Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Algodão mais caro ameaça esfriar vendas das coleções de inverno. Haja poliéster para substituir, SERÁ??

Aumento do consumo e problemas climáticos explica a alta. A coleção outono-inverno deve chegar às lojas com preços cerca de 30% mais altos.

 

 

 
HAJA POLIÉSTER??
O clima muda lá do outro lado do mundo e afeta a vida no Brasil nos preços das roupas. O algodão está mais caro e ameaça esfriar as vendas das coleções de inverno. Os empresários já estão remarcando os preços.

O algodão não só está mais caro como está com o maior preço já registrado em 140 anos. A informação é da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção. O aumento do consumo e problemas climáticos explica essa alta assustadora. A coleção outono-inverno deve chegar às lojas com preços cerca de 30% mais altos.

Aas vitrines anunciam preços mais baixos, e os consumidores aproveitam para abastecer o guarda-roupa. “Acabei de comprar peças a R$ 10. Deu para comprar oito peças a R$ 10 para minha filha”, disse o gráfico Douglas Craveiro.

A liquidação de verão está em pleno andamento e vai deixar o consumidor com muita saudade dos preços reduzidos. A coleção outono-inverno, que está chegando às lojas, normalmente já é mais cara, porque usa mais tecidos. Mas este ano os preços correm o risco de ficar ainda mais salgados. É que o algodão, uma das principais matérias-primas da indústria têxtil, está em falta no mercado.

No início do ano passado, a cotação estava em US$ 0,65 por libra-peso, medida usada pelo mercado internacional e que equivale a 420 gramas. Na semana passada, chegou a US$ 2,05. Recuou um pouco e agora está em US$ 1,80 – ainda assim, praticamente o triplo do preço de um ano atrás.

Empresários do setor em Santa Catarina e São Paulo, regiões que concentram boa parte da confecção nacional, estão preocupados e afirmam que o aumento de custos já está sendo repassado e vai continuar nos próximos meses.

“O consumidor vai perceber a alta, que será em torno de 35%, e também os tecidos que começam a ter uma participação maior de sintético em vez do algodão”, afirmou Fábio Beretta, presidente do Sindicato das Indústrias de Tecelagem (Sindtec).

Especialistas concordam e dizem que a tendência é o valor do produto se estabilizar num patamar um pouco mais alto do que um ano atrás, porém menor do que o atual.

“Se você tem um problema nessa safra, você vai olhar a safra do ano e vai ter mais produtores direcionados ao plantio de algodão. Provavelmente, o nível deve se equilibrar. Quando você olha para uma ou duas safras à frente, você vai ver a queda do preço das commodities”, avalia o diretor financeiro da Vicunha Têxtil, José Maurício D'Isep.

Para tentar minimizar a crise no setor, o governo decidiu zerar a alíquota de importação do algodão até o fim de maio deste ano. A medida é válida para importações de até 250 mil toneladas.

O Brasil é um dos cinco maiores produtores mundiais de algodão, mas atualmente, por causa de uma seca que provocou a redução da safra, está importando o produto e sujeito, portanto, a esse preço extorsivo do mercado internacional.

FONTE:  BOM DIA BRASIL (edição do dia 23/02/2011)

Exibições: 88

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Comentário de António Manuel Miranda em 24 fevereiro 2011 às 10:23

A alta do consumo e problemas climáticos não os único vilões da alta desta matéria prima. Há também a especulação.
Com relação a substituição por outra matéria prima, isto só é possível se o produto não tiver identidade, já que algodão é uma coisa e poliester é outra.
Não da para um fabricante de camisetas de algodão oferecer ao seu mercado uma de Pes.

© 2024   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço