Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Sem Conseguir Competir, Fábricas Têxteis Fecham as Portas

COMENTÁRIO:  De  89  em diante  tem sido  programa  de governo  desindustrializar  o  País  :  são apátridas

O Estado de S.Paulo

Por quase 30 anos, o empresário Rubens da Silva trabalhou no setor têxtil. Em 2009, decidiu fechar a sua fábrica em Americana, no interior de São Paulo, porque não conseguiu sustentar o negócio. Desde então, mudou de ramo. Hoje, aos 67 anos, é dono de uma consultoria em loteamento e construção civil.

Rubens começou atuando como representante do setor têxtil, depois montou uma pequena tecelagem, que evoluiu para uma empresa de porte médio. Em 1996, modernizou a fábrica com um maquinário de última geração importado da Europa. "Montei um fábrica com tanta qualidade que escolas técnicas usavam o espaço como modelo para os alunos visitarem", lembra. No auge do negócio, chegou a empregar 200 funcionários.

No fim dos anos 90 começaram os problemas. A dívida feita em dólar aumentou de tamanho por causa da forte desvalorização do real em 1999, a importação chinesa começou a entrar com mais força no mercado brasileiro nos anos seguintes, e o principal cliente da época encerrou as atividades. "Foram três raios caindo no mesmo lugar", diz. "Foi uma luta de louco para tentar salvar o negócio, até que há cinco anos eu disse: 'Chega!'", lembra o empresário.

Concorrência externa. Na mesma época, em 2009, a empresária Marielza Milani, decidiu encerrar as atividades de sua fábrica na cidade de São Paulo. Segundo ela, o aumento da importação foi o principal responsável pelo fim do negócio. A fábrica de Marielza era especializada em tecidos para decoração, mas a entrada de produtos chineses mais baratos, apesar da menor qualidade, tornou o negócio insustentável. "O tecido importado não vinha com todos os detalhes, mas o preço era muito menor. Decidi fechar a fábrica para não ficar devendo para ninguém."

No melhor momento, a empresa chegou a ter 300 funcionários. A fábrica foi fundada em 1996. Marielza começou a trabalhar lá em 1986 como diretora. Comprou a empresa em 1992. "Eles queriam fechar já naquela época. Conversei com o antigo dono e comprei. Veja que deu para pagar a fábrica, mas depois ela começou a ir mal, e aí dívida ficaria um absurdo, então preferi fechar", afirma Marielza, hoje aposentada. / L.G.G.

Exibições: 1536

Responder esta

Respostas a este tópico

Não desafiem os nossos governos...é inútil, vocês vão perder sempre...

E nesse ano temos mais eleições no país. Quem está ansioso para que chegue logo o dia de irmos às urnas? 

infelizmente vamos continuar de ""PT""...perder tudo!!! Dilam somente tem rejeição em redes sociais...O Brasil vota nela, e nao é apenas em decorrencia dos programas sociais ,( hoje 25% dos brasileiros recebem esta ajuda!!!)Dos 31 partidos políticos, nao tem um que se salve!!! metade de nossos congressistas tem processos!!!para mim , ainda a possivel salvaçao deste país , são os militares!!!fechar o congresso já seria de bom tamanho e economia para o Brasil!!! e assim deveria ser em esferas estaduais e municipais!!!acabar com esta vadiagem!!! nao se esqueçam que na proposta de governo, ainda na 1ª candidatura de Dilma, proposta de nº 119 ou 129, que o Brasil daria prioridade para produção local e incremento às industrias....e não as importaçoes!! é um bando de vadios, corruptos, safados, vagabundos,,,,temos que botar no paredão e fuzilá-los!!! é a única solução!!

 

alegam que as importaçoes é para baratear custos no Brasil...enganação.....pois incrementa-se importaçoes de baixo custo e sacrifica-se as industrias locais...em todos os segmentos!!!nao se esqueçam : no ano passado, o Brasil importou a média de 344 ton/dia de apenas confecçoes!!! PQP !!! somos trouxas!!! e damos aval a esta imbecibilidade governamental!!!

vamos evitar uma parte disso em 2015 não colocando esse lixo de novo "nas urnas"....

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço