Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Quando se instalou em São Gonçalo do Amarante, a Companhia Tecidos Norte de Minas (Coteminas) recebeu terreno para a construção do parque industrial e isenção fiscal. Em troca, eles prometiam empregos e que viriam para ficar.

No entanto, revendo os seus planos, a empresa resolveu fechar a sua fábrica e desempregar 3 mil pessoas (alguns falam em 15 mil entre diretos e indiretos). Apresentou em seu lugar um empreendimento imobiliário de 1 bilhão de reais, que conterá shoppings, prédios comerciais e residenciais.

O pequeno detalhe é que ela irá construir no terreno que lhe foi doado em troca da instalação da fábrica e da geração de empregos.

Em resumo, recebeu um mega terreno doado pela prefeitura, nunca pagou imposto e agora, desfazendo o acordo, vai usar o espaço para uma destinação completamente diferente.

Os bobo alegres de plantão pintaram a manobra como positiva para o RN.

Será?

INICIATIVA PRIVADA?

Em entrevista, a governadora enfatizou o espírito empreendedor do dono da Coteminas. Poxa, neste contexto quem não seria?

JUSTIÇA ROSADA

Enquanto que o terreno “doado” não é questionado e a coteminas já se considera dona, há em todo o RN pessoas que vivem em terrenos “invadidos” (não há também uma “apropriação” da coteminas, na medida em que ela pratica desvio de função no uso do espaço que lhe foi cedido com um fim pré-estabelecido?) por pequenos moderadores e o governo e prefeituras não têm a menor preocupação de legalizar a situação dessas pessoas.

ARRANCADA?

Rosalba Ciarlini não perdeu, juntamente com Jaime Calado, a oportunidade de utilizar a marca principal de sua gestão: as frases de efeito:

“É um projeto que marca o desenvolvimento de São Gonçalo e do RN”, disse ela.

IMPARCIALIDADE PARCIAL

O texto abaixo é jornalístico ou se trata de um informe publicitário? Descreveu tão belamente o empreendimento que um desavisado, ao ler, pode até se interessar. Faltou dizer só o preço.

Do nominuto

 

O projeto de Horizontes do Potengi é um marco do planejamento sustentável, contribuindo para a melhoria das condições socioambientais do município e da Região Metropolitana. Estão previstas áreas para posto de saúde, creche, escolas de Ensino Fundamental, Médio e Educação Ecológica, biblioteca e clube.

Localizado em área privilegiada às margens do Rio Potengi, o empreendimento terá edifícios sempre voltados para o verde e geograficamente dispostos à brisa marítima, valorizando o olhar para a cidade de Natal.

Além da interação com os amplos espaços abertos, disporá de facilidades para o dia-a-dia das famílias, como: escola, creche, clube, shopping e cinema, além de parque ecológico. Uma grande praça central, com restaurantes e artesanato regionais, integrará socioculturalmente os moradores, usuários e frequentadores. Tudo a distâncias que dispensam a utilização de automóveis e ônibus.

Horizontes do Potengi foi apresentado hoje (24) às autoridades do Estado do Rio Grande do Norte e do Município de São Gonçalo do Amarante, em uma demonstração de confiança no futuro da região e com a certeza do indispensável apoio à viabilização do investimento.

IMPARCIALIDADE PARCIAL II

A maioria dos jornais difundiram o seguinte título:

Coteminas investe R$ 1 bilhão em São Gonçalo do Amarante

Não seria mais adequado dizer:

Coteminas de São Gonçalo fecha as portas e desemprega 3 mil pessoas

Ou:

Após anos de isenção fiscal, Coteminas resolve construir empreendimento em terreno doado pela prefeitura

Não seria mais honesto com a situação vigente? Afinal, 3 mil pessoas perderam os seus empregos imediatamente. A coteminas alega que irá criar, num cenário de longo pazo, 2 mil empregos.

CARTA POTIGUAR

Por isso que a @cartapotiguar prefere explicitar suas convicções do que praticar malabarismo mental, que tem como objetivo esconder inclinações ideológicas e econômicas.

Não queremos subestimar a inteligência dos nossos leitores.

E só se respeita o leitor jogando limpo e pondo as cartas na mesa.

Foto: Elisa Elsie 

Daniel Menezes

Sociólogo, um dos fundadores da Carta Potiguar e membro do conselho editorial. Atuo profissionalmente na área de pesquisa de opinião e eleitoral e exerço a atividade de docência. Áreas de interesse: Política, Sociedade, Cotidiano. Email: danielgmenezes@hotmail.com

Exibições: 3538

Responder esta

Respostas a este tópico

Prezado Barbosa,

Poucos entendem de Sudene como Vc. Quando se chega ao "Quadro Final", significa que todo o projeto foi executado. A partir daí o investidor não tem mais obrigações com o incentivador. Então é o socio majoritário que é obrigado a gerar lucros para sobrevevencia da empresa e satisfação dos acionistas. Se não der lucro, haverá desenlace! Grande parte das industrias que tiveram que parar, simplesmente sumiram! Quando algum quer mudar o investimento para ainda gerar emprego, lucro e dividendos para os sócios, aparecem os atiradores de pedras.

Leia bem O Sam: o regime é capitalista e temos que saber viver nele. Repito: Vamos apedrejar os Zés Dirceus e não quem trabalha, produz e trabalha diuturnamente para manter sua empresa e por conseguinte, o país

E DE QUEM ERA A COTEMINAS???

NEM PRECISA RESPONDER!

 

GEORGES LOUIS

O maior sócio preferencial era a Sudene(Finor) Quando José Alencar e Luiz de Paula montaram a 1ª Coteminas, o Alencar era um lojista em crescimento e chamado por Luiz de Paula virou industrial. Quando foi convidado a absorver a Seridó, nem pensava em política partidária, e a Seridó já passara por duas empresas que não conseguiram gerar lucros, tornando um abacaxi para o Banco de desenvolvimento do R.N. , que a Coteminas resolveu com competencia gestora. Quem nos dera se todos empresários texteis tivessem o mesmo tirocínio.

Na Coteminas nunca houve desvio de verbas como alguem citou. Mas afinal, não me cabe ficar discutindo Coteminas todo o tempo. Mas os galpões da fabrica, que não compensa continuar rodando, deveria virar museu como em Juiz de Fora? ( Bernardo Mascarenhas). No auge do crescimento da Coteminas o Alencar foi derrotado ao governo de Minas. Vamos trabalhar para vencer a China, se for possível!

Nao vou entrar a fundo nesse assunto. Nao tenho os papeis em mao. Mas ja ja vi BARBARIDADES praticadas com dinheiro da Sudene e SUDAM. JA NEGUEI vender varias fabricas texteis em minhas maos a gente que queria que eu fornecesse um ATESTADO DE MAQUINAS NOVAS ou agir dessa forma. Gente de maquillavam e pintavam as maquinas e inspetores que as declaravam NOVAS. Claro eles fizeram negocio com outros. Ja vi uma linda fabrica, creio no Maranhao (cujo dono cometeu Suicidio) com um suntuoso escritorio, quase que presidencial (mas com um carpete vermelho de mal gosto) que simplesmente nao havia maquinas la. Um amigo me chamou a atencao que ao passar UM DEDO nas paredas, saia a areia do reboco. Creio que com um pontape se derrubariam as lajotas. ROUBARAM ATE NO CIMENTO. Outo me convidou ao Hotel de la Volpe, em Sao Paulo.  Na ocasiao tinha um Escritoria perto, na Rua Padre Joao Manoel, quase atras do Conjunto Nacional. Descobri depois que o cara era "laranja" que gente muito grande no Governo. Esse queria comprar de mim uma fabriaca textil, tipo Open End, pequena, na epoca de menos de Hum Milhao de Dolares que eu tinha a venda na Checoslovaquia. Mas a condicao era que deveria constar nos papeis o valor de  VINTE E TRES MILHOES DE DOLARES. Nessa ocasiao eu tinha o Daniel Ferreira, meu Assistente na epoca, em minha companhia. Depois dessa discussao, entre Jaguncos, disse que ia pensar e falar com a casa matriz nos EUA. Fechei o escritorio nos Jardins e nunca mais voltei... O Daniel? Veio trabalhar comigo nos EUA por um bom tempo. Pareceme que esse "laranja" ja nao esta mais conosco...  Outros compravam e vendiam -fraudulentamente- projetos da Sudam e Sudene, quase defuntos. Como faziam dinheiro, nao sei. Amigos, a coisa e feia. A corrupcao e IMENSA. A justica E DE ARAQUE. Fuck them all. SdM

Zés Direceus e Jaders Barbalhos, tivemos e temos aos montes! Alencares são poucos! Por que apedrejar o que trabalhou duro, contra muitos e venceu? Que espírito é esse, causador de tanta conversa sem provas?

Exatamente isto, foi a partir da aquisição da Seridó que o Sr. Alencar to-

mou gosto pela "política" pois viu que com a politicagem praticada em nos-

so país é muito melhor para abrir portas dos cofres públicos a financiarem

novas aquisições, principalmente quando se tem um padrinho como o sarney.


 
Antonio Silverio Paculdino Ferre disse:

O maior sócio preferencial era a Sudene(Finor) Quando José Alencar e Luiz de Paula montaram a 1ª Coteminas, o Alencar era um lojista em crescimento e chamado por Luiz de Paula virou industrial. Quando foi convidado a absorver a Seridó, nem pensava em política partidária, e a Seridó já passara por duas empresas que não conseguiram gerar lucros, tornando um abacaxi para o Banco de desenvolvimento do R.N. , que a Coteminas resolveu com competencia gestora. Quem nos dera se todos empresários texteis tivessem o mesmo tirocínio.

Na Coteminas nunca houve desvio de verbas como alguem citou. Mas afinal, não me cabe ficar discutindo Coteminas todo o tempo. Mas os galpões da fabrica, que não compensa continuar rodando, deveria virar museu como em Juiz de Fora? ( Bernardo Mascarenhas). No auge do crescimento da Coteminas o Alencar foi derrotado ao governo de Minas. Vamos trabalhar para vencer a China, se for possível!

Nao quere me meter em algo que desconheco. Sinceramente, nao tenho nada contra o Ex Vice-Presidente mais respeito e sempre a sua memoria evoca uma paz e reflexao ( e muita luta) contra a morte, contra a vicissitude. PONTO.

Tampouco nao tenho nada contra o filho.

Mas essa coisa de defender o filho embasado nos meritos do pai, nao e correta comigom com voce, com ele ou com ela.

Ambos estao separatos: Vamos ver os FRUTOS e pelos frutos deveremos conhecer as pessoas.

Eu, pessoalmente, nunca li ou fui informado de que integridade eh fator GENETICO. Sei que exemplos pessoais sao positivos e formadores de carater. mas nao esta no DNA. Digo isso porque escuto muito da virtude o pai para justificar o filho. O filho e BIG BOY, e tem estatura para ficar sobre as proprias pernas. Isso eh tudo sobre a materia. Esperemos e vejamos: Rezando e vigiando. Vigiando e orando. Isso eh Biblico.

SdM

 

Eu me pergunto se os que defendem com tanta veemência o modelo 

administrativo da COTEMINAS já foram empregados lá??? Eu fui, na 

fábrica adquirida em São Gonçalo do Amarante/RN e passamos mais

de dez meses ALMOÇANDO dois pãezinhos com salsicha e um copo de 

leite, vivendo uma disciplina militar onde se engole sapos calado..........

A COTEMINAS é uma grande escola têxtil onde aprende-se a fazer com

menos onde era feito com mais, mas isto não justifica participar dos 

"embrólios" políticos na receita do "O FIM JUSTIFICA OS MEIOS".

Julio: A voz da experiencia, impera. Parabens pela coragem. SdM

 

Volto, sem querer, a participar da dicurssão. Realmente é o primeiro ex-empregado que vejo falando mal da empresa, que tem poucos ex-funcionarios. A empresa era obrigada a lhes fornecer almoço? Existe um PAT, tambem algumas convenções coletivas onde se permite descontar a refeição servida, e similares. Não conheço o caso totalmente, mas uma parte dos salários é para alimentação em qualquer lugar do mundo! Parece que o pãozinho fornecido era por liberalidade. Nem no Cetquit (que é do Senai) a alimentação era gratuita!

Julio: Sejamos justos: Me parece, que o amigo Paculdino esta certo nesse ponto. Os dois Hot Dogs e leite lhes eram fornecidos "pro bono", gratuitamente e nao como parte da refeicao. Aqui os gringos nos pagam razoalvelmente bem e nao querem saber se um come caviar ou bananas. Eh a sua dieta, eh o seu problema. Visitando Fabricas, eu sempre comi em badeijoes. Na maioria deles a comida era excelente! Ja comi no Refeitorio da Vicunha (CE), da Santana (RN), da Estamparia (MG), da MEDIHOUSE, Santa Barbara, SP, BERCAMP, JUNDIAI (SP) e nessas cafeterias haviam ate nutricionistas! Para quem nao via uma comidinha bem Brasileira havia meses, me lambia os "beicos". SdM

Tudo bem, não sei lhe informar que regime seguiam lá mas tinhamos uma hora para almoço e não podiamos sair de fábrica, se vão pagar o almoço tá bem mas se não são duas horas para almoçar.

Não conheço as fábricas GRINGAS mas aquí é assim. Trabalhei na Vicunha em Maracanaú/CE e até refeitório

diferenciado a chefia tinha a época, hoje mudou todos comem no mesmo lugar.

Abraços, conte comigo!

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço