Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Brasil muda posição e mantém benefício à indústria argentina

Brasil muda posição e mantém benefício à indústria argentina
por Folha Online

Depois de ameaçar retaliar a Argentina contra medidas de defesa comercial, o Brasil mudou o discurso e manteve conduta que irá beneficiar a indústria do país vizinho.

Ontem, em reunião em Brasília, o governo anunciou que vai manter o plano de voltar a aumentar o Imposto de Importação de autopeças de fora do Mercosul.

Na prática, a medida beneficia a indústria argentina, que venderá mais para o Brasil sem pagar imposto.

Hoje, mais de 30% da exportação argentina para o Brasil é referente a automóveis e autopeças.

Em junho, o Brasil adotou o chamado redutor, que cortava em 40% o Imposto de Importação de autopeças de fora do Mercosul. O redutor caiu para 20% em setembro e em maio voltará a ser cobrada a alíquota cheia. Os produtos comercializados entre o Brasil e os demais países do bloco têm Imposto de Importação zero.

"Nesse momento, a relação é excelente. Podemos atingir nível recorde de comércio com o país", afirmou o secretário de Comércio Exterior, Welber Barral, ao lado do colega argentino Eduardo Bianchi.

O ministério projeta para 2010 um fluxo de comércio superior a US$ 30 bilhões. De janeiro a novembro, foram US$ 29,55 bilhões, um crescimento de 41,6% em relação ao mesmo período de 2009.

Barral considera até a hipótese de a Argentina ultrapassar os Estados Unidos como segundo maior parceiro comercial do Brasil, ainda em 2011, ficando atrás apenas da China.

Mas todo o clima de amizade demonstrado pelos dois representantes de comércio exterior passou longe da troca de farpas ocorrida no mês passado, depois que a Argentina tomou uma medida antidumping contra a Tupy, uma fabricante brasileira de autopeças.

Na época, o governo brasileiro ameaçou retaliar o vizinho com outras formas de defesa comercial.

Ontem, Barral minimizou animosidades, mas admitiu que foram discutidas as reclamações de setores dos dois países, que se sentem prejudicados no comércio com o vizinho. O Brasil teve quatro casos (automóveis, têxtil, móveis e alimentos) e a Argentina, três.



Exibições: 54

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço