Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Indústria têxtil é uma das prejudicadas

Fonte:|folhape.com.br|

Em Pernambuco, a indústria têxtil é um dos setores mais prejudicados pela valorização do Real. E a questão é nacional. De acordo com a
Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção (Abit), em
2006, o Brasil exportava mais do que importava, fechando aquele ano com
saldo positivo na ordem de US$ 500 milhões. Já em 2010, a projeção é de
deficit de US$ 4 bilhões, isto é, valor oito vezes maior do que o saldo
positivo de 2006.

“Moedas estrangeiras, como o Dólar, são feitas para exportar. A nossa, não”, diz o presidente do Sindicato da Indústria Têxtil de Pernambuco (Sinditêxtil), Oscar Rashe Ferreira. “O
polo de confecções do Agreste é formado entre 15% e 20% por produtos
importados. E a tendência é importar ainda mais”, completou.

O diretor do Sindicato da Indústria do Vestuário do Estado de Pernambuco (Sindivest-PE) e conselheiro da Abit, Fred Maia, também afirma: “estamos
deixando de vender e passando a comprar”. Para ele, a indústria
nacional está perdendo mercado porque o Governo concede incentivos
fiscais para distribuidoras instalarem-se no Estado.

Já o gerente Geral de Projetos Intersetoriais da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Felipe Chaves, defende que “o
Estado apóia benefícios fiscais para empresas de tecidos que não são
produzidos aqui. Além disso, não apoiamos exportação de produtos de
confecção. Damos benefícios, por exemplo, aos tecidos de poliéster, mas
quando começarmos a fabricar em Suape, no início do ano que vem,
tiraremos o benefício”.

Além da valorização do Real, indústrias precisam enfrentar o aumento do preço do algodão. De acordo com Oscar Rashe Ferreira, no ano passado, uma libra de algodão custava
R$ 1,40. Hoje, está por R$ 2,50. “Houve uma queda da produção de algodão
mundial. Como o Brasil é exportador do produto, faltou para o mercado
interno e o preço subiu”, analisa. “A indústria têxtil vai crescer entre
8% e 10% neste ano, mas a causa é o aumento do Produto Interno Bruto
(PIB) brasileiro”, completa.

Fred Maia comenta que a indústria de vestuário está sustentada, agora, pela demanda interna, já
que “o consumo está crescendo no País. Com isso, conseguimos vender tudo
o que produzimos”.

Exibições: 68

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço