Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Valor total do pacote de estímulos é de R$ 60 bilhões, diz Fazenda

Informação é do secretário-executivo da Fazenda, Nelson Barbosa.
Do valor total, R$ 45 bi referem-se à operação de capitalização do BNDES.

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse que o pacote de estímulos ao setor produtivo, anunciado nesta terça-feira (3), envolve R$ 60,4 bilhões em recursos, a maior parte prevista para ter impacto neste ano.

             ESTÍMULOS PREVISTOS PARA 2012
Capitalização adicional da União para o BNDES R$ 45 bilhões
Equalizaçãodas da taxa de juros nos empréstimos do BNDES R$ 6,5 bilhões
Margem de preferência para produtos nacionais em compras do governo R$ 3,9 bilhões
Desonerações R$ 3,1 bilhões
Expansão do crédito para exportação R$ 1,9 bilhão
Valor total
R$ 60,4 bilhões

 Deste valor total, R$ 45 bilhões referem-se a uma nova operação de capitalização do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que ampliará a concessão de crédito para o setor produtivo com taxas de juros mais baixas.

Além disso, também estão previstos R$ 3,1 bilhões em desonerações, o que inclui a desoneração da folha de pagamentos. Pela manhã, quando foram anunciadas as medidas, o governo informou que a desoneração da folha custaria R$ 4,9 bilhões neste ano. Barbosa explicou, porém, que o governo também irá receber recursos por conta da tributação da Cofins na importação, e acrescentou que alguns setores já estavam no processo. Portanto, o impacto líquido é de R$ 3,1 bilhões.

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda informou ainda que as compras governamentais, que estarão sujeitas à aplicação da margem de preferência para produtos nacionais, deverão somar R$ 3,9 bilhões neste ano. Além disso, a expansão do crédito para exportação somará mais R$ 1,9 bilhão e haverá outros R$ 6,5 bilhões em equalização da taxa de juros nos empréstimos do BNDES.

"Podemos considerar os R$ 45 bilhões se o BNDES desembolsar tudo neste ano. É correto. A equalização é o valor presente. Não é toda desembolsada em 2012. A desoneração é toda neste ano e o Proex também", declarou Barbosa a jornalistas.

Desoneração na folha de pagamento
No caso da desoneração da folha de pagamentos, que começou em 2011 com o lançamento do plano "Brasil Maior", 11 novos setores foram incluídos pelo governo. Até o momento, havia quatro setores participantes: confecção, couros e calçados, "call centers" e de "softwares" (tecnologia da informação e tecnologia da informação e comunicação). Em troca dos 20% de contribuição patronal do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), estes setores têm seu faturamento tributado em 1,5%, com exceção dos "softwares" – cuja alíquota é de 2,5%.

Com as novas regras, anunciadas nesta segunda-feira, os setores de têxtil, naval, aéreo, de material elétrico, autopeças, hotéis, plásticos, móveis, ônibus, máquinas e equipamentos para produção do setor mecânico, e "design house (chips)" estão entre aqueles que passarão a ter sua folha de pagamentos desonerada.

Além disso, a alíquota sobre o faturamento, que antes oscilava de 1,5% a 2,5%, será menor. Segundo o governo, passará a variar de 1% a 2%. As novas alíquotas também não incirão sobre as exportações, que serão totalmente desoneradas, acrescentou o ministro Mantega.

Medidas anunciadas para a indústria (Foto: Editoria de Arte/G1)

Fonte:http://g1.globo.com

Exibições: 69

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço