Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Campina Grande - Grande Polo Têxtil após incentivos Fiscais

A carga tributária das indústrias de confecções será reduzida de 18% para 2%, para empresas que não possuem outro tipo de benefício; e para 3% nas operações de venda das empresas varejistas de confecções de pequeno porte.

O governador João Azevêdo afirmou que daqui a cinco anos, a região de Campina Grande deve se tornar duas a três vezes maior do que hoje são Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, municípios conhecidos por serem grandes polos têxteis no Nordeste. Isso porque João Azevêdo assinou, nessa quinta-feira (8), protocolo que concede benefícios fiscais para 54 municípios que vão de Campina Grande até Monteiro.

A carga tributária das indústrias de confecções será reduzida de 18% para 2%, para empresas que não possuem outro tipo de benefício; e para 3% nas operações de venda das empresas varejistas de confecções de pequeno porte, com regime de pagamento normal, referentes a produtos fabricados na Paraíba. ''Eu desconheço maior incentivo na geração de emprego e renda'', afirmou o governador em entrevista concedida nesta sexta-feira (9), durante a entrega de obras em Campina Grande.

João Azevêdo disse que, com essa ação, a região estará preparada para na retomada da economia pós-pandemia, atrair investimentos de diversas empresas.

Na ocasião da assinatura, o governador falou em recuperar 50 anos em cinco. “Esse ato vai permitir que a gente consiga recuperar 50 anos em 5 anos com a implantação dos incentivos, não só para a indústria, mas para o comércio varejista na área de confecções. Nós vamos transformar a região polarizada por Campina Grande no maior polo de confecções do Nordeste pelo potencial e as condições que estamos oferecendo de incentivos fiscais reais que passam a vigorar em janeiro do próximo ano”, frisou. 

O superintendente do Sebrae Paraíba, Walter Aguiar, enalteceu a parceria com a gestão estadual para o fortalecimento da atividade produtiva. “Essa é uma iniciativa muito importante, principalmente, quando estamos nos recuperando desse processo de pandemia, ocasião em  que o microempreendedor recebe essa sinalização do Governo do Estado, que investe na geração de riquezas. O Sebrae está junto com o Estado e vamos fazer a diferença , gerando uma cadeia de desenvolvimento porque temos capacidade para a geração de negócios com tecnologia e inovação”, pontuou. 

O presidente da Fecomércio Paraíba, Marconi Medeiros, avaliou que o benefício fiscal é o maior estímulo dos últimos tempos. “Esse ato que o governador assinou dá a possibilidade às empresas do micro e pequeno empresário paraibano de competir com empresários de outros estados, produzindo com preços acessíveis e penso que o governo acertou em cheio quando fez essa redução e, a partir de 2021, vamos ser uma grande e ótima surpresa para o Brasil”, opinou. 

O presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep), Buega Gadelha, elogiou a gestão fiscal do Estado e a iniciativa de estimular e fomentar parcerias público-privadas. “Esse era um grande sonho alimentado pela indústria de confecções da Paraíba porque nós tínhamos a dificuldade de competir com estados vizinhos e essa ação é muito maior do que muitos empreendimentos porque vai beneficiar toda a Paraíba, principalmente, a região polarizada por Campina Grande, e vamos estar em um novo patamar. Esse foi um dia de muita felicidade por receber essa notícia; esperava muito menos, mas o governador, mesmo diante das dificuldades do país, suprime impostos para deixar o pequeno empresário competir com o país inteiro”, falou. 

Municípios contemplados com os benefícios fiscais – Os 54 municípios que serão atendidos pelo Governo do Estado são Campina Grande, Lagoa Seca, Boa Vista, Massaranduba, Fagundes, Esperança, Pocinhos, Puxinanã, Ingá, Itatuba, Riachão do Bacamarte, Serra Redonda, Areial, Montadas, Alagoa Nova, Matinhas, São Sebastião de Lagoa de Roça, Soledade, Cubati, Olivedos, São Vicente do Seridó, Queimadas, Alcantil, Boqueirão, Cabaceiras, Barra de Santana, Barra de São Miguel, Caturité, Riacho de Santo Antônio, São Domingos do Cariri, Aroeiras, Gado Bravo, Natuba, Santa Cecília, Umbuzeiro, Monteiro, Prata, Camalaú, Ouro Velho, São João do Tigre, Zabelê, Sumé, Amparo, Congo, Serra Branca, Santo André, São João do Cariri, São José dos Cordeiros, Caraúbas, Coxixola, Parari, Gurjão, São Sebastião do Umbuzeiro e Livramento.

Por Bárbara Wanderley

https://www.clickpb.com.br/economia/regiao-de-campina-grande-deve-s...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 917

Responder esta

Respostas a este tópico

Todos os governadores deveriam rever seus impostos, fazendo reduções para quem quer investir, gerar empregos e rendas.

  A carga tributária das indústrias de confecções será reduzida de 18% para 2%, para empresas que não possuem outro tipo de benefício; e para 3% nas operações de venda das empresas varejistas de confecções de pequeno porte, com regime de pagamento normal, referentes a produtos fabricados na Paraíba. ''Eu desconheço maior incentivo na geração de emprego e renda'', afirmou o governador em entrevista concedida nesta sexta-feira (9), durante a entrega de obras em Campina Grande.

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço