Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Desindustrialização do Brasil é Fruto do Modelo Dependente

"A questão cambial é apenas uma face da estrutura econômica implantada no Brasil desde 1964, caracterizada pela transnacionalização subordinada aos centros mundiais." A afirmação é do economista Adriano Benayon, da Universidade de Brasília (UnB), ao comentar opinião do presidente da Coteminas, Josué Gomes da Silva, de que o país e sua indústria "estão sob o risco de serem condenados a um atraso permanente".

Em discurso na Organização Mundial do Comércio (OMC), esta semana, alertou ainda que a "crescente globalização da produção de bens industriais, aliada ao desalinhamento do câmbio, podem causar perdas irreversíveis à indústria dos países com moeda valorizada".

Com o recrudescimento da demanda e a liquidez global e do mercado interno a partir de 2003 a economia do país passou a viver uma dinâmica em que "a entrada de capitais, atraídos por altos juros e novo dinamismo do mercado interno, causa contínua apreciação do real".

Para Benayon, juros altos para atrair capitais refletem a estrutura dependente e vulnerável, fragilizada por elevados déficits nas transações correntes: "A dívida externa foi usada para aprofundar a ocupação dos espaços e do poder pelo capital estrangeiro. E o privilégio ao serviço dessa dívida no Orçamento foi instituído na Constituição em 1988, sem ser debatido na Constituinte. De 1988 a 2009, a União despendeu, em valores atualizados de dezembro de 2009, a inimaginável quantia de R$ 5,7 trilhões, a título de serviço da dívida".

Fonte:|http://www.monitormercantil.com.br/mostranoticia.php?id=112079

Exibições: 215

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Comentário de adalberto oliveira martins filho em 28 abril 2012 às 4:35

na realidade falta saco roxo para tomadas de medidas necessarias!!! é tão simples....se optarmos em ser radicais....ou limitar cotas o problema ja esta resolvido!!! mas tem que ter saco roxo para isto!!! e nosso governo nao tem!!!!  e nós brasileiros simplesmente aceitamos !!!! NAO TOMAMOS ATITUDE!!!! PORTANTO SOMOS OS RESPONSAVEIS!!!!

Comentário de bocudo de almeida em 27 abril 2012 às 18:52
                Comentário de Edson Baron 7 horas atrás            

Gostaria muito que os defensores aguerridos de importações desenfreadas fossem capazes de avaliar exatamente o risco a que estamos sendo submetidos mais fortemente de alguns anos para cá, e que o texto acima apenas aponta como uma ponta do iceberg......Pois é ,as pequenas limitaçoes impostas pelo governo federal na vigilancia de portos e aeroportos  e a tributação marjorada ,imposta agora ( exatamente nesses 2 ultimos meses) ,NAO ESTÃO IMPEDINDO,DE QUE as importaçoes de produtos acabados ( confecçoes no meu caso ) entrem no pais pelo MERCOSUL , LIVRE DE IMPOSTOS ( PARAGUAI ,PRINCIPALMENTE ).Temos sempre o jeitinho brasileiro para tudo........A industria textil e as confecçoes ,JA QUEBRARAM ,NAO HÁ MAIS SOLUÇÃO. EM UM PORTUGUES MAIS GROSSEIRO E REVOLTANTE..........FUDEO.

TÔ NA ROÇA ,...........ASSIM DIZIA MEU AMIGO.

Comentário de Edson Baron em 27 abril 2012 às 10:57

Gostaria muito que os defensores aguerridos de importações desenfreadas fossem capazes de avaliar exatamente o risco a que estamos sendo submetidos mais fortemente de alguns anos para cá, e que o texto acima apenas aponta como uma ponta do iceberg.

A coisa é mais ou menos assim:

Uma avalanche de capital especulativo vindo do exterior em busca de resultados financeiros melhores que em outros países em virtude do Brasil representar certa segurança operacional. Essa avalanche faz com que nossa moeda se valorize fortemente em relação a outras moedas (dólar e euro, principalmente), o que promove a deterioração da capacidade competitiva da indústria nacional que acaba por migrar para outros países, que também são utilizados como conveniência.

Quando os efeitos dessa migração começam a surgir (aumento do desemprego, aumento excessivo do endividamento, etc.) as mentes brilhantes começam a "plantar" que o Brasil está mal e então começa a fuga de capitais, sobrando somente a devastação. Sem dinheiro e sem capacidade de gerar empregos o poder de comprar vai ao chão e o comércio sobra para as moscas. Aí "aparecem" os que querem "salvar" a pátria oferecendo empréstimos a juros escorchantes para mais uma vez manter-nos sob controle e rédea curta. Quem paga a conta? Adivinhem?

Quem está por trás disso? Essencialmente grandes fundos internacionais e corporações idem, que, via de regra, não têm pátria (mas fazem parte de alguns países que detém a tal "credibilidade" para manipularem informações à vontade) muito menos qualquer preocupação com a massa, apenas uma sede imensa de poder, poder e poder.

Que o Brasil tenha efetivamente a perspicácia para se livrar dessa armadilha que vive continuamente montada. Dona Dilma tem demonstrado conhecê-la muito bem (muito mais que os antecessores), embora nem sempre consiga fazer o que tem que ser feito, pois vivemos em um regime democrático mas com um congresso desde sempre em estado de putrefação (congressistas mortos para a nação mas vivíssimos para seus próprios interesses).

Que Deus nos ilumine e nos acuda a tempo.

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço