etc....com excelente qualidade e com preços muito baixo!!!!! se vc pesar , verá que nao dá custo realmente...conversando com alguns logistas, o mesmo me falaram que compravam de distribuidor que importavam grandes volumes, e desta forma teriam preços competitivos e ainda com lucros altos!!!!!

alguns magazines populares que somente importam : RENER, PERNAMBUCANAS, RIACHUELO, C&A, MARISA,COLOMBO.....enfim o elenco é muito grande!!! importam por intermedio de tradings e alguns diretamente...se a RF fiscalizar um pouco estas tradings, apenas vao encontrar pepinos grossos!!!!

importamos tb de china....casacos de couro, e moveis de madeira!!!!é absurdo!!! para quem tem cosntrutora o prato é mais cheio...vem até escadas rolantes e elevadores...somente nao vem cimento e areia!!!! o resto se importa tudo!!!!  em fortaleza tem shoppings que foram cosntruidos desta forma!!!e a farra continua!!! parabéns governo de m....

por favort pessoal...nao é apenas textil....são todos os setores...nao podemos ter apenas mao de obra para cosntrução civil....mas produtos nacionais....alias inumeras ceramicas importam o famoso porcelanato, inclusive ceramicas de Rio Claro e região!!!!até fiação eletrica, conduites, cxs de energia, interruptores...etc..etc...quem mora em Americana pode dar um pulinho na META....e vejam a origem dos produtos!!!! alias deveriamos observar um pouco mais em qualquer produto e ver sua origem.....vcs certamente ficaraão absmados!!! por isto temos que esquecer FIESP e ABIT.......nós somos o povo...temos que forçar o governo a agir, e continua a insistir: somente uma greve geral para que o governo determini cotas imediatas, para coibir a importação e gerar empregos no Brasil...por isto estou sempre dando meus parabéns aos hermanos....que tem sobretudo uma presidente com muita visão!!!!  

temos que acabar com este ôba-ôba !!!! temso que ser sérios e exigir isto do governo, custe o que custar!!! vamos mobilizar para PARAR O BRASIL DE IMEDIATO!!!! COTAS DE IM PORTAÇÃO : MAXIMO 30% DO ANO ANTERIOR E LICENÇA SOMENTE DEPOIS DE 6 MESES PARA APROVAÇÃO!!!! ACORDA BRASIL!!!!!!!!!!!!1

KKKK....essa foi legal Silvia.

 

Esse (Sr. Ulrich Kuhn), com certeza, ou não conectou o cérebro à boca antes de falar!

 

Abraços.

 

Edson Machado

 

silvia borges disse:

A LUZ VIAJA MAIS RÁPIDO DO QUE O SOM - por isso algumas pessoas parecem brilhar qdo abrem a boca.

Concordo plenamente com sua opinião.  O Sr Ulrich, que smpre admirei por suas posturas, agora pisou no tomate.  É o que acontece quando o cara deixar de ser empresário e passa a ser politiqueiro.

Quanto a opinião da Sivia Borges,Parabéns pela clareza das colocações.  Tributar só o que é da China e dos outros não, é uqerer deixar a porta aberta para o Ladrão.  Temos cansado de ler em jornais que empresas usam países de fachada para legitimar importação.

Waumy Silva disse:

Infelismente muitos empresários estão se transformando em importadores. É o caso da Hering que êste senhor é diretor, aumenyou substancialmente as lojas e as peças prontas importasdas são uma realidade. É natural a sua posição contraria a qualquer medida contra a importãção. êle deveria se posicionar sesta forma nas reuniões da ABIT em que êle participa.

Waumy

Alguma coisa está me soando muito errado nestas palavras.

 

Ou as palavras colocadas nesta matéria não é dele (Sr. Ulrich); ou está se beneficiando com as importações de produtos asiáticos, principalmente as que estão sendo nacionalizadas em portos catarinenses, não se importando com as industrias têxteis locais, do qual ele é o representante; ou está levando uma "bola" gorda da abitex.

Com relação a carga tributária (custo Brasil), não há o que questionar, falar disso é chover no molhado. Temos (todos os setores produtivos), sim, que pressionar o governo para que se faça uma reforma tributária digna de um país que se diz "já" ser de primeiro mundo. Porém, na atual conjuntura do setor, se fossemos, primeiramente, tratar com o governo sobre carga tributária, temo que não daria tempo de se chegarmos à um denominador comum sem que antes as empresas de transformação (industrias) estivessem fechadas, pelo simples fato de não sermos competitivos com o produto asiático.

Com certeza, Sr. Ulrich, quando o Sr. fez esta triste afirmação, não lembrou de Seus pares da industria têxtil.

 

Abraços à todos!

 

Edson Machado

Sr Ulrich esta certo no ponto de fuga , ou seja , se encararmos de frente o problema e corrupcao e falta de fiscalizacao em portos.

Se a lei for cumprida 18% de imposto de importacao em fio, 26% em malhas e 35% em confeccao sao suficientes.

Porem nos portos brasileiros de tudo acontece e muita gente da industria e conivente com isso. Se mercadoria subfaturada voltasse pro exterior seria otimo.

Quanto a cara tributaria a nossa e regressiva deveria ser progressiva....Logico quanto mais emprego formal menor deveria ser o custo...Quem e do ramo e acompanha sabe...a empresa industrial  grande formal compete com a pequena industria informal...entao com o tempo ela perde...

Assim nossa estrutura textil  a ter industrias pequenas ou medias inovadoras mas sem escala e custo pra fazer frente a uma INDIA ou CHINA ou BANGLADESH...

No caso textil tanto nos como os EUA sofremos com isso...no lado mao de obra.

Taxacao extra so se o $$ arrecadado voltar pra industria na forma de incentivos a projetos industriasi ou o dinheiro se perde na burocracia e corrupcao( quanto mais regras e mais dificeis...mais facil a corrupcao).

Exemplo o recente pedido de dumping por um grande grupo nacional sobre dumping de viscose da Turquia ou Vietna...O produto da taxacao vai reverter a quem? Deveria ir a um fundo pro industria , ou seja, se taxamos para substituir a importacao e fortalecer nossa industria esse dinheiro arrecadado tem que estar carimbado pra isso...e o melhor projeto de producao de viscose que receba essa verba...

Ou seja que se taxe vinculado realmente a instalacao de novas plantas industriais e com tecnologia.

Ou a protecao so servira pra alguns grupos politicamente muito bem articulados se beneficiarem disso , e nao necessariamente investirem no pais!!!

Na viscose o caso e emblematico, se fecharem o mercado nao temos producao de fibra pra atender o mercado!!! Se sobretaxar o fio continuaremos sem fabricas pra producao da fibra!!! A unica que existe tem maquinario de 1960/1970!!!

Entao PROTECAO SO VINCULADA A INVESTIMENTO!!!

E que o arrecadado pelo governo esteja a disposicao do melhor projeto tecnico e nao so ao mais bem situado politicamente!!!

- investimento : somente é dado para grandes grupos que ""tem influencia"""...tentyem pegar um bnds......limitado a valores vis....investimento somente com taxas altissimas!!!!

- quem participa do governo, dirteta ou indiretamente , pode pegar $$$ do bnds, e investir...até no oriente!!!! e viva a Coteminas!!!,pois um zé mané como eu nada consegue....e muitas empresas de grande porte de nossa região, ou que tem expressividade tb nada conseguem!!!!  

enfim se nao tivermos umj país limpo...de nada adiantará....

a cobrança de impostos para ser revertido em investimento é excelente!!! mas nao se pode fazer como a neotextil......

a

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço