Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Algodão dobra de área e volta a ser ouro branco

Fonte:|estadao.com.br|

Preços em ascensão no mercado externo estimulam produtores de várias regiões [br]a investir no cultivo


A recuperação dos preços da fibra no mercado internacional está levando agricultores a uma retomada no plantio do algodão. A área plantada deverá ficar entre 1,08 milhão de hectares, 29,3% a mais que na
safra passada, e 1,14 milhão, 36,9% a mais, conforme a Conab. A
produção deverá oscilar entre 2,56 milhões (aumento de 39,1%) e 2,72
milhões (mais 47,5%) de toneladas de algodão em caroço. A retomada
ocorre num momento de cenário favorável para o produtor, segundo os
principais indicadores: os estoques internacionais estão baixos, por
causa da frustração de safras anteriores, e a demanda se mantém
aquecida.

Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE
Boa expectativa. O produtor Derks e o agrônomo Silva em área cultivada em Paranapanema

O maior porcentual de acréscimo de área é em São Paulo, onde a área cultivada saltou de 9.200 hectares para 20 mil, ou 115,5% a mais. Conforme o Instituto de Economia Agrícola (IEA-Apta), a elevação ocorreu
principalmente nas regiões de Itapeva e Avaré, no sudoeste paulista,
que juntas, detêm 86% da produção estadual.

Na área de Avaré, o plantio atingiu 14.500 hectares, ante 6.300 da safra anterior. Em Itapeva, foi de 700 para 2.500 hectares. As grandes extensões cultivadas estão na zona de influência da Cooperativa Agro
Industrial Holambra, entre Paranapanema, Itapeva e Itaí. Só os
cooperados ampliaram de 4 mil para 12 mil hectares a área.

Conforme o gerente agrícola Renato Yassuda, houve a reocupação de antigas áreas de cultivo que, por causa dos preços baixos nas últimas safras, haviam sido destinadas a outras lavouras. Os administradores da
cooperativa têm motivo para comemorar a volta por cima do algodão. Nos
últimos anos, a moderna unidade de beneficiamento instalada em Holambra,
com capacidade para produzir 6 toneladas de pluma/hora, operava com
capacidade ociosa.

Tradição. O produtor Jacobus Derks acompanha o crescimento do algodão nos 480 hectares plantados nas Fazendas Amarela Velha e Santa Fé, entre Itapeva e Paranapanema. Produtor tradicional, ele nunca deixou de
cultivar a fibra, mesmo quando o preço estava baixo. Nesta safra, a área
é o dobro da que foi colhida no ano passado. "O algodão é uma cultura
cara e não dá para trabalhar sem planejamento", diz. Produtor de outros
grãos, como feijão, soja, trigo e milho, ele toca as lavouras com os
dois filhos agrônomos, Tomas, de 26 anos, e Tiago, de 28. Derks conta
que o algodão se encaixa muito bem no sistema de rotação de lavouras.
"Nesta área colhemos cevada, na outra, milho para semente."

Como o ciclo da planta é longo, de sete meses, o custo de produção passa dos R$ 5 mil por hectare. Ele espera colher 300 arrobas de algodão em caroço, ou 120 de pluma beneficiada, por hectare. Mais da metade da
produção teve a venda antecipada à média de R$ 70 a arroba. Na safra
passada, ele vendeu a R$ 45. "Vamos ter dois ou três anos bons para o
algodão."

O agrônomo Vandir Daniel da Silva diz que o algodão exige alta
fertilidade. "Geralmente o produtor planta milho e soja por quatro ou
cinco anos e só depois entra com o algodão na mesma área." Na região de
Paranapanema, a cultura é de padrão internacional: além dos tratos
culturais avançados, os produtores usam máquinas sofisticadas do plantio
à colheita. A qualidade das fibras está entre as melhores do país. "É
produto de exportação, com a vantagem de entrar no mercado entre maio e
junho, um mês antes do que as outras regiões."


Exibições: 42

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço