Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Linhas Estrela - Do Coronel Delmiro Gouveia e Lampião

Fonte:|josecarloslima69.blogspot.com|

Interessante como a história de um indivíduo termina sendo a história de toda uma nação, refiro-me ao processo de desindustrialização do Brasil, sendo a saga de Delmiro Gouveia um dos seus capítulos.
Senão vejamos,,,quem não conhece estes tubinhos de linhas de costurar da marca “Linha Corrente”
Para manter seu monopólio no Brasil a Linhas Correntes comprou a fábrica da “Linhas Estrela” de Delmiro Gouveia.
Após a compra, vendida pelo herdeiros de DG, o maquinário desta fábrica foi jogado num penhasco, numa demonstração de poderio da multinacional sobre o parque industrial brasileiro.

A conferir..

Delmiro Gouveia
“(….)
Em 1899, inspirado pela Feira Internacional de Chicago de 1893, inaugurou no Recife o Derby, um moderno centro comercial e de lazer, que pode ser considerado o primeiro shopping center do Brasil. Esse empreendimento foi um grande sucesso e motivo de orgulho para o Recife, e chegou a atrair multidões estimadas em mais de 8 mil pessoas, até que foi deliberadamente incendiado em 2 de janeiro de 1900 pela polícia de Pernambuco, por orientação do Conselheiro Rosa e Silva, que era feroz inimigo político de Delmiro, e a mando do então governador Sigismundo Gonçalves , fiel rocista.[4]

Após o incêndio, ateado por razões políticas no Derby, e também em virtude de ter-se apaixonado por, e depois raptado, uma filha natural de 16 anos do então governador de Pernambuco, seu arqui-inimigo político, Delmiro concluiu que sua vida corria perigo no Recife e transferiu-se, em 1903, para Pedra, em Alagoas, uma povoação perdida no coração do sertão, mas de localização estratégica para seu comércio, na Microrregião Alagoana do Sertão do São Francisco, fazendo fronteira com Pernambuco, Sergipe e Bahia, e hoje denominada Delmiro Gouveia em sua homenagem. Delmiro comprou uma fazenda em Pedra, às margens da Ferrovia Paulo Affonso, onde centralizou seu lucrativo comércio de peles e construiu currais, açude, sua residência, e prédios para abrigar um curtume.[2]

Planejando construir ali uma fábrica de linhas de costura – que até então eram importadas da Inglaterra, as conhecidas Linhas Corrente, que monopolizavam o mercado brasileiro – e apelando para ideais nacionalistas, nativistas e cívicos então em voga, conseguiu do governo de Alagoas concessões que incluiam o direito à posse de terras devolutas, isenção de impostos para a futura fábrica, e permisssão para captar energia da cachoeira de Paulo Afonso, além de recursos governamentais para ajudar na construção de 520 quilometros de estradas ligando Pedra a outras localidades.[2][5] A partir de 1912 iniciou a construção da fábrica de linhas e da Vila Operária da Pedra, com mais de 200 casas de alvenaria. . Em 26 de janeiro de 1913 inaugurou a primeira hidroelétrica do Brasil com potência de 1.500 HP na queda de Angiquinho. Em 1914 iniciou as atividades da nova fábrica sob a razão social Companhia Agro Fabril Mercantil, produzindo as linhas com nome comercial “Estrela” para o Brasil, e “Barrilejo” para o resto da América Latina. Com preços muito abaixo das “Linhas Corrente”, produzidas na Inglaterra pela Machine Cotton, que até então monopolizava o mercado de linhas de costura em toda a América Latina,[5] logo dominou o mercado brasileiro, e amplas fatias dos mercados latinoamericanos.[4]

O sucesso da empresa – que em 1916 já produzia mais de 500.000 carretéis de linha por dia – chamou a atenção do conglomerado inglês Machine Cotton, que tentou por todos os meios comprar a fábrica.[5] Por motivos políticos e questões de terras, Delmiro Gouveia entrou em conflito com vários coronéis da região, o que provavelmente, segundo a maioria dos historiadores, ocasionou seu misterioso assassinato à bala. Outros historiadores – apoiados no conceito de Direito Romano qui prodest? – a que isto serviu? a quem isto aproveitou? – incluem a Machine Cottton no rol dos suspeitos.[6] Seus herdeiros, não resistindo às pressões da Machine Cotton, venderam a fábrica à empresa inglesa, detentora na América Latina da marca “Linhas Corrente”, que mandou destruir as máquinas, demolir os prédios, e lançar os maquinários e escombros no rio São Francisco, livrando-se assim de uma incômoda concorrência.[2][

http://pt.wikipedia.org/wiki/Delmiro_Augusto_da_Cruz_Gouveia

Dessa eu não sabia,,,Lampião foi empregado de Delmiro Gouveia!!
Veja vídeo abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=urDfpFYZ2ng&feature=player_embe...

https://www.youtube.com/watch?v=urDfpFYZ2ng&feature=player_embe...

Exibições: 1925

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Comentário de José Henrique Batista Lima em 27 maio 2010 às 15:47
Parabéns Sr. Erivaldo pela excelente matéria.Alias parabéns pela grande ideia de criar este grande meio de informações e noticias que é a Textile Industry. Sou natural de Delmiro Gouveia - AL, sempre estou indo lá, pois tenho meus pais morando por lá assim como outros familiares que como toda a comunidade viveram e cresceram em prol da industria têxtil (hoje fabrica da pedra). Tenho orgulho de ter sido o 1º Engenheiro Têxtil natural de lá. Atualmente moro em Natal - RN com minha familia (esposa e filho).


Att:
José Henrique B. Lima
Prof. Substituto - DET - UFRN
Mestrando PPGEM - UFRN
Eng. Textil / Esp. Eng. de Segurança do Trabalho
CONFEA / CREA : 210086160-3
Contato : 84-9188.683 / 9977.5600

© 2023   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço