Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Setor Têxtil Espera que Governo Crie Cotas para Importação a Partir de Abril

Sem proteção, indústria têxtil tem déficit de US$ 5,3 bilhões no saldo de sua balança comercial.

A falta de competitividade da indústria têxtil nacional frente aos produtos importados, principalmente chineses, levou o setor a registrar em 2012 um déficit de US$ 5,3 bilhões no sal do de sua balança comercial, resultado que pode ser agravado para US$ 5,8 bilhões este ano caso o governo não adote alguma medida de proteção, revela Ronald Masijah, presidente do Sindivestuário.

A solução apontada está em o governo oferecer regime diferenciado à indústria têxtil para que se enquadre no Simples Nacional, o que significa isenção de teto de receita gerada, fixa do hoje em R$ 3 milhões, e a adoção ao pedido de salvaguarda no período de três anos, explica Masijah. O pedido de salvaguarda regime que impõe cotas à importação de produtos - foi registrado junto ao Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC) em agosto de 2012. A expectativa é que em abril o governo dê um parecer positivo.

"Quanto ao Simples, queremos que o governo conceda essa diferenciação tributária para toda e qualquer empresa dentro da cadeia têxtil e vestuário por um período suficientemente longo. Isso permitirá ao empresário a retomada de produção de forma a se tornar competitiva frente aos produtos importados", detalha.

A falta de uma medida como essa levou o setor a registrar em 2012 queda de 8,8% na geração de emprego, o que representa 140 mil pessoas fora do mercado de trabalho. "O setor não sobrevive se não houver esse regi me", destaca.

Alfredo Bonduki, presidente do Sinditéxtil/SP, conta que os empresários do setor já trabalham com planos de aumento de investimentos com o objetivo de alavancar a produtividade. Em 2012, o montante somou R$ 2,2 bilhões em todo o país, sendo o estado de São Pau lo responsável por 40% desse total. "Essa cifra pode subir para R$ 3 bilhões por ano, com capacidade de gerar 430 mil no vos empregos nos próximos cinco anos", revela.

Em nota à imprensa, a Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvtex), que representa as grandes redes de varejo de vestuário do país, aponta que o clamor da indústria é bastante oportuno, visto que a alta carga tributária brasileira tira a competitividade do setor, dificulta os investimentos e, consequentemente, prejudica o seu crescimento.

Contudo, a associação argumenta que a pressão feita em cima do governo para a abertura de processo para adoção de salvaguardas para o setor de vestuário é uma ação injustificada.

"Um mercado fechado às importações gera acomodação dos empresários frente à falta de concorrência internacional e diminuem o investimento, aumentando a ineficiência nas indústrias, diminuindo a escala produtiva e ampliando o custo do produto nacional. É sabido que o preço do vestuário no Brasil é um dos mais caros do mundo e isto vem incentivando a exportação' de consumidores brasileiros", disse a entidade por meio de nota.

---

Para representante de grandes redes varejistas, mercado fechado às importações gera acomodação do setor.

Fonte:http://www.relacoesdotrabalho.com.br/profiles/blogs/no-brasil-econo...

.

.

.

.

.

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - Clique Aqui

Exibições: 160

Responder esta

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço