Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

A 7 for All Mankind vem dedicando esforços maciços para se tornar referência em jeans verde no mundo.

Anna Luiah veste calça usada como top (R$ 1.523) e calça 080 (R$ 1.589), ambas 7 For All Mankind. Sandálias Santa Lolla (R$ 150) (Foto: Lorena Dini)

Anna Luiah veste calça usada como top (R$ 1.523) e calça 080 (R$ 1.589), ambas 7 For All Mankind. Sandálias Santa Lolla (R$ 150) (Foto: Lorena Dini)


Salvar

Se por muito tempo as palavras “denim” e “sustentável” foram consideradas antônimos, está nos planos da 7 For All Mankind mudar esse pensamento. Realista dos desafios de que confeccionar esse tipo de produto apresenta para o meio ambiente, a marca vem dedicando esforços maciços para se tornar referência em jeans verde no mundo.

Assim, lançam o Sustainable For All Mankind, ação que tem como objetivo fornecer ao mercado o denim com a menor taxa de impacto negativo à natureza. Entre os compromissos firmados, pretendem transformar, até 2023, 80%da produção, além de utilizar 100% de algodão reciclado até 2025. Matérias-primas orgânicas também estão entre as prioridades: a marca firmou uma parceria como Better Cotton Initiative (BCI), um dos maiores programas de produção responsável de algodão no mundo.

O projeto para colocar em prática iniciativas mais sustentáveis foi resultado de nove meses de investigação sobre a cadeia de suprimentos e contou com o relançamento do primeiro modelo da marca, a calça 080, em versão eco-friendly. Agora feita com algodão orgânico, elastano, rebites e zíper reciclados e lavanderia ecológica (em um sistema que utiliza menos água), já pode ser encontrada nas três lojas brasileiras da 7.

Durante o próximo ano, virão outros desdobramentos, caso do BB denim, que alia propriedades sustentáveis à tecnologia supramolecular (através da qual a viscose é combinada com peptídeos de colágeno, oferecendo nutrientes para a pele) e o denim feito com fibra de cannabis (este somente na linha masculina).Uma segunda linha, batizada Kind to the Planet chega ao País em fevereiro de 2021 e é feita de tencel com lavagem a laser, em um processo de baixo impacto que economiza até 7.000 litros de água por calça.

“Nosso grande lance é que aliamos tecnologia, conforto, inovação e estilo. Queremos apresentar linhas sustentáveis que são fiéis ao nosso core”, diz o empresário Esber Hajli, sócio da marca no Brasil. Quando a etiqueta foi lançada, em 2000, foram os pioneiros a introduzir denim com elastano no mercado do jeans premium. “É isso que faz a calça ser tão mais gostosa de usar, não é aquela roupa que você chega em casa e quer tirar.” Expert neste segmento de jeanswear, foi Esber quem anteriormente trouxe a Diesel para o País e esteve à frente do negócio por 14 anos.

Apaixonado pelo universo, começou trabalhando com denim ainda adolescente, quando foi bater na porta do dono da Soft Machine e, assim, passou a vender as calças da marca. Não demorou para também representar a Fiorucci. Hoje, com a 7 For All Mankind tem um acordo de joint venture, que lhe permite fazer sua própria curadoria de peças para a clientela brasileira, misturando a coleção europeia com a americana. Tudo desembarca por aqui com timing similar ao internacional e preços idem. O plano de Esber é abrir mais uma ou duas lojas no próximo ano, e continuar com essa expansão da maneira mais verde possível.

Styling: Juliana Beukers Ruiz
Beleza: Vale Saig com produtos KVD Beauty e Lowell
Assistente de fotografia: Sthefanny Capelos
Assistente de beleza: Priscila Bispo
Modelo: Anna Luiah (Ford)
Agradecimentos: Catering Afetive (@afetivefood)

https://vogue.globo.com/moda/noticia/2020/11/e-possivel-fazer-um-de...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 297

Responder esta

Respostas a este tópico

É inegável o esforço que vem sendo feito para conferir ao tecido denim características de SUSTENTABILIDADE. Vejo esforço no controle ambiental do tingimento, no controle de resíduos sólidos, no design, nas lavanderias, etc.

Mas, não enxergo como evitar a pouca sustentabilidade que o produto final possui através das sucessivas lavagens que os próprios consumidores hão de realizar.

É característica do produto final que ele siga a natural tendência de desbotes nas máquinas de lavar roupas a que estarão sendo submetidos durante o ciclo de vida da prenda final.

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço