Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Julio Bittencourt/Valor / Julio Bittencourt/Valor

Fábio Hering, presidente da Hering, subestimou a recuperação do consumo no quarto trimestre: "Não conseguimos atender a demanda de algumas lojas a tempo"

As ações da Hering tiveram ontem seu pior pregão desde junho de 2009, após a decepção do mercado com os números estimados pela companhia para o quarto trimestre. Os papéis da companhia caíram 11,9%, para R$ 38,35, na pior performance do Ibovespa. Com o tombo, o valor de mercado da varejista têxtil retomou os patamares de julho do ano passado, em R$ 6,12 bilhões.

Na noite de quarta-feira a Hering informou que no quarto trimestre teve queda de 0,2% nas vendas das lojas abertas há mais de um ano, muito abaixo do consenso de mercado, que apontava para um crescimento entre 4% e 5%.

Segundo o presidente Fábio Hering, houve problemas na cadeia interna e externa de suprimentos e havia demanda por parte do consumidor. Na prática, ocorreu "desestocagem" na rede.

A venda da matriz para as lojas dos franqueados ocorreu num ritmo menor do que as vendas das lojas para o consumidor, reflexo do fato de a Hering ter subestimado a recuperação do consumo. "Não conseguimos atender a demanda de algumas lojas a tempo", disse o empresário.

Os esforços de última hora da companhia para não perder vendas resultaram em aumento dos gastos com frete e horas extras, o que deve ter impacto nas margens do quarto trimestre, disse Frederico Oldani, diretor financeiro da Hering.

Não foi a primeira vez que problemas operacionais prejudicaram o resultado da Hering. Em 2012, a empresa teve resultados fracos acompanhados de justificativas como desacerto na coleção e obstáculos logísticos, com a transferência para um novo centro de distribuição.

O Credit Suisse classificou 2012 como um "ano perdido" para a Hering. Segundo analistas do banco, há quatro trimestres a Hering mostra um desempenho bem mais fraco que suas concorrentes Marisa e Lojas Renner, cujas vendas "mesmas lojas" devem ter registrado crescimento de dois dígitos no fim do ano, segundo indicações da diretoria.

Goldman Sachs e Deutsche Bank classificaram a queda nas vendas mesmas lojas da Hering como "desapontadoras". O desempenho fraco levou o Goldman a reduzir em 2%, na média, sua estimativa de ganho por ação da companhia entre 2012 e 2014. A nova previsão incorpora os números da prévia operacional divulgada ontem, o plano de abertura de lojas e novo cenário macroeconômico. A Selic mais baixa se traduz em menores ganhos nas linhas financeiras da empresa, disseram os analistas do banco em relatório.

As vendas brutas totais cresceram 10,7%, também abaixo das expectativas do mercado. O indicador, no entanto, apresentou melhora em relação ao terceiro trimestre, quando a alta foi de apenas 1%, sinalizando que a estratégia de abrir novas lojas tem garantido o faturamento da companhia, apontou o Itaú BBA.

Para o banco, a abertura de novas unidades deve sustentar o crescimento da Hering no médio prazo. Um novo estudo de potencial de abertura de lojas, divulgado pela companhia, identificou espaço para 796 unidades, contra as 604 previstas anteriormente. Em 2013, a companhia pretende abrir 77 lojas, alcançando 592 unidades.

"O estudo do potencial de novas lojas reforça a nossa convicção de que o ciclo dos formatos baseados em franquias é duradouro e que as melhoras serão observadas de maneira lenta ao longo do ano", disse o Itaú BBA.

.
.
.
.

Exibições: 1450

Responder esta

Respostas a este tópico

O Fabio tem feito um trabalho herculeo e seu desepenho coorporativo no passado foi bom e a Hering eh firma padrao, grupo ate cobicado por gente GRANDE. Ao ponto com DUAS PERGUNTAS: Fabio:. Nao seria essa situacao criada por uma dependencia maior em importados, agora que as importacoes estao se tornando mais problematicas? Nao seria interessante considerar o setor do aparell /  roupas / fashion comecar e ser voltado para a sua eficiente (e linda) Blumenau e soh com pontos de distrubuicao em posicao estrategicas? De algum modo nao visualizo uma Hering competente muito fora da terra e da mentalidade da gente do Velho Hermann

Blumenau.

Parece que o Herculeo de Blumenau não é o suficiente.
A grande lição é:

A china é grande e nós pequenos, sob todos os aspectos.

Eh mesmo lamp: Nem o "Herculeo Blu", nem o Brasil, nem a Europa, nem os EUA podem conter a invasao dos importados baratos. No JOGO DELES PERDEREMOS NA CERTA. Temos que mudar de estrategia no tabuleiro de xadres, mais ninguen sabe ainda o que fazer. A caixa de Pandora foi aberta, o Genio escapuliu da garrafa, mas algo temos que fazer. Entregar o Brasil a China nao eh uma opcao. Obrigado,

 

Caro Sam que não é o tio, o que dói é que no caso da Heringeta, os cara tem demanda, mas não tem produção.

Os cara tão com a faca e o queijo na mão e não querem cortar.

Aí o cara me diz: "De algum modo nao visualizo uma Hering competente muito fora da terra"

nos ferramos pois dependemos de mentalidades tacanhas!

Este é o problema do Brasil, é dificil achar gente que saiba driblar o concorrente (China) e as exigencias e cargas impostas pelo peso Brasil

É o caso da Natura e OGX, é o caso da Hering e é o caso de todos nós.

A Hering, Natura, OGX e outras são a mostra ainda viva de que o problema não são os olhos puxados de além mar, mas sim a fome insaciavel do nosso sócio burrocrático e impostor (quem aplica os impostos por imposição)

Lamp: Sobre isso ja escrivi tanto e tanto que nao quero lhe torturar com mais fala.

O proplema BRASIL e (A) GOVERNABILIDADE e (B) CORRUPCAO.

Somos tacanho e mansos. Tambem satisfeitos com migalhas.

SdM

PS e BESTEIROL: Seu nome me lembra quando as criancas estavam muito excitadas e a Mutti dizia que estavamos com LAMPFEVER

Qualquer situação, seja boa ou ruim, não dura para sempre, inclusive na economia. A China tem custos mais baixos não só devido à menor carga tributária. Nas planilhas de custos das empresas têxteis chinesas, muito provavelmente não são considerados custos ambientais, como tratamento de efluentes e reciclagem, além de direitos trabalhistas. E o meio ambiente na China não vai durar para sempre. Vai acabar muito rápido, pois não é preservado. O Brasil tem que estar preparado para produzir, pois, quando os custos ambientais entrarem na produçao chinesa, o produto importado se tornará mais caro que o brasileiro.

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço