Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Emissão Zero até 2050 : Expectativas versus realidade, analisa Adriano Pires

Emissão zero até 2050: Expectativas versus Realidade, analisa Adriano Pires | Poder360

Em 18 de maio, a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) publicou um relatório importante para as discussões acerca das mudanças climáticas chamado “Net Zero by 2050: A Roadmap for the global energy system”. O relatório é um marco para o desafio global no enfrentamento das mudanças climáticas, sendo o 1º documento elaborado pela agência sobre como fazer a transição para um sistema de energia com emissões zero líquido até 2050 e o caminho para que os governos cumpram seus compromissos.

O relatório possui mais de 200 páginas. Nesse relatório a agência desenvolve um mapa mostrando que será necessário um mix de fontes primarias sustentáveis, com quase 90% da eletricidade global sendo gerada por meio de fontes renováveis, para termos uma matriz com zero emissões em 2050.

Dentre todas as medidas apresentadas, duas chamaram mais atenção. Para conseguirmos atingir a meta de emissão zero em 2050 é necessário: 1) interromper permanentemente o financiamento para atividades exploratórias de qualquer recurso fóssil, e 2) eliminar a comercialização de carros a combustão a partir de 2035.

Como esperado, o relatório obteve diversas críticas. Países como Austrália e Japão disseram que irão continuar investindo em combustíveis fósseis, mesmo após a recomendação da agência. A Austrália, por exemplo, está usando fundos públicos como estratégia em resposta à pandemia de covid-19 para o que eles estão chamando de “recuperação através do uso de gás natural”.

Além disso, o ministro australiano de recursos e água, Keith Pitt, disse que relatórios anteriores da IEA delineavam um papel maior para o carvão e que o cenário mais recente falhou em considerar suficientemente a tecnologia de captura de carbono. “Carvão, petróleo e gás continuarão sendo uma grande parte da matriz energética da Austrália”, disse Pitt.

Grandes empresas de petróleo e gás também divergem da posição apresentada no relatório e questionam a praticidade do roadmap. Segundo Bernard Looney, presidente-executivo da BP, o relatório da IEA “é um cenário em um pedaço de papel”. Disse ainda que respeita a IEA e a importância do relatório, mas acrescentou que o mundo precisa de menos cenários e “mais ação”.

Em crítica ainda mais forte, a TNG (Texans for Natural Gas), uma Associação de Produtores Independentes do Texas, disse que o documento da IEA, em vez de antecipar o fim dos combustíveis fósseis, ressalta a importância do petróleo e do gás para o futuro energético mundial.

Ministros do clima e meio ambiente do G7 reconheceram que o gás natural terá um papel a desempenhar na transição energética. “Reconhecemos que o gás natural ainda pode ser necessário durante a transição para a energia limpa por tempo limitado e trabalharemos para reduzir as emissões relacionadas a sistemas de energia totalmente descarbonizados na década de 2030”, disse o G7 em comunicado de 21 de maio.

Em seu extenso relatório, a expectativa da IEA é de que a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) assuma o papel de maior fornecedora de petróleo do mundo. Hoje, os países da Opep abastecem 37% do mercado global. A previsão da IEA é que esses países, em 2050, aumentem seu fornecimento para 52%.

Porém, um detalhe importante deve ser levado em conta: os produtores da Opep são entidades estatais. Não há investidores ativistas que poderiam pressionar a Saudi Aramco para interromper seus investimentos atuais ou futuros. Os países da Opep não são membros da União Europeia ou da OCDE e não podem ser forçados a cumprir as metas líquidas de zero emissões da UE.

Há de se considerar que o declínio no uso dos dos combustíveis fósseis terá impactos distintos entre as regiões. A redução no consumo e nos preços dos combustíveis fósseis pode resultar em uma queda no PIB (Produto Interno Bruto) das economias produtoras, nas quais as receitas das vendas de petróleo e gás geralmente cobrem grande parte dos gastos públicos com educação, saúde e outros serviços públicos. De acordo com IEA, a queda da demanda e a consequente queda dos preços internacionais de petróleo e gás farão com que a receita líquida das economias produtoras caia para mínimos históricos.

Os países onde é baixo o custo de extração de petróleo (incluindo os integrantes da Opep) podem ganhar participação de mercado nessas circunstâncias, mas mesmo assim terão grandes quedas nas receitas.

Esse movimento rumo a zero de emissão precisa ser muito cauteloso diante do risco econômico que essa mudança representa para países produtores de petróleo e gás, como o Brasil. A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) projeta investimentos de R$ 6,5 bilhões em exploração de óleo e gás no Brasil em 2021.

Para países desenvolvidos com baixo crescimento demográfico, cadeias produtivas intensivas em tecnologia e situação fiscal razoavelmente controlada, a estratégia e medidas apresentadas no relatório podem ser tangíveis. Entretanto, para o mundo subdesenvolvido ou em desenvolvimento, em especial na África e na Ásia, a fragilidade econômica, o baixo consumo per capita de energia e o crescente contingente populacional criam condições extremamente difíceis para se executar o roadmap da agência.

Embora o estudo admita os muitos e complexos obstáculos, as diretrizes propostas para se concluir a transição energética e zerar a emissão de gases poluentes apresentam desafios para uma grande parte do nosso planeta. Há quem diga que o fim do petróleo e do carvão não virá dos ambientalistas ou mesmo da energia renovável, mas sim quando os grandes bancos decidirem parar de financiar esses projetos –e com a criação de uma agenda social que insira os mais pobres numa qualidade de vida existente nos países mais ricos.

Adriano Pires

Fonte: “Poder 360”, 08/06/2021
Foto: Zbynek Burival/Unsplash

https://www.institutomillenium.org.br/emissao-zero-ate-2050-expecta...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 17

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço