Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

CNI vê PIB crescendo menos em 2014, com retração da indústria

CNI vê PIB crescendo menos em 2014, com retração da indústria



Por Luciana Otoni     Por Reuters

BRASÍLIA (Reuters) - A Confederação Nacional da Indústria (CNI) reduziu nesta quinta-feira a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil projetando retração no setor industrial e apontando o investimento como a variável crítica da economia brasileira.

A projeção para a expansão do PIB deste ano agora é de 1,0 por cento, bem abaixo do 1,8 por cento previsto anteriormente. Em 2013, a economia brasileira cresceu 2,5 por cento.

A revisão foi piorada principalmente pelo péssimo desempenho esperado para o setor industrial. Para 2014, a entidade estima que o PIB do setor fabril registrará recuo de 0,5 por cento em 2014, muito pior do que a projeção anterior, de um crescimento de 1,7 por cento, que repetiria a expansão registrada em 2013.

Se confirmada a contração neste ano, a indústria voltará ao terreno negativo de 2012, quando houve uma queda de 0,8 por cento na produção.

De acordo com a CNI, a retração do PIB industrial ocorrerá pelo recuo de 1,0 por cento na indústria da transformação e de 1,7 por cento de retração na indústria da construção. A estimativa só não é pior porque para a indústria extrativa é esperado crescimento de 1,5 por cento.

No cálculo do PIB da indústria, a entidade levou em conta a performance nada animadora do setor na primeira metade do ano.

O uso da capacidade instalada em maio, dado mais recente, ficou em 80,7 por cento, representando o quarto recuo consecutivo, ao mesmo tempo em que a maioria dos indicadores industriais mostrou queda pelo terceiro mês seguido. [ID:nL2N0PE10Y]

Ao apresentar os números, a entidade avaliou que uma melhora desse quadro vai depender do investimento. "A variável crítica a explicitar as dificuldades da economia brasileira é o investimento", avaliou a CNI em documento. "A recuperação do investimento, fundamental para interromper esse ciclo, é também dificultada pelas naturais incertezas sobre a evolução da política econômica em 2015 que derivam das eleições."

Sobre a Selic, a entidade calcula que a taxa fechará este ano em 11 por cento ao ano, abaixo da expectativa anterior de 11,25 por cento.

A entidade também estima em 6,6 por cento a previsão do IPCA para este ano, ante 6,4 por cento previsto anteriormente e acima do teto da meta. A meta de inflação é de 4,5 por cento com 2 pontos percentuais de intervalo para cima e para baixo.

As projeções apresentadas pela CNI também levaram em conta o efeito do aperto dos juros, a desaceleração do consumo das famílias e a menor oferta de crédito bancário.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve a Selic em 11 por cento ao ano. Na ata da reunião divulgada nesta quinta-feira, o Banco Central sinalizou que a inflação tende a entrar em convergência para a meta num cenário de política monetária que não inclui redução da Selic. [ID:nL2N0PZ131]

No front externo, a CNI destaca o cenário global marcado pela retirada dos estímulos monetários nos Estados Unidos sem considerar que a economia mundial vá beneficiar a economia brasileira.

Nesse contexto, a entidade calcula exportações de 237 bilhões de dólares e importações de 235,5 bilhões de dólares, resultando em saldo comercial de 1,5 bilhão de dólares neste ano, mantendo a projeção anterior.

Nas contas públicas, com a economia fraca e a dificuldade de controle dos gastos públicos, a perspectiva é de deterioração da política fiscal, com previsão de superávit primário de 1,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) ante 1,8 por cento projetado em abril.

Exibições: 46

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Comentário de petrúcio josé rodrigues em 25 julho 2014 às 10:26

dissestes bem caríssimo Romildo Leite.

pena que tudo está trancado a sete chaves!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Comentário de Romildo de Paula Leite em 24 julho 2014 às 18:56

   Caro Petrúcio , nosso PIB infelizmente deve ficar abaixo de 1%.

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço