Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

  • O setor têxtil e de vestuário chega ao fim de 2015 com queda nos indicadores de produção, consumo, importações e vendas. E as perspectivas para o próximo ano são de um consumo interno ainda fraco, muito similar ao deste ano. Para as indústrias do setor, o único alento reside no processo de substituição de importados pela produção local, à medida que o real segue desvalorizado em relação ao dólar, tornando o produto nacional mais competitivo em termos de preço.

  • O setor têxtil e de vestuário chega ao fim de 2015 com queda nos indicadores de produção, consumo, importações e vendas

    estatistica_importacao

  • Neste ano, a substituição de importados começou a ser feita de forma tímida, a partir do segundo semestre, com a forte desvalorização do real ante o dólar. "Com a apreciação do dólar, as empresas substituíram importados pela produção nacional. Mas, como as encomendas de coleções são feitas com até um ano de antecedência, esse efeito ficará mais evidente no próximo ano", afirmou Edmundo Lima, diretor executivo da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvtex).
     
    Para o executivo, o consumo interno ficará estável em 2016 e a importação menor pode estimular as indústrias de tecidos. "Quando houver a retomada da economia, essa substituição será mais desafiadora", acrescentou.

    O Iemi Inteligência de Mercado, consultoria especializada no mercado de bens de consumo, projeta para 2016 um crescimento na produção têxtil e de vestuário de 5,5%, para 6,09 bilhões de peças. O crescimento, segundo a consultoria, virá da substituição de produtos importados pelas redes varejistas.

    "O consumo de vestuário caiu neste ano e continua fraco em 2016. Para as indústrias de tecidos haverá oportunidade de ampliar a produção por causa da substituição dos importados. Mas, para o varejo, ainda será um ano fraco", disse Marcelo Prado, diretor do Iemi. A consultoria projeta para o próximo ano um consumo de artigos de vestuário praticamente estável em relação a 2015, somando 6,68 bilhões de unidades - o que dá um incremento de 0,5%.

    Para as importações, a estimativa da consultoria é de uma queda de 29,3% no próximo ano, para 639 milhões de peças.

    O varejo de vestuário, na visão do Iemi, terá um incremento de 0,8% em volume, chegando a 6,3 bilhões de peças. Em receita, o aumento nominal será de 8,5%, totalizando R$ 199,3 bilhões.

    Para a produção têxtil, a consultoria projeta alta de 15,9% em receita em 2016, para R$ 116 bilhões. As importações, por sua vez, terão incremento de 0,4% em valor nominal, para R$ 8,4 bilhões. O consumo no país terá avanço de 14,6% em valor, totalizando R$ 123,8 bilhões.

    Em 2015, estima o Iemi Inteligência de Mercado, a produção de vestuário encerra o ano em queda de 6% em volume, chegando a 5,78 bilhões de peças. Em valor nominal, a produção tem queda de 0,2%, para R$ 100,1 bilhões. Essa retração chega a aproximadamente 10%, descontando a inflação.

    "O ano de 2015 foi difícil para as varejistas. Nem mesmo os mais pessimistas esperavam que a crise causaria uma queda tão forte na economia. Os grandes magazines agora revisam seus projetos de longo prazo. 2016 ainda será um ano desafiador e a crise política traz uma insegurança a mais para o consumidor", disse Lima. O executivo considera que as redes ainda precisam fazer alguns ajustes em estoques e outras despesas para melhorar resultados.

    O consumo de vestuário no país encerra 2015 com queda de 5,6% em volume, somando 6,64 bilhões de peças. O volume de vendas do varejo está estimado em 6,2 bilhões de peças, com queda de 4,2%, de acordo com estimativas do Iemi.

    As importações neste ano recuam 3% em volume, para 889,7 milhões de peças. Por conta da queda no consumo em 2015, a participação de importados no mercado brasileiro subiu 0,4 ponto percentual, para 13,4%. Em 2016, com o consumo estável, a participação de importados cai para 9,4% do consumo total.

    http://www.abece.org.br/Noticias/ComercioExteriorRead.aspx?cod=6634

 

Exibições: 632

Responder esta

Respostas a este tópico

A indústria brasileira está pronta para atender o mercado?
Há segmentos industriais acostumados na importação e a produção nacional demorará bastante.
Necessitam acordar, fazer projetos, as encomendas de máquinas e equipamentos necessitam de +/- 6 meses para ficarem prontas, embarque, montagem, colocação em marcha; 2 anos?

Julio Caetano 

acredito que em sua maioria estamos PRONTOS !!!mas será que sobrevivemos até lá????este 2º semestre de 2015 éramos para ter tido uma bela recuperação em função do cambio!!! mas com a crise politica, economia em baixa, pib caindo ....nao tivemos nada ...muito pelo contrário...continuamos a nos arrastar....e muitos morrendo no meio do caminho!!!as empresas afundam a cada dia, o que nos impossibilita de uma franca recuperação!!! no momento que estabilizarmos...o dólar volta a cair...e as importações gradativamente aumentam!!

para investir??? de que forma se cerca de 70% das empresas estão endividadas???primeiramente pagar as dívidas...posteriormente fazer investimentos...será que vale a pena????os empresários são fonte de renda para o governo, geram empregos ....faz movimentar a economia....mas hoje duvido da capacidade de reerguemos e voltar a produzir!!!

  O consumo de vestuário no país encerra 2015 com queda de 5,6% em volume, somando 6,64 bilhões de peças.

Responder à discussão

RSS

© 2024   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço