Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Quando se instalou em São Gonçalo do Amarante, a Companhia Tecidos Norte de Minas (Coteminas) recebeu terreno para a construção do parque industrial e isenção fiscal. Em troca, eles prometiam empregos e que viriam para ficar.

No entanto, revendo os seus planos, a empresa resolveu fechar a sua fábrica e desempregar 3 mil pessoas (alguns falam em 15 mil entre diretos e indiretos). Apresentou em seu lugar um empreendimento imobiliário de 1 bilhão de reais, que conterá shoppings, prédios comerciais e residenciais.

O pequeno detalhe é que ela irá construir no terreno que lhe foi doado em troca da instalação da fábrica e da geração de empregos.

Em resumo, recebeu um mega terreno doado pela prefeitura, nunca pagou imposto e agora, desfazendo o acordo, vai usar o espaço para uma destinação completamente diferente.

Os bobo alegres de plantão pintaram a manobra como positiva para o RN.

Será?

INICIATIVA PRIVADA?

Em entrevista, a governadora enfatizou o espírito empreendedor do dono da Coteminas. Poxa, neste contexto quem não seria?

JUSTIÇA ROSADA

Enquanto que o terreno “doado” não é questionado e a coteminas já se considera dona, há em todo o RN pessoas que vivem em terrenos “invadidos” (não há também uma “apropriação” da coteminas, na medida em que ela pratica desvio de função no uso do espaço que lhe foi cedido com um fim pré-estabelecido?) por pequenos moderadores e o governo e prefeituras não têm a menor preocupação de legalizar a situação dessas pessoas.

ARRANCADA?

Rosalba Ciarlini não perdeu, juntamente com Jaime Calado, a oportunidade de utilizar a marca principal de sua gestão: as frases de efeito:

“É um projeto que marca o desenvolvimento de São Gonçalo e do RN”, disse ela.

IMPARCIALIDADE PARCIAL

O texto abaixo é jornalístico ou se trata de um informe publicitário? Descreveu tão belamente o empreendimento que um desavisado, ao ler, pode até se interessar. Faltou dizer só o preço.

Do nominuto

 

O projeto de Horizontes do Potengi é um marco do planejamento sustentável, contribuindo para a melhoria das condições socioambientais do município e da Região Metropolitana. Estão previstas áreas para posto de saúde, creche, escolas de Ensino Fundamental, Médio e Educação Ecológica, biblioteca e clube.

Localizado em área privilegiada às margens do Rio Potengi, o empreendimento terá edifícios sempre voltados para o verde e geograficamente dispostos à brisa marítima, valorizando o olhar para a cidade de Natal.

Além da interação com os amplos espaços abertos, disporá de facilidades para o dia-a-dia das famílias, como: escola, creche, clube, shopping e cinema, além de parque ecológico. Uma grande praça central, com restaurantes e artesanato regionais, integrará socioculturalmente os moradores, usuários e frequentadores. Tudo a distâncias que dispensam a utilização de automóveis e ônibus.

Horizontes do Potengi foi apresentado hoje (24) às autoridades do Estado do Rio Grande do Norte e do Município de São Gonçalo do Amarante, em uma demonstração de confiança no futuro da região e com a certeza do indispensável apoio à viabilização do investimento.

IMPARCIALIDADE PARCIAL II

A maioria dos jornais difundiram o seguinte título:

Coteminas investe R$ 1 bilhão em São Gonçalo do Amarante

Não seria mais adequado dizer:

Coteminas de São Gonçalo fecha as portas e desemprega 3 mil pessoas

Ou:

Após anos de isenção fiscal, Coteminas resolve construir empreendimento em terreno doado pela prefeitura

Não seria mais honesto com a situação vigente? Afinal, 3 mil pessoas perderam os seus empregos imediatamente. A coteminas alega que irá criar, num cenário de longo pazo, 2 mil empregos.

CARTA POTIGUAR

Por isso que a @cartapotiguar prefere explicitar suas convicções do que praticar malabarismo mental, que tem como objetivo esconder inclinações ideológicas e econômicas.

Não queremos subestimar a inteligência dos nossos leitores.

E só se respeita o leitor jogando limpo e pondo as cartas na mesa.

Foto: Elisa Elsie 

Daniel Menezes

Sociólogo, um dos fundadores da Carta Potiguar e membro do conselho editorial. Atuo profissionalmente na área de pesquisa de opinião e eleitoral e exerço a atividade de docência. Áreas de interesse: Política, Sociedade, Cotidiano. Email: danielgmenezes@hotmail.com

Exibições: 3986

Responder esta

Respostas a este tópico

Via Facebook


    • Com a retomada das obras do aeroporto de São Gonçalo de Amarante, fez-se necessária a dotação do munícipio de um infra-estrutura para dar suporte ao complexo aeroportuário, como nem o governo do RN e nem a prefeitura deste município têm recursos para isso, com aproximação da copa do mundo e São Gonçalo do Amarante fica na região metropolitana de Natal, cidade esta que vai sediar alguns jogos da copa, foi mais cômodo para os governante esquecerem o acordo formado com a Coteminas, pois, ficam despreocupam-se com uma situação complicada que viria a surgir num futuro bem próximo, memso que isso venha a custar os empregos diretos e indiretos que a Coteminas ainda mantem. Lamentável esse fato, fui funcionário da Coteminas, trabalhei exatemente nesse unidade por duas vezes, tenho um profundo respeito pela empresa ,me orgulhio de trabalhado na mesma, mas, fica um travo de decepção e a preoucupação com os meus amigos que lá ainda estão.

Essas demissões já ocorreram ? Ou é uma previsão, frente aos investimentos anunciados ?

Pra que comprar um terreno, se posso usar a malandragem pra conseguir um. Pra que criar empregos, se posso usar o politico BURRO (ou esperto) pra me conseguir o que quero.

Realmente com todo respeito, volto ao que coloquei no meu Face.

Salve o Ditatorismo pra colocar essses politicos no Paredao e mete balaaa !!!

Culpa nossa, pq reelegemos ta na hora de virar a casa,

Eh... Retidao nao eh coisa genetica. Bem que me disseram... SdM

 

Sempre fui admirador da Coteminas, por isso creio que exerceu a função de emprego e renda durante o tempo que manteve a industria textil. Porem essas industrias quebraram! Todos querem mudar de ramo, porem poucos tem capital de giro para isso. O Antonio Ermirio foi o 1º a sair do ramo(grande visão). O empreendimento que se projeta é grandioso e trará retorno social à localidade. Quando a empresa recebeu o terreno, ele não valia quase nada e foi valorizado principalmente, pela Coteminas. Não há nenhum desvio de função! São sociologos, às vezes petistas, que morrem de inveja ao ver prosperar o capitalismo. E afirmo: a Coteminas nunca usou o capitalismo selvagem(exploração do homem pelo homem). Sempre cumpriu seu dever social dentro da ética e possibilidade financeira. Não existe ex-funcionário que fale mal da empresa. Mas para sobreviver até aqui teve que ter gestão forte sem jogar dinheiro fora, sempre comprando pelo menor preço, o que demanda inteligencia e perseverança. Chega de jogar pedras em quem sabe ganhar dinheiro honestamente.

Vamos nos concentrar nos Zés Dirceus!

Ora, caro Daniel, desde o início a coisa foi feita de forma atravessada, então vejamos:

1. Na década de 80 o então presidente da república, josé sarney(não dignifico quem não

    merece, este sr. só beneficiou quem não gosta de trabalhar premiando os NÃO inves-

    tidores em produção mas só quem investia em capital especulativo) precisava aumentar

    seu "CACIFE" no congresso nacional para tanto o nome mais "AFINADO" com seus pro-

    pósitos era o do  aloisio alves, então presidente da Têxtil Seridó. Empresa com ati-

    vidades produtivas encerradas e MUITOS processos trabalhistas em andamento.

2. O Sr. José Alencar, que estava com um projeto de construção de uma nova unidade têxtil

    em Montes Claros aprovada(SUDENE) e em andamento, surpreendentemente suspende as

    obras colocando-as em "stand by" e anunciando uma aquisição em São Gonçalo do Ama-

    rante/RN. Neste momento, fui contratado para supervisão do laboratório físico do contro-

    le de qualidade e passei de 50 a 60 dias treinando os procedimentos de todo o processo em

    Montes Claros(na matriz) e muita coisa foi dita, nos bastidores, sobre essa "AQUISIÇÃO !!!".

3. A COTEMINAS/COTENE passa a administrar as instalações adquiridas com tudo e todos os

    problemas da empresa anterior e seu aloisio alves sai ministro da administração do Brasil.

    Ora vejam, como pode um administrador que deixa ir pro "PAU" uma das texteis mais bem 

    projetadas e montadas do país, o layout da empresa era modelo no catálogo internacional

    do fabricante dos equipamentos de fiação, ser ministro da administração do Brasil.

4. O processo de absorção  da mão de obra, que se encontrava na justiça, foi muito contur-

    bado sem apoio algum do sindicato dos trabalhadores têxteis, e o presidente do sindicato

    era funcionário readmitido pela COTENE/COTEMINAS.

5. Com um cenário totalmente a favor e com apoio do sarney, em duas décadas a COTEMINAS

    torna-se uma das maiores empresas têxteis do país e seu patrono passa o "BASTÃO" para

    seu "PUPILO" o filho e assume posições políticas declaradas.

Concluo que o "APRENDIZ" captou bem as lições auferidas e que tem a certeza que pode 

fazer o que quiser pois o DEM que já foi PFL, que veio do PDS e que era ARENA(partido de apoio

a ditadura: ver origem do sarney) ainda tem espaço em nosso estado e quer mostrar um serviço

que não tem para dar(KD o andamento do aeroporto de São Gonçalo??? Dizem que o grupo ven-

cedor está com problemas em outras obras e não esta "TOCANDO" esta.)

O QUE ACONTECEU COM TODOS??? FORAM ANIQUILADOS????

Antonio Silverio Paculdino Ferre disse:

Sempre fui admirador da Coteminas, por isso creio que exerceu a função de emprego e renda durante o tempo que manteve a industria textil. Porem essas industrias quebraram! Todos querem mudar de ramo, porem poucos tem capital de giro para isso. O Antonio Ermirio foi o 1º a sair do ramo(grande visão). O empreendimento que se projeta é grandioso e trará retorno social à localidade. Quando a empresa recebeu o terreno, ele não valia quase nada e foi valorizado principalmente, pela Coteminas. Não há nenhum desvio de função! São sociologos, às vezes petistas, que morrem de inveja ao ver prosperar o capitalismo. E afirmo: a Coteminas nunca usou o capitalismo selvagem(exploração do homem pelo homem). Sempre cumpriu seu dever social dentro da ética e possibilidade financeira. Não existe ex-funcionário que fale mal da empresa. Mas para sobreviver até aqui teve que ter gestão forte sem jogar dinheiro fora, sempre comprando pelo menor preço, o que demanda inteligencia e perseverança. Chega de jogar pedras em quem sabe ganhar dinheiro honestamente.

Vamos nos concentrar nos Zés Dirceus!

A Indústria Textil demanda muito trabalho mecânico, mental e físico para render poucos lucros, pelo menos ultimamente. Não digo isso me referindo a um século atrás quando a tecnologia textil era a de ponta, algo que estávamos pondo os Ingleses, Franceses, Alemães, Americanos, Irlandeses e outros para escanteio. 

Geralmente hoje, poucas pessoas no mundo desenvolvido estão investindo nessa indústria em grande escala, mundo afora. A indústria textil passou mais para países de mão de obra relativamente barata e que necessita de empregar muita mão de obrar, necessita gerar empregos. Todavia em países Sócios Capitalistas, esta indústria da uma ALAVANCAGEM POLITICA ao Coronel, ao Capitão do Mato. Acordos são feitos com Prefeitos e Deputados, plataformas politicas são criadas na base de "geração de emprego" e por ai afora.

O capitalista "puro sangue" deveria evitar estar no setor textil. E isso acontece. A maioria foge dele como o diabo foge da cruz. É muito mais fácil fazer dinheiro comprando e vendendo papeis, com imobiliária, com especulações na bolsa e add infinitum. No Brasil somos um país muito socializado. Temos muitos partidos e esses demandam esse e aquele Ministério, essa ou aquela Presidência de Estatal ou prefeituras de cidades grandes, etc. Posições são dadas como despojos de guerra do "vencedor" criando-se o “Caciquismo”, uma forma mais recente do sistema das Capitanias Hereditárias.

Dai, com o foco maior NA POLITICA, na globalização do ser humano como numero votante, distorções medonhas são criadas: Criam-se a Indústria da FOME , da SECA e da IGNORANCIA que todos nos sabemos. O foco do investimento puro, os fundamentos  capitalista Keynesiano passa por este processo de debacle, de distorção perversa, e no final o HOMEM, que deveria ser o foco, a meta dos funcionários públicos e dirigentes eleitos por nos, passam o segundo ou terceiro plano, pois somente o numero de seus votos são visado.

Isso é um sistema perverso, uma distorção da Democracia nos Trópicos e um ato desumano. Esse sistema medonho causa uma corrupção desenfreada, a vida humana se torna barata, e passamos a ver gatunagens como o roubo alimentos, o desvio de verbas para áreas afetadas por tragédia, roubo de merenda escolar, de remédios, criação de empregos fantasmas, enfim e a DEMOCRACOA MACUNAIMA se torna um sistema quase tão perverso como uma ditadura, como ou mesmo mais perverso do que o capitalismo selvagem.

É por essas razoes que eu sempre digo: A NOSSA FORCA ESTẨEM NOSSO NUMERO. Mas o que acontece? Nossos Sindicatos não atuam. Nossas entidades se tornam clubes  de politiqueiro, buscando um quinhão ou mesmo uma migalha caída da mesa dos poderosos.

Também a Oligarquia de Caciques nos põem uns contras os outros. Põem-nos em constante fratricidas guerras partidárias. Os advogados de nossos sindicatos muitas vezes fazem acordos mais para o lado do dono do que do empregado. Ha uma distorção geral no sistema. Mas isso não é coisa nova. Foi assim que Hitler conseguiu subir ao poder e anexar tantos países - ate que a Inglaterra pos- Chamberlain, deu a ele um "basta". Foi assim que Roma dominou o mundo, usando da picuinha entre povos e tribos, pondo-os uns contra os outros e depois conquistou a todos - e sabiamente deu a plebe PAN ET CURCUS como entretenimento. Aqui nos dão Cesta Básica, Bolsa Família e Cachaça. Carnaval e Novelas. E assim vemo-nos, ignorantes e satisfeitos. Escravos e pensando sermos libertos. Vivendo no "misere" e obtendo orgasmos com os Eike Batistas e outros Coronéis e capitães do Mato, porem vivendo na merda em uma ilusão tropical “a la Macunaíma”.

A SOLUCAO NOSSA É O NOSSO NUMERO. Não usado isso, a manada de gado só serve para o matadouro. Creio que o Marx (ou Voltaire?) disse que “religião é o opio do povo”. Eu já não acho isso, uma vez o fanatismo já se tornou bem menor. Eu creio que o empreguismo, e a atuação direta do Estado dentro de quase todos os aspectos de nossa vida não nos são salutar; e as distorções criadas por essa interferência, por esse sistema, esta se tornando “o opio do povo”.

Vejamos qual é o grande acerto na vida de um aspirante ao mercado de trabalho no Brasil? Ser um Funcionário Publico; Passar num concurso; trabalhar numa estatal... E isso acaba com a criatividade do povo e indústria privada, o “Laissez-Faire”.

Vejam bem a historia de nossos Grandes Financistas, com algumas poucas exceções, notem como sempre eles tiveram direta ou indiretamente ligado ao Estado: A um pai Superintendente de um Banco Estatal, de Uma Mineradora, de um Ministério, que foi Membro do senado ou um Deputado. E por ai vai. Precisamos decidir se seremos CAPITALISTAS ou SOCIALISTAS. Se capitalista chega de Petrobrás e Banco do Brasil ficar subsidiando isso ou aquilo. Por exemplo, o Teatro deve sobreviver, pelo mérito de seus atores e PELA PROCURA DO POVO, com dinheiro, cultura e interesse pelas Artes, como acontece no resto do mundo, Salvo Cuba, Venezuela, China e Coreia do Norte. Se formos SOCIALISTAS, (o que não é a minha sugestão), que sejamos socialistas puros: Vendo TODOS esfunicados IGUALMENTE. Se formos capitalistas, deixem de ficar sugando isso e aquilo das estatais e reclamando depois que elas geram poucos lucros. Não misturemos as coisas.

Aqui há vários pontos a ser ponderados. Que tem discernimento, que discirna. Que tem olhos, que leia, quem não quer ou é incapaz de compreender o obvio, e não se engajar em pelo menos tentar modificar as coisas, que se chafurdem na merda – mas sem chorar. Sem se lamentar. Foi a usa escolha, a comodidade.

Um bom fim de semana para todos

Concordo em tese com o Daniel Menezes da Carta Potiguar. Realmente os incentivos fiscais usufruidos pela Coteminas durante todos esses anos, inclusive para a fábrica de "CAMISETAS" tão propalada pelo seu Presidente que iria fabricar as mesmas mais barata que as chinesas (outra lorota) e vender a R$ 0.90/cada, mais os 10 milhões de dólares à epoca, doados pelo Delfim Neto via BNDES, para o Grupo assumir a antiga SERIDÓ, foram para o ralo e custarão muito mais caros para nossos co-irmãos têxteis que ficarão desempregados.É a sétima empresa têxtil que fecha suas portas no Rio Grande do Norte : Famosa em Macaiba- Rn, Sperb-Giorgi em Parnamirim -Rn, Texita também em Parnamirim, Borborema em Natal, Sacoplast em Parnamirim, Fitep em Parnamirim e ainda virá a Santana Têxtil de Natal (não sei o nome, mas se não parou ainda , vai parar também), e será a oitava. Será que a Governadora ignora isso ? São muito mais de 15 mil empregos diretos e indiretos e o empreendimento comercial não absorverá essas pessoas desempregadas. A cadeia têxtil é reconhecidamente o setor que mais emprega pessoas diretamente e indiretamente, pois até os Shoppings Center(s) com suas lojas de roupas também pertecem à Cadeia, mas em nosso país vão vender roupas fabricadas na China. Os empregos propalados no momento (na construção civil), serão passageiros e completamente diferente do emprego perene, quando se trata de industrias. A parada dessas fabricas de São Gonçalo do Amarante (são mais de uma), também vão atingir a Fábrica de Confecções do mesmo Grupo em Macaíba e em se tratando de confecções a quantidade de demissões serão muito maior. Mandem o bonde parar que eu quero saltar...

É isso aí, quando se auxilia as empresas privadas para que gerem riquezas(empregos) e não se atua na fiscalização dos investimentos(financiamentos) acontece de tudo: desvios das verbas,

utilização do empreendimento com intuito eleitoreiro(cabide de empregos: entenda-se Têxtil

Seridó), até a falência do empreendimento vale a pena(pra eles).

"GOVERNAR É ACIMA DE TUDO FISCALIZAR AS ATIVIDADES ENRIQUECEDORAS DE UM PAÍS PARA QUE

NÃO OCORRAM DISTORÇÕES DE FINALIDADES" e vejam só em que mãos estão as fiscalizações:

apadrinhados políticos(cargos de confiança)- SALVE A FICHA LIMPA PRA ESTES TAMBÉM. 

Luiz: Mais uma vez um comentaria de fundo, lucido, qualitativo e de "peito aberto". Orgulho-me de ser seu amigo ha mais de vinte anos. Parabens tambem p

ela beleza e clareza no texto. SdM
 
Luiz Barbosa Lima disse:

Concordo em tese com o Daniel Menezes da Carta Potiguar. Realmente os incentivos fiscais usufruidos pela Coteminas durante todos esses anos, inclusive para a fábrica de "CAMISETAS" tão propalada pelo seu Presidente que iria fabricar as mesmas mais barata que as chinesas (outra lorota) e vender a R$ 0.90/cada, mais os 10 milhões de dólares à epoca, doados pelo Delfim Neto via BNDES, para o Grupo assumir a antiga SERIDÓ, foram para o ralo e custarão muito mais caros para nossos co-irmãos têxteis que ficarão desempregados.É a sétima empresa têxtil que fecha suas portas no Rio Grande do Norte : Famosa em Macaiba- Rn, Sperb-Giorgi em Parnamirim -Rn, Texita também em Parnamirim, Borborema em Natal, Sacoplast em Parnamirim, Fitep em Parnamirim e ainda virá a Santana Têxtil de Natal (não sei o nome, mas se não parou ainda , vai parar também), e será a oitava. Será que a Governadora ignora isso ? São muito mais de 15 mil empregos diretos e indiretos e o empreendimento comercial não absorverá essas pessoas desempregadas. A cadeia têxtil é reconhecidamente o setor que mais emprega pessoas diretamente e indiretamente, pois até os Shoppings Center(s) com suas lojas de roupas também pertecem à Cadeia, mas em nosso país vão vender roupas fabricadas na China. Os empregos propalados no momento (na construção civil), serão passageiros e completamente diferente do emprego perene, quando se trata de industrias. A parada dessas fabricas de São Gonçalo do Amarante (são mais de uma), também vão atingir a Fábrica de Confecções do mesmo Grupo em Macaíba e em se tratando de confecções a quantidade de demissões serão muito maior. Mandem o bonde parar que eu quero saltar...

Alguem se lembra quando Ricardo Mansur( ex-Mesbla e Mappin) arrematou tecelagens nos leilões em Americana, e logo depois vendeu as maquinas como sucata e os terrenos para construção de shoppings? 

O Brasil é um paraiso para este tipo de gente!

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço