Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Tecidos vikings de 1,1 mil anos são encontrados em cova na Noruega

Encontrado no túmulo de uma mulher, o conjunto têxtil apresenta fibras de lã preservadas que podem ajudar os arqueólogos a descobrir como era a moda feminina da era viking.

Além dos tecidos, outras ferramentas têxteis acompanharam a mulher ao túmulo, incluindo pentes de lã, como mostra a foto acima. (Foto: NTNU University Museum)

Além dos tecidos, outras ferramentas têxteis acompanharam a mulher ao túmulo, incluindo pentes de lã, como mostra a foto acima. (Foto: NTNU University Museum)


Salvar

A arqueóloga Ruth Iren Øien mal acreditou quando, em meio às atividades de escavação em Hestnes, na Noruega, se deparou com um achado “completamente único” na região: tecidos bordados da era viking, escondidos em uma cova. Até agora, esse tipo de tecido só havia sido encontrado em alguns túmulos luxuosos na Dinamarca, como os de Oseberg e Mammengraven. Mas, ali, no sul do condado norueguês de Trøndelag, ela identificou o pano no túmulo de uma mulher, datado de aproximadamente 850-950 d.C. E não foi só um tecido: são oito peças diferentes — seis de lã e duas de linho —, totalizando quase 11 centímetros de restos têxteis.

O conjunto de tecidos foi localizado junto a um broche de três lóbulos, o que, embora considerado típico em sepulturas nas antigas áreas dinamarquesas, também é um achado raro na Noruega.

Na cova, também foram desenterradas centenas de pérolas em miniatura — um tipo conhecido apenas em alguns túmulos ancestrais noruegueses —, que estavam concentradas no ombro direito da falecida mulher, além de pentes de lã. A viking foi encontrada em uma câmara mortuária de madeira, em um monte alongado acima do túmulo, igualmente incomum na Noruega central.

Como a maioria das peças está bem preservada, a descoberta dá aos arqueólogos uma oportunidade rara de estudar as roupas usadas pelas mulheres da era viking. Segundo os pesquisadores, as peças provavelmente representam vestimentas tanto internas quanto externas e revelam informações sobre as costuras e detalhes empregados à época.

Conjunto de tecidos bordados da era viking é encontrado no túmulo de uma mulher enterrada ao sul do condado norueguês de Trøndelag, datado de aproximadamente 850-950 d.C. (Foto: Åge Hojem, NTNU University Museum)

Conjunto de tecidos bordados da era viking é encontrado no túmulo de uma mulher enterrada ao sul do condado norueguês de Trøndelag, datado de aproximadamente 850-950 d.C. (Foto: Åge Hojem, NTNU University Museum)


Salvar

“Imaginamos que a mulher usava um vestido-avental, que era preso com broches de tartaruga”, diz Øien, em comunicado. “Por baixo do vestido, ela provavelmente usava um casaco ou camisa de linho ou lã fina. Sobre os ombros, usava uma capa com elementos decorativos bordados”, acrescenta a pesquisadora do Museu da Universidade NTNU, na Noruega.

De acordo com a antropóloga, ainda, os fragmentos sugerem que as capas usadas pelas mulheres vikings eram forradas com um tecido de lã fina e, ao longo da borda, recebiam tranças estreitas para fortalecer o pano, que “também tinha uma função decorativa”. Øien acredita que o valor dos tecidos era tão alto quanto os objetos com que a mulher foi enterrada — os broches e as pérolas.

“Fazer tecidos suficientes para vestir uma família por um ano exigia uma pessoa-ano inteira de horas de trabalho [na era viking]”, observa Øien. De acordo com o Museu da NTNU, a produção de uma vela para barco, por exemplo, exigia a lã de 2 mil ovelhas, o que, na época, dava ao objeto um valor estimado entre 15 e 20 milhões de coroas norueguesas aos preços de hoje, o equivalente a um valor entre 9 e 14 milhões de reais. 

“É certo que não era comum conseguir roupas novas todos os anos e muita coisa era passada adiante”, avalia, considerando que o fato da mulher ter sido adornada com tantas roupas significa que eles eram itens de valores, no mínimo, significativos — e que a mulher pode tê-los confeccionado.

Agora, os arqueólogos planejam desvendar os isótopos das fibras de lã encontradas, a fim de analisar a pigmentação dos tecidos pré-históricos. O tecido é do tipo sarja de diamante e tem um padrão que lembra o encontrado no jeans. Apesar das boas condições das fibras, não será das tarefas mais fáceis: os itens foram tingidos a partir de plantas e as cores se infiltraram no solo nos últimos 1,1 mil anos. Mas o esforço poderá levar à uma descoberta importante sobre a origem do material. "Analisar os isótopos na lã pode nos dizer se o tecido veio de ovelhas locais ou foi importado", antecipa Øien.

https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Arqueologia/noticia/2021/0...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 289

Responder esta

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço