Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Os CEOs da moda estão finalmente em um ponto de inflexão?

Com a lavagem verde turvando as águas da moda sustentável, não podemos mais confiar nas comunicações de marcas individuais. Precisamos que tomadores de decisão poderosos se unam e colaborem, em vez de competir, e se responsabilizem por ações autênticas sobre clima e direitos humanos. Nesta postagem do blog de convidados por Anvita Srivastava , explore os cinco pilares da Agenda do CEO deste ano para ver o que algumas das maiores marcas de moda do mundo estão priorizando em termos de sustentabilidade e cadeias de suprimentos éticas. A questão-chave a ter em mente é: os CEOs podem cumprir suas promessas?

Qual é exatamente a pegada de carbono da indústria da moda? 10% de todas as emissões globais anuais de carbono? Mais do que marítimo e frete combinados? Ou é 4% do total global? Todas as estatísticas acima foram publicadas por organizações confiáveis ​​nos últimos cinco anos. Nesse ponto, todos reconhecem que a indústria da moda tem uma grande pegada ambiental e social, mas ninguém parece saber exatamente o quão grande ela é. A Agenda 2021 do CEO Global Fashion Agenda é , portanto, um lembrete oportuno da necessidade premente de estabelecer uma linha de base confiável e reconstruir a indústria da moda com sustentabilidade, transparência e responsabilidade em seu núcleo.   

A agenda 2021 priorizou cinco pilares da sustentabilidade social e ambiental como áreas de foco para a indústria: ambiente de trabalho respeitoso e seguro, melhores sistemas salariais, sistemas circulares, uso eficiente de recursos e escolhas inteligentes de materiais.   

1. Ambientes de trabalho respeitosos e seguros


As violações dos direitos humanos da indústria da moda, que vão desde condições de trabalho inseguras, discriminação, coerção, escravidão moderna, abuso físico e exploração sexual, têm sido um segredo aberto por um tempo. A perda de meios de subsistência, salários não pagos e falta de redes de segurança, normalmente em países em desenvolvimento ou subdesenvolvidos, durante a pandemia de Covid-19 expôs a infraestrutura quebrada e a vulnerabilidade dos trabalhadores da fábrica.  

A pauta diz que a linha de base para as empresas é atuar como parceiros comerciais justos com os fornecedores e acompanhar o bem-estar dos trabalhadores do setor de vestuário na cadeia de valor. Isso requer uma mudança na relação fornecedor-cliente, necessária não apenas para proteger os direitos humanos, mas também para apoiar a sobrevivência de uma cadeia de valor funcional contra interrupções. A GFA incentiva os líderes da indústria a trabalhar com fornecedores e investir em soluções baseadas em tecnologia para maior transparência, disponibilidade de dados, monitoramento, documentação e comunicação em toda a cadeia de suprimentos. 

Embora a inclusão de um ambiente de trabalho respeitoso e digno como pilar central da estratégia de negócios soe como um acéfalo, sua inclusão em uma agenda global da indústria é de fato um grande marco. A indústria da moda tem sido historicamente repleta de questões de direitos humanos, mas é apenas por meio da abundância de engajamento online, discussões, cobertura da mídia e pressão do consumidor que as marcas foram forçadas a se reconciliar com esses horrores implícitos que se desenrolam bem debaixo de seu nariz.

2. Melhores sistemas de salários

Dando continuidade ao tema da sustentabilidade social, o segundo pilar visa abordar a vulnerabilidade econômica dos trabalhadores agravada devido às complexas cadeias produtivas. Uma parcela significativa dos trabalhadores do setor de confecções se enquadra no setor informal, sem proteção e representação legal. Eles foram o grupo mais afetado durante a pandemia, com fornecedores e marcas descartando a responsabilidade e deixando-os destituídos.  

A agenda diz acertadamente que as marcas desempenham um papel na promoção de mudanças sistêmicas e na criação de mecanismos para a manutenção de registros transparentes de salários justos para viver. Isso poderia ser feito por meio da coordenação com o comércio, negociações de preços justos, sistemas de pagamento digitalizados e esquemas de proteção social. Isso não acontecerá da noite para o dia e exigiria colaboração entre empresas e partes interessadas.  

Apesar dos horrores causados ​​pela Covid-19, ela mostrou um vislumbre de esperança. As fábricas e marcas que aderiram a contratos de trabalho empregaram mecanismos de pagamento mais transparentes e implementaram esquemas de proteção aos funcionários tiveram resultados positivos em termos de resiliência e desempenho.  

Colocar os trabalhadores no centro das questões é a necessidade premente da hora. A agenda pede às marcas que garantam fortes devidas diligências e estratégias de conformidade com as leis locais, acordos e obrigações globais. Devem participar mais ativamente dos sistemas de fixação de salários e apoiar a melhoria das políticas de compensação dos trabalhadores e de proteção social. Mas o que acontece quando o sistema jurídico e as políticas atuais são insuficientes? 

Um dos desafios críticos é a ausência de um salário mínimo comum. Também existe uma diferença significativa entre o salário mínimo legal e o salário mínimo na maioria dos países subdesenvolvidos. As marcas precisam ir além da devida diligência e da papelada. Depender apenas dos regulamentos atuais nunca foi e não será suficiente. Essas questões requerem coordenação sem precedentes do setor para definir e manter padrões que garantam dignidade humana básica e segurança para todas as pessoas em sua cadeia de valor.

3. Sistemas Circulares

O terceiro pilar visa desafiar o ciclo de vida linear do produto na indústria da moda. O tradicional 'pegue, faça e descarte' tem levado a indústria precariamente perto de ultrapassar os limites do planeta. O movimento em direção à circularidade tem sido particularmente lento devido a desafios regulatórios, logísticos, técnicos e econômicos. Até agora, as roupas não eram projetadas com durabilidade e reciclabilidade em mente. 

Apesar dos obstáculos, é uma grande oportunidade de inovação para as marcas criarem roupas com vida útil e pós-uso mais longa. No entanto, mudar a maneira como percebemos as roupas é um desafio muito grande para uma organização individual resolver por conta própria. Isso requer colaboração e investimento em toda a indústria para conduzir uma análise completa dos obstáculos, reestruturar caminhos lineares, construir capacidade e mudar em direção à circularidade.  

A agenda enfatiza que, embora se concentrem na inovação, as empresas não devem esquecer o impacto que tal transformação em grande escala teria sobre os trabalhadores do setor de vestuário. Eles devem se envolver com os fornecedores para equipar, proteger e treinar os trabalhadores nesta transição. Trabalhar com os formuladores de políticas também seria fundamental para incentivar os processos de infraestrutura e mecânicos.  

Como consumidores, devemos apoiar marcas pioneiras na circularidade nos processos de design, fabricação e descarte. Como indivíduos, devemos mudar nossa mentalidade para nos concentrar na longevidade do armário. Devemos ficar de olho nos desenvolvimentos neste espaço e questionar as marcas se elas deixam de fazer parte dessa transformação necessária.   

4. Uso eficiente de recursos

As indústrias de consumo têm esgotado imprudentemente os recursos naturais e impactado a biodiversidade para obter lucros desde o seu início. Eles agora enfrentam a possibilidade muito real de um colapso do ecossistema devastador para a humanidade e a sobrevivência de seus negócios. A ameaça da crise climática e a urgência sem precedentes de evitar “mudanças climáticas descontroladas” na próxima década dão o tom para o quarto pilar. 

Na indústria têxtil, o maior impacto ambiental ocorre durante a fase de beneficiamento, o que a torna uma área de alta prioridade. Vários líderes da indústria tentaram tomar decisões mais informadas e implementar medidas para melhorar a eficiência operacional nesta fase. No entanto, estudos estimam que o ritmo e a eficácia atuais das estratégias de descarbonização levariam ao dobro das emissões máximas exigidas para cumprir o Acordo de Paris até 2030. 

A agenda novamente enfatiza a necessidade de colaboração entre pares, fabricantes, governo e instituições financeiras para implementar e dimensionar programas de eficiência. Definir metas baseadas na ciência e investir em soluções baseadas na natureza são algumas das oportunidades destacadas. O ponto mais importante levantado é a necessidade de definir padrões e linhas de base para todo o setor para focar nos recursos do setor de maneira eficiente.  

A mudança climática se tornou uma palavra da moda que muitas vezes as soluções práticas são enterradas em um mar de siglas e bordões sofisticados que são lançados sobre nós todos os dias. Além disso, o desafio da gestão de recursos é muito grande para ser resolvido de maneira fragmentada por empresas individuais. As marcas precisam se unir e trabalhar de forma colaborativa para uma mudança sistemática abrangente.  

5. Escolhas inteligentes de materiais


O mix de materiais é responsável por até dois terços do impacto da marca na água, energia e uso do solo, bem como por suas emissões atmosféricas e resíduos. No entanto, lidar com esse ponto de acesso não é muito simples. O debate em torno do impacto ambiental, social e ético das matérias-primas, como as fibras, sempre foi muito complicado e, muitas vezes, controverso. Há também uma falta geral de dados sobre o impacto ambiental das fibras existentes e o desenvolvimento de novas fibras. 

Apesar dos desafios, o progresso ainda foi feito, mas os impactos potenciais de longo prazo das novas fibras ainda precisam ser vistos. A agenda aponta acertadamente que as empresas devem estar cientes das compensações, pois simplesmente trocar o mix de materiais não é uma solução. Eles devem considerar tecidos com propriedades adequadas para diversas aplicações. Os líderes da indústria devem definir padrões para toda a indústria para permitir a ação conjunta. Trabalhar em colaboração com fornecedores de matéria-prima, fabricantes, pesquisadores e associações da indústria é necessário para uma mudança holística em direção ao material sustentável. 

Na cerimônia de lançamento, em seu discurso de abertura, a Dra. Kristen Dunlop, do EIT Climate-KIC, enfatizou que a indústria têxtil precisa começar a inovar e transformar urgentemente os modelos de negócios se pretende sobreviver à atual emergência climática e avançar para uma sociedade mais justa. Ela os incentivou a "pensar na possibilidade, não na plausibilidade ou probabilidade". Os líderes da indústria da moda deram o primeiro passo para resolver os problemas ao aceitá-los. Com o apoio de muitas legislações da UE que visam os contratos ecológicos e a proteção das questões de direitos humanos, poderemos estar em um ponto de viragem na história. 

Mais importante ainda, não esqueçamos nosso papel como consumidores de questionar e exigir constantemente respostas para #WhoMadeMyClothes?  e #WhatsInMyClothes? .  

Origens

Por Anvita Srivastava

https://www.fashionrevolution.org/are-fashion-ceos-finally-at-a-turning-point/

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 177

Responder esta

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço