Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

Volume engloba de fios e tecidos a tapetes, mas, foram os itens de vestuário que mais agravaram o resultado negativo da balança comercial do setor.

As importações da área têxtil e de vestuário no Brasil cresceram 2,8%, em 2013, em relação ao ano anterior. Dessa forma, o volume consolidado do ano atinge US$ 6,79 bilhões (preço FOB, sem impostos) e inclui compras nas áreas de fios, fibras e filamentos; tecidos (sintéticos, de algodão, malha, lã e seda); não-tecidos; tapetes, revestimentos têxteis de decoração e tapeçaria; outros têxteis confeccionados; e vestuário. Ao contrário, as exportações totais desses produtos caíram 30% sobre 2012, registrando vendas de US$ 2,36 bilhões (preço FOB), que resultaram em saldo negativo na balança setorial de US$ 4,43 bilhões.

Os itens de vestuário foram os que mais pressionaram com aumento de 9,12%, sendo que as compras de produtos de malha tiveram o maior crescimento da categoria (13,02%), de acordo com o monitoramento realizado regularmente pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento. Os desembarques do segmento somam US$ 2,37 bilhões, representando 35% de tudo o que o Brasil importou no ano passado. A exportação desse segmento foi bem pequena, de US$ 149,76 milhões, e mesmo assim, registrou queda de 2,69% sobre 2012. Portanto, o déficit comercial foi de US$ 2,22 bilhões, que representa metade do saldo negativo da balança geral do setor.

Filamentos sintéticos ou artificiais e de fibras sintéticas ou artificiais, descontínuas, também formam outro importante bloco de pressão sobre a balança comercial brasileira nessa área. As importações desses produtos corresponderam a US$ 2,45 bilhões, em 2013. Mas, enquanto as compras de filamentos importados subiram 4,06%, a de fibras caiu 1,83%. Das 14 categorias de produtos monitoradas pela Secex, metade reduziu o volume importado e a outra metade, expandiu.

Em exportação, oito reduziram as vendas. Em compensação, aumentaram as exportações fibras sintéticas ou artificiais, descontínuas (quase 30%); lã, pelos, fios e tecidos de crina (quase 20%); e seda (em torno de 16%). Tomada isoladamente a categoria que reúne vestuário e seus acessórios, exceto de malha, exportou mais 5,11%, em 2013.

O aumento do consumo registrado na área têxtil e de vestuário foi sustentado basicamente pelas importações, uma vez que o nível da produção industrial têxtil e de confecção caiu em torno de 2% em 2013, como revela pesquisa realizada mensalmente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Segundo os indicadores do instituto, o varejo de vestuário e têxtil concluiu o ano apresentando alta de 3,5%, em volume de vendas.

http://www.gbljeans.com.br/noticias_view.php?cod_noticia=5125

Jussara Maturo -

Exibições: 471

Responder esta

Respostas a este tópico

Ao contrário, as exportações totais desses produtos caíram 30% sobre 2012, registrando vendas de US$ 2,36 bilhões (preço FOB), que resultaram em saldo negativo na balança setorial de US$ 4,43 bilhões.

a mediocridade deste governo, não consegue enxergar a cadeia produtiva que estamos perdendo!!! a quantidade de empregos que não são gerados ( já foram perdidos ) por conta desta berrante importação, totalmente sem critérios,  teríamos um recolhimento de INSS, IRRF,IRPJ, ICMS, PIS, COFINS e o raio que o parta...., muito maior que nos impostos recolhidos antecipadamente  na importação.....governo burro = povo medíocre!!

enquanto isto, a Asia está se divertindo, pois estamos criando a cada dia centenas de milhares de empregos, enquanto que o trabalhador brasileiro vai se ferrando a cada dia!!!

adalberto

Sábio Renato Russo, que já previa....


Nas favelas, no senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

No Amazonas, no Araguaia, na Baixada fluminense
No Mato grosso, Minas Gerais e no Nordeste tudo em paz
Na morte eu descanso mas o sangue anda solto
Manchando os papéis, documentos fiéis
Ao descanso do patrão

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

Terceiro Mundo se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos índios num leilão.

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
................
Infelizmente perdemos o time do crescimento global, ficamos na mão.
O setor têxtil foi trocado por migalhas que não vejo que pelas mãos de algum mártir que venha surgir, salvação com o que já se desmoronou, somos as migalhas e temos que nos reinventar a cada instante para não deixar de existir.
Não temos representatividade e respeito perante ao nosso governo, somos muito menores que o menino Neymar, acredite que uma empresa de 50, 60,.....100 anos, carregando consigo muitas batalhas, lutas, planos de governo, moedas, história, vidas...., seja tão menosprezada a tal ponto.
Em junho teremos o fechamento de toda a mascara que será vivida pela nação brasileira, e quando baixarem a poeira ou sujeira, poderão ver nossa realidade made in China.
Mas vamos la amigos, trabalhando, trabalhando,.....desculpe minha indignação, que Deus tenha misericórdia de nós e do nosso setor. Só acredito Nele!

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço