Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

 
Leo Pinheiro/Valor / Leo Pinheiro/ValorLaja Zylberman, da Sara: as gemas mais perfeitas, em relação ao brilho e à intensidade da cor, não são necessariamente as maiores

Apenas uma molécula e o poder de oferecer uma fragrância única, uma espécie de amálgama com o DNA do quem usa. Essa é a definição do perfume que não estrela campanhas publicitárias, mas está nos closets de Kate Moss, Elton John e Mario Testino. Quem usa não costuma divulgar, é quase uma sociedade secreta. Trata-se da linha Escentric Molecules, da This Company, desenvolvida pelo perfumista alemão Geza Schoen há seis anos. Basta uma gotinha para obter um aroma único, que se transforma de acordo com a pele. É a tradução contemporânea da máxima "os melhores perfumes estão nos menores frascos".

Luciana Estrellado, diretora de marketing da marca Escentric Molecules no Brasil, diz que o diferencial da linha é a simplicidade de apenas uma nota, quando a maioria dos perfumes tem, pelo menos, cinco em sua composição. "O Molecule 01, unissex, já é considerado um dos cinco perfumes mais sexies do mundo", comenta. Ela lembra que o estilista britânico John Galliano, já confidenciou ao embaixador da linha, o crítico de moda masculina Tim Blanks, que se tornou-se muito assediado desde que passou a usar o perfume.

A combinação da essência pura com a simplicidade da composição que tornam únicos os perfumes da Escentric Molecules também se aplica ao valioso segmento da joalheria. Uma das pioneiras no uso da turmalina paraíba - pedra de cor azul esverdeada com um brilho intenso, descoberta no Brasil, na década de 80 -, a designer Laja Zylberman, proprietária da Sara, explica que as gemas mais perfeitas, em relação ao brilho e à intensidade da cor, não são necessariamente as maiores.

"Achei há cerca de cinco anos uma turmalina paraíba em formato triangular, perfeita, mas pequena. Considerei a pedra tão especial que dei de presente à minha filha, Alessandra Bernstein. É uma espécie de amuleto", conta Laja. A designer ressalta que é muito comum, no Brasil, haver uma valorização de pedras de maior tamanho. Porém, ela lembra que pedras como a que escolheu para a filha, também designer da Sara, podem ter um tamanho reduzido, mas alcançam um grande valor no mercado.

Exibições: 125

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço