Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Abitex diz que Indústria Têxtil Nacional Precisa se Modernizar


O debate sobre se o Brasil passa ou não por um processo de desindustrialização ganhou força nos últimos dias. De um lado, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, diz que é impossível agregar valor aos produtos nacionais já que o País está num processo de retração industrial. Na outra ponta está o presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Matérias Primas Têxteis (Abitex), Jonatan Schimidt, que responsabiliza o próprio setor pela perda de espaço frente aos produtos importados, como os têxteis da China.


“A indústria está diminuindo frente à ausência de política de desenvolvimento industrial do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que não fiscaliza o que empresta e por culpa da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa)  que não procura investigar a sociabilidade das empresas”.

Ele considera que os industriais brasileiros foram vítimas, mas também têm culpa porque não se modernizaram e critica que muitas das plantas industriais parecem ter parado na década de 1950. E dispara: “o Brasil compra máquinas usadas da China”.

Schimidt diz que a tecnologia da indústria têxtil está ruim. “Importam teares com mais de cinco anos, que não são mais usados pela China e com aval do Governo Federal, através de incentivo tributário. E não conseguem atender à demanda nacional. Precisamos importar. Se não importar não consegue exportar. Não dá para criminalizar o importador. Ele precisa ter condições de importar para suprir a demanda. A OMC (Organização Mundial do Comércio) tem regras para defender os exageros. Controle aduaneiro é uma das regras. Mas o Brasil acaba se guiando por questões políticas”.

A Abitex, reclama o presidente da entidade, sofreu, por muitos anos, porque o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) era dominado pela indústria têxtil, chegando ao absurdo de aplicar antidumping. “Existem tecidos que não se fabricam no Brasil e a medida foi aplicada. Aumenta o custo e quem paga o pato é o consumidor”.

Schimidt defende que o Brasil tem que ser “ator” no mercado internacional, citando como exemplo o chamado “preço mínimo” para importações. “Se uma camisa custa, por exemplo, cinco dólares, o governo diz que é pouco e só permite que a importação seja realizada se a empresa brasileira pagar oito dólares. O chinês faz muito barato um produto que o Brasil não produz”.

 


Procurado pela reportagem do Portogente, o MDIC informou apenas que no próximo dia 2 de agosto será lançado o Programa de Desenvolvimento Produtivo.

Fonte:|http://www.portogente.com.br/texto.php?cod=50469

Exibições: 645

Responder esta

Respostas a este tópico

A discussão é muito importante neste momento.

 

 

A indústria têxtil realmente sofre com o problema de inovação, BNDES não ajuda muito, BOVESPA puf, ...

 

Esperemos que o Governo no dia 02 quando emitir o pacote, faca valer e ajudar as indústrias nacionais e contenha as importações. Pois se o primeiro semestre foi triste sem luz no fim do túnel, não sei o que será do segundo semestre, os empregos diretos são afetados, e não podemos nos esquecer dos indiretos.

 

Sendo assim Deus nos Abençoe, Jesus nos ajude a passar por estas mudanças e que nosso empresariado seja valente, guerreiro e possamos em conjunto buscar soluções para produzirmos mais e melhor !

 

ACORDA BRASIL !

 

 

Senhores, com todo respeito que cada um merece, não podemos mais culpar os outros pelos nossos erros, é tempo de entender que globalização é irreversível e que quem não for competente não sobreviverá.

Eu já vivi na pele (nos anos 90) o que estamos prestes a ver acontecer novamente mas, da mesma maneira de antes, estão querendo adotar o remédio errado.

Ou nos modernizamos ou morremos, não se pode culpar o Governo, por tudo, ele tem sua parcela assim, como os absurdos com que vivemos tributariamente e os que praticam negócios de forma ilícita, mas temos que ter politicas de exceção e não viver às custas de medidas protecionistas.

Na semana passada comentei uma matéria da Folha onde Ivo Rosset fez a afirmação que ha "Desindustrialização" no setor, acho oportuno recomendá-la aqui:     “Governo não age para evitar a desindustrialização”, diz Ivo Rosset

Alem de olhar para fora é preciso olhar para o que setor tem deixado de fazer internamente, na área de capacitação de suas equipes, de pesquisa e desenvolvimento. O que adianta comprar produtos no varejo internacional (fabricado pelo Asiático) simplesmente copiá-los e achar que esta fazendo P&D?

  • Quanto nossa industria investe nestes itens, não esta na hora de se fazer pesquisa a respeito?
  • Quem sabe teríamos um Raio-X melhor do que esta acontecendo...  
  • Se desejar considerar mais a respeito veja os links abaixo.

  • Qual será o futuro das empresas, que se mantêm à margem de tais boas praticas?
  • Quais serão os índices de rotatividade de seus colaboradores?
  • Qual o grau de retenção de seus talentos?
  • Por quanto tempo resistirão à concorrência ampliada pela profissionalização do mercado?

Capacitação da equipe, fator de sucesso nas franquias.

Nós merecemos viver…(4 ações bem simples, mas tremendamente eficazes)

O Mada de Desenvolvimento de Têxteis no Brasil: 90% da Industria baseia sua pesquisa no Varejo Internacional e acha que esta fazendo P&D eficiente, mas veja o que acontece. 



Edson Jaccoud disse:

Senhores, com todo respeito que cada um merece, não podemos mais culpar os outros pelos nossos erros, é tempo de entender que globalização é irreversível e que quem não for competente não sobreviverá.

Eu já vivi na pele (nos anos 90) o que estamos prestes a ver acontecer novamente mas, da mesma maneira de antes, estão querendo adotar o remédio errado.

Ou nos modernizamos ou morremos, não se pode culpar o Governo, por tudo, ele tem sua parcela assim, como os absurdos com que vivemos tributariamente e os que praticam negócios de forma ilícita, mas temos que ter politicas de exceção e não viver às custas de medidas protecionistas.

Na semana passada comentei uma matéria da Folha onde Ivo Rosset fez a afirmação que ha "Desindustrialização" no setor, acho oportuno recomendá-la aqui:     “Governo não age para evitar a desindustrialização”, diz Ivo Rosset

Alem de olhar para fora é preciso olhar para o que setor tem deixado de fazer internamente, na área de capacitação de suas equipes, de pesquisa e desenvolvimento. O que adianta comprar produtos no varejo internacional (fabricado pelo Asiático) simplesmente copiá-los e achar que esta fazendo P&D?

  • Quanto nossa industria investe nestes itens, não esta na hora de se fazer pesquisa a respeito?
  • Quem sabe teríamos um Raio-X melhor do que esta acontecendo...  
  • Se desejar considerar mais a respeito veja os links abaixo.

  • Qual será o futuro das empresas, que se mantêm à margem de tais boas praticas?
  • Quais serão os índices de rotatividade de seus colaboradores?
  • Qual o grau de retenção de seus talentos?
  • Por quanto tempo resistirão à concorrência ampliada pela profissionalização do mercado?

Capacitação da equipe, fator de sucesso nas franquias.

Nós merecemos viver…(4 ações bem simples, mas tremendamente eficazes)

O Mada de Desenvolvimento de Têxteis no Brasil: 90% da Industria baseia sua pesquisa no Varejo Internacional e acha que esta fazendo P&D eficiente, mas veja o que acontece. 


jonatan...presidente da ABITEX....veja bem vc !!!! caramba!!!!! toma jeito!!!! deixe de ser desprezivel!!!!!!!!!!!!!:

"" e critica que muitas das plantas industriais parecem ter parado na década de 1950. E dispara: “o Brasil compra máquinas usadas da China""""  por favor pare de dizer asneiras!!!!se queres dar ibope tem outras formas!!!! talvez um ou outro caso isolado, trouxeram maquinas antigas...mas NAO DE 1950!!!! NEM NA MINHA EPOCA DE ESCOLA EU VI MAQUINARIO DESTA IDADE!!!!!

A) A IMPORTAÇÃO DE MAQUINARIO DA CHINA REALEMNTE ESTA CRECENDO, POREM MAQUINAS NOVAS, VISTO QUE OS PREÇOS SÃO MAIS COMPETITIVOS  QUE MAQUINAS EUROPEIAS!!!

b) maquinas brasileriras, exceto a Longo e algumas poucas que produzem equipamentos para tinturaria, e o ultimo lançamento de passadores e cardas para fibra curta, nao existe mais nada!!!!

c) a maior parte do equipamento textil jque era fabricado na europa, á esta sendo produzido na china, inclusive teares Dornier e retorcedeiras da alemanha ( SAURER )  entre outras maquinas de fiação.

d) vc sabe a diferença de 1 tear novo e um tear com 5 anos???/NENHUMA !!!!! ambos produzem com a mesma velicidade!!!!! a diferença é que um é usqado e outro novo!!!!

e) sabe qto custa um tear de ano 2008 DORNIER  com Jacquard???? na faixa de 75.000,00 euro fob !!!! e sabe qto custa o mesmo tear, com a mesma velocidade, e praticamente sem avanço tecnologico dos componentes, incluso todos os ascessorios e maquineta???? na faixa de 140.000,00 euro fob!!!!!

lhe pergunto Jonatan, qual investimento vc faria??? 2 usados ou 1 novo??? que vai levar o dobro do tempo para depreciar pois irá a principio produzir a metade!!!! Caramba!!!

f) e sabes qto custa uma vamatex es 1998 ???? 10.000,00 euro!!!! e um novo similar a este na faixa de 45.000,00 euro ""peladão"' !!!!!portanto nao insistas em falar mais asneiras!!!!

 

g) sabes qto custa um OE novo ???? 600.000,00 !!!! e um com 10 anos de uso....custa em torno de 30.000,00 euro fob!!!!!!

 

h) portanto qto mais maquinas antigas, maior o volume de mao de obra...e nao sao tao antigas assim!!!! 10 anios !!!!!

 

e sabe qro custa um fio Ne 30/1cardado  nacional  de 100%  co no mercado interno??? em torno de R$ 9,00 ou seja 4 usd!!! contra um fio compactado penteado de Ne 30 na faixa  de 4,2 usd ja nacionalizado!!!!!!

 

a diferença :

 

a) a china custeia a exportação e paga 12% para cada cnt exportado, com um imposto de 20%  e custo trabalhista de 21%

b) contra Brasil com uma carga tributaria em torno de 40% + 13º + ferias+ 33% sobre ferias +cesta basica+outros .....

 

jonatan, por favor pare de reafirmar estas boçalidades pois vc é um grande picareta e com telhado de vidro!!!

 

a finalidade social da empresa é gerar empregos e produzir riquezas!!!! PIB  !!!! por isto trabalhamos arduamente....enquanto que vc apenas colhe frutos de seus parceiros importadores, os quais nao geram riquezas para o pais!!!!!

aprenda a diferenciar e conceituar adequadamente:

 

a) fazer negocios comprando e revendendo ( que nao gera PIB )

b) produzir, gerando cadeia de empregos , e vender!!!!! ( gerando PIB )

 

novamente vos digo : deixe de ser idiota e mediocre....e aprenda tb que a variação do dolar está ligado a fatores externos !!!!

qualquer um que conversar com um europeu vai ouvir o seguinte:

 

o Brasil está passando pelo que a Europa passou.....o governo nada fará!!!!!! e salve-se quem puder!!!! .............

 

ou seja vai continuar a quebradeira de industrias nacionais,  empobrecendo a cada dia a população brasileira...etc..etc...e continuar a dar empregos para os asiaticos!!!!!

 

jonatan, vc nao tem noçao de qto nocivo é ao Brasil esta situação...é comom um fumante.....se mata aos poucos...e num determinado dia inesperadamente aparece as consequencias!!!!!

 

deixe de ser tao ignorante !!!!

 

adalberto

ps.: vc ja tem meus dados que lhe enviei por e-mail......tome as devidas providencias!!!!

adalberto

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço