Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

sobre a história do sistema de titulagem de fios têxteis

Olá, José Carlos,

participo de um projeto de pesquisa de têxteis e roupas históricas e uma das questões presentes neste trabalho é de que forma ou quais as fontes para se estudar a historicidade da produção de fios que construiram tecidos antigos (no nosso caso, final do século XIX e início do XX). Uma das formas de nos aproximarmos desse tipo de informação é conhecendo melhor o maquinário da indústria têxtil daquelas épocas, mas ainda é material insuficiente já que a literatura específica tendeu, até a década de 1970 (Stanley Stein, por exemplo) a tratar do maquinário sem tratar do produto, quer dizer, sabemos em que quantidade e qual tipo aproximado de matéria-prima era utilizada na fabricação de fios e tecidos, mas, pouco sabemos de suas características técnicas, como a titulagem e processos de acabamento e enobrecimento.

Aproveito seu texto para perguntar: quando o sistema de titulagem de fios passa a ser adotado e em quais parques industriais? Há bibliografia específica sobre o assunto, em termos históricos?

Muito obrigada e boas festas,
Rita Andrade

Exibições: 326

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Comentário de Yolanda em 19 novembro 2014 às 5:48

Caro gerente,

 

Tenha um bom dia!

Este é Rizhao Aoqi Textile Yarn Co., Ltd fabricação de fios metálicos de alta qualidade a partir de China

 

Nós estamos contentes de saber que você é uma empresa líder de comércio de vários fios.

Nossos fios metálicos / fios de lurex pode ser amplamente utilizado em bordados, tecidos jacquard, etiquetas tecidas, fitas, toalha de mesa, rendas, tecelagem, malharia, cortinas, e assim por diante.

 

Se você tiver quaisquer outras exigências, por favor, não hesite em deixar-nos saber, nós vamos enviar amostras grátis para seu teste.

Obrigado e cumprimentos!

Yolanda

Rizhao Aoqi Textile Yarn Co.,Ltd

Email:yolanda@qiyarn.com

Web:www.qiyarn.com

Comentário de Textile Industry em 1 janeiro 2010 às 11:07
Fortaleça o intercambio, Braga é uma bela e antiga cidade.
Precisa visita-la.
Lá tive oportunidade de ver a múmia de um Bispo do século IX.
Comentário de Rita Andrade em 1 janeiro 2010 às 10:40
Erivaldo,
muito obrigada pelo link de acesso ao Repositorium/Universidade do Minho. Na UFG, onde trabalho, recebemos no final de 2009 uma professora de lá, Maria da Graça. Ficamos muito interessados nas possibilidades de intercâmbio.

Já vou me cadastrar pelo link.

rita
Comentário de Rita Andrade em 1 janeiro 2010 às 10:32
nossa hipótese é que o tecido seja feito de fios de algodão, linho ou uma mistura dos dois. fizemos um teste simples para investigar melhor a tinta (cor preta), mas estou sem esses dados comigo agora. uma das pesquisadoras do projeto é conservadora têxtil, e, em se tratando de uma roupa antiga, a interdisiplinaridade é inevitável e estamos recorrendo a literatura variada para estreitar as possibilidades como uma forma de explorarmos as "informações" possíveis de se observar antes de começarmos as análises de laboratório.


Vou te enviar uma foto desse tecido. ainda não sei usar todas as ferramentas aqui, como anexo a foto, vc sabe dizer?

muito obrigada, mais uma vez, pela contribuição que será creditada no projeto.
Comentário de José Carlos de Castro em 31 dezembro 2009 às 16:35
Rita

Se voce tiver uma foto da padronagem, talvez eu possa te ajudar.

Quanto à matéria prima, se foi confeccionada no início do século XX, as chances de serem de fibras naturais é muito grande.Só não digo que é 100% de certeza de ser fibra natural por que, dependendo da origem, pode ser de fibra artificial(Viscose ou Acetato, por exemplo).

Um dica que te dou é tirar pequenas amostras do tecido e queimar:se a fumaça tiver odor de papel queimado, descartamos Seda e qualquer fibra sintética.Se cheirar cabelo queimado, é Seda ou tem seda na mistura.
Observe se na queima forma cinza ou forma pequenas bolinhas.
Outra dica:Deixe as amostras de fios em água e acetona por cerca de 10 minutos(separadamente).Se o odor depois da queima for de papel queimado, pode ser fibra natural ou fibra artifical à base de celulose.Para descartar a hipótese de ser artificial, retire as amostras de cada solução(água e acetona).Se a amostra retirada da água perder resistencia,é Viscose.Se a amostra retirada da Acetona se desmanchar, é acetato.
É claro que são testes subjetivos, para ter uma melhor precisão deve-se fazer os testes em laboratório.Mas dá uma boa idéia.

Obs- Como o vestido é muito antigo, e sei do valor dele para voces, quero deixar voce tranquila pois não não necessárias amostras muito grandes para estes teste.Se quiser, pode até tirar fios do tecido que também serve.

dúvidas, estou à disposição
Comentário de Textile Industry em 31 dezembro 2009 às 14:30
Abaixo link de acesso ao acervo da universidade do Minho, onde tive oportunidade de fazer um curso.
Precisa apenas se cadastrar para ter acesso.

http://repositorium.sdum.uminho.pt/register
Abraços,
Erivaldo
Comentário de Rita Andrade em 31 dezembro 2009 às 13:25
Muito obrigada, José Carlos, pelas indicações e comentários. Procurarei os livros de sua indicação. A Universidade do Minho parace se destacar em temas de estudo relacionados a têxteis, não é mesmo?

Sobre a história dos tecidos, há algumas publicações, entre elas a de Jennifer Harris 5,000 years of textiles, mas a atenção maior é dada aos aspectos estéticos e de desenvolvimento tecnológico superficial, de modo que sabemos mais sobre as mudanças da moda do que dos materiais de que as roupas foram confeccionadas.

Nesta pesquisa que está sendo realizada com uma equipe (somos duas pesquisadoras e 4 estagiárias), precisamos entender melhor ou, identificar, os tecidos de um vestido feminino provavelmente confeccionado no início do século XX. Aparentemente a base da roupa é de jacquard, mas a trama é muito aberta e o desenho/padronagem (esferas ovaladas de 3 cm de diâmetro) não parece ser comum à época. Isto significa que o tecido pode ter sido fabricado ainda em tear manual. Sobre o material, ainda temos dúvidas que apenas uma análise técnica poderá resolver.

É isto. Quando tiver novidades sobre o projeto escrevo novamente.

Mais uma vez, obrigada pela contribuição.
Bom 2010!
Rita
Comentário de José Carlos de Castro em 31 dezembro 2009 às 10:46
Rita, bom dia

Pesquisa interessante a que voce se dedica.Realmente não temos uma literatura específica sobre este assunto.

Posso recomendar "TEXTILES, Fiber to Fabric", de Bernard P.Corman(McCRAW-HILL INTENATIONAL EDITION).É um dos livros mais completos da minha biblioteca, pois além do víes técnico de toda a cadeia têxtil, também apresenta aspetos históricos bem interessantes.

Outra recomendação são os 2 volumes da série "Engenharia Têxtil", editada pela Universidade do Minho, em Portugal.

Sobre o uso do sistema de titulagem, não há um registro histórico preciso.O Ne, por exemplo, já era adotado para fios de algodão desde a Revolução Industrial.É desta época também o uso do Ne para a Lã(usando outra constante).

Já os títulos do Sistema Direto, por serem mais usados em fios sintéticos(com exceção da SEDA), tem o seu uso atrelado ao desenvolvimento do Nylon 6,6(Poliamida), em 1935(só publicado em 1938), do Poliéster(final do anos 30 e início dos 40).

Estou a disposição para te ajudar nesta pesquisa, se assim voce quiser.

Boas festas
José Carlos

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço