Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Produtoras: 50% cortaram equipes na pandemia

Com pesquisa exclusiva e dados da Ancine, Apro mapeia impactos da Covid-19 na produção publicitária em 2020.

https://www.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/2021/04/Pandemia-300x172.png 300w" sizes="(max-width: 700px) 100vw, 700px" width="700" height="401" />

Making of da campanha da Budweiser, com criação da Africa e produção da Stink (Crédito: divulgação)

Sem poder abrir câmera durante boa parte do ano passado, inegavelmente o segmento de produção publicitária foi um dos mais afetados do mercado de comunicação em 2020. Para mapear o tamanho do impacto, a Apro (Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais) desenvolveu um balanço que reúne dados de registro de obras publicitárias da Ancine (Agência Nacional de Cinema), somado a informações complementares coletadas por uma pesquisa feita internamente com 49 produtoras associadas da Apro e representantes do time de produção de 20 agências.

Presidente executiva da Apro, Marianna Souza lembra que esse trabalho de monitoramento de dados é feito anualmente pela entidade, porém a análise ganhou maior profundidade nesta edição, especialmente por conta do ano atípico. “Tivemos que nos reinventar nesse último ano e para que possamos evoluir, é fundamental ter clareza sobre o impacto da pandemia na dinâmica do mercado “, explica.

Os números da Ancine mostram uma queda de 14% no volume total de registro de obras publicitárias. Em 2020, foram 38.281 títulos registrados, contra 44.495 em 2019. No recorte por estado, São Paulo concentrou 32% das produções, seguido por Paraná (12%), Santa Catarina (9%), Minas Gerais (7%), Rio Grande do Sul (7%) e Rio de Janeiro (5%). Além disso, mercados importantes como o paulista e o carioca voltaram para os índices de volume de produção de 2018, de acordo com a Agência Nacional de Cinema.

https://www.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/2021/04/Dados_apro-300x139.jpg 300w" sizes="(max-width: 560px) 100vw, 560px" width="560" height="260" />

Já no mapeamento realizado pela Apro, 99% das produtoras sentiram algum impacto refletido na redução de orçamentos devido à pandemia. Destas, 56% afirmaram ter tido projetos cancelados no período, sendo que 50% das produtoras tiveram que reduzir o número de funcionários fixos de suas equipes. Entre outras queixas apontadas, as produtoras destacaram o achatamento de orçamentos (28%), a dificuldade de dividir responsabilidades e riscos (21%), cronogramas apertados (20%) e prazo de pagamento muito longos (12%).

Apesar dos impactos evidentes, os profissionais do segmento consultados sobre o tema são unânimes em apontar uma reação rápida do setor de produção aos solavancos e obstáculos provocados pela pandemia. Dessa articulação ágil, surgiu o Protocolo de Saúde e Segurança no Trabalho do Mercado Audiovisual. Construído pela Apro, Siaesp e Sindcine, com ajuda das empresas associadas, o documento foi finalizado e oficializado em julho do ano passado.

A iniciativa ganhou vida com a ajudar de uma rede de suporte apoiada por um laboratório parceiro para testagem de profissionais e uma empresa de saúde e segurança no trabalho. Segundo a Apro, o segmento realizou 50 mil testes, cujo resultado aponta 190 casos positivos, apenas seis casos de internação e nenhum óbito.

“Lamentável ver que o cuidado com a vida hoje se tornou motivo de barganha em um orçamento para alguns clientes” – Marianna Souza

Para 96% das produtoras, a implementação do protocolo auxiliou na retomada dos negócios e nas negociações e, por unanimidade, as produtoras avaliaram o protocolo como “bom ou ótimo”. A mesma percepção foi reforçada pelas agências ouvidas no estudo. Desse grupo, 95% das participantes consideram o documento “ótimo” e reforçam que sua aplicação ajudou a mitigar os riscos no set.

Embora tenha auxiliado o segmento na retomada das atividades em 2020, o protocolo também incidiu em novos custos que encareceram as produções. O grande problema, neste sentido, é que apenas 44% das produtoras conseguiram repassar os custos relacionados com a aplicação do protocolo para os clientes, sem comprometer a taxa da produtora. “Tudo isso custa, é lamentável ver que o cuidado com a vida hoje se tornou motivo de barganha em um orçamento para alguns clientes”, afirmou Marianna.

*Credito da imagem de topo: koto feja/iStock

Renato Rogenski

https://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/2021/04/06/50-das...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 13

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço