Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Caros,

Em meus contatos com empresas tenho percebido um clima muito pesado de apreensão pela possibilidade de uma reeleição da Presidente.

A avaliação é que a falta de confiança no governo vai ser um fator determinante em uma possível redução dos negócios.

Existe o receio e a avaliação é que certamente haverá redução de demanda, consequentemente redução da produção e desemprego eminente.

Como em nossa indústria Têxtil, quando há tsunami está na crista da onda, quando há furacão está no olho e mesmo uma simples marolinha nos afoga, temos que colocar nossas ”barbas de molho”, se é que ainda existe algum molho.

Gostaríamos de conhecer o pensamento, as perspectivas e esperanças de nossos colegas.

Sintam-se a vontade para me contradizer, gostaria muito de está enganado.

Exibições: 4173

Responder esta

Respostas a este tópico

Aecio Neves da Cunha o próximo presidente do Brasil.. 45

A Dilma ja teve a oportunidade de mostrar o seu desempenho., e me decepcionou,agora vou passar esta oportunidade pro Aécio.,nao quero ver o meu país ser transformado numa cuba ou numa venezuela etc.

A atual Presidente, além de não ter conseguido fazer nada de positivo pela indústria nacional e demais setores produtivos, está afundada em denuncias de escândalos jamais vistos nesse nosso amado Pais. FORA DILMA E LEVA O pt JUNTO.

Infelizmente não há como lhe contradizer, tudo é muito evidente. Dilma no poder,ou seja Lula, só levará ao comunismo de maneira sutil daqui em diante, e evidentemente a industria não é o foco deste sistema. Depende de unirmos e tentar dentro de nossas industrias, fazer a nossa parte junto aos nossos colaboradores, mostrando-os o lado verdadeiro do PT e desmancharmos a ficção que o mesmo mostra. 

De qualquer forma, para passar por este momento tão delicado, temos que nos desdobrar para encontrarmos maneiras, usar de nossa criatividade  e trocar algumas estratégias à fim de sobreviver neste mercado.........

45, vamos lá .................

Bom dia, Trabalho na região metropolitana de Recife onde as industrias têxteis quase que todas fecharam sobrando muito poucas, sou de Natal RN onde tambem enfrenta uma crise a coteminas uma das grandes empresas do mercado fechou sua unidade, so restando a Vicunha têxtil, Santana Textil, Guararapes Confecções e Coats correntes, Nesse ano todas essas empresas reduziram a Mão de Obra, na empresa onde me encontro os investimentos seguraram os investimentos até o proximo ano tendo cautela principalmente com os resultado das eleições presidenciais e reduziram o quadro de mão de obra, as medidas economicas tomadas pelo ministro não ajudaram a industria em nada, a Presidente so diz que a culpa é da crise mundial, enquanto outros paises crescem sempre mais que o Brasil, Faz cinco meses seguidos que o emprego na industria cai. Caso esse governo vigente continue nos proximos 4 anos temo realmente sobre o mercado têxtil desse pais.

Prezados, torço e irei votar em Aécio já que, além do raciocínio correto acima, completo dizendo que foi no período do governo do PT e acentuado no governo da Dilma, que as importações de produtos na área textil (finalizados ou não) bem como a exportação de mão de obra e de produção para a China. Soma-se a isso a pífio desempenho de nossa economia e a queda gradativa de todos os indices de crescimento. O que a Dilma vem fazendo é sucateando a indústria textil brasileira!

Atendendo à convocação do colega Antonio Carlos Azevedo, manifesto meu pensamento: Sem dúvida os ânimos estão acirrados nesta reta final de campanha marcada por tragédias, mentiras e especulações. Até compreensível por que nosso país ainda está aprendendo a conviver com a democracia.

Eu gosto de me lembrar dos sábios conselhos do meu falecido pai: sobre o que não temos controle só nos cabe enfrentar, exemplo: clima; se chove saímos para o trabalho com capa e guarda chuva se faz frio, vestimos um casado, se faz calor usamos uma roupa leve e deixamos o último botão da camisa aberto. Política: se um partido assume o poder trabalhamos. Se outro de oposição assume trabalhamos. 

Sob qualquer circunstância temos que enfrentar o trabalho; e não o clima ou a política.

No dia 27 de outubro de 2014 espero que seja o dia dos brasileiros. Não importa quem seja o vencedor, vamos trabalhar, apoiar quem venceu e viver em paz.

Não é uma final de Brasil e Argentina ou Flamengo e Vasco ou Corinthians e Palmeiras. Mantenhamos longe o espirito de guerra. E dentro de quatro anos vamos para uma nova partida.

O importante é evitar que a torcida de hoje se torne brigas sem fim no dia 27 de outubro!

Quanto a nossa indústria têxtil... só pela misericórdia de Deus!

 

Estou  discrente pois já tivemos um vice presidente grande empresário têxtil, dois candidatos ao senado de indústria têxtil em Minas e São Paulo mas nehum procurou os profissionais ligados as indústrias do segmento têxtil( Fiação, tecelagem, malharia, confecção, moda , acabamentos têxteis,e outras mais), será que não temos força senhores empresários têxteis?

Ney Róblis - TT. 1974

- então, teve em algum debate dessas duas figuras falando a respeito da situação que se encontra a   industria têxtil no brasil.

Ney, o problema é que o Sr. José Alencar usou a política para tirar a Coteminas de MG/Brasil e levar para a China. E o pior, colocar cerca de 5 mil empregos diretos e indiretos na rua!!! Hoje vejo a cadeia produtiva textil brasileira precisando de novo comando, de uma ABIT mais forte e que dê pressão no governo, mas não, muitos usam a ABIT para ganhos politicos também!

Ney Róblis Versiani Costa disse:

Estou  discrente pois já tivemos um vice presidente grande empresário têxtil, dois candidatos ao senado de indústria têxtil em Minas e São Paulo mas nehum procurou os profissionais ligados as indústrias do segmento têxtil( Fiação, tecelagem, malharia, confecção, moda , acabamentos têxteis,e outras mais), será que não temos força senhores empresários têxteis?

Ney Róblis - TT. 1974

Ferreira, não, mas o foco tem sido na economia de forma geral. O candidato Aécio tem em seu plano de governo a proposta de mplantar o IVA e fazer uma politica voltada para a exportação, deste modo, para equilibrar a balança comercial obrigatoriamente tem que coibir as importações que degeneram a nossa produção e impacta negativamente em nossos empregos!

Ferreira disse:

- então, teve em algum debate dessas duas figuras falando a respeito da situação que se encontra a   industria têxtil no brasil.

Antonio Carlos, Que bela discussão nos colocaste. Eliseu, que sabedoria a de seu pai. O que tenho visto entre meus clientes é isto. Trabalho. Quem continua trabalhando com afinco, está no mercado e não apenas SOBREVIVENDO. Quem fica a espera dos acontecimentos está regredindo, como algumas das grandes e multi citadas no comentário do George. As pequenas, infelizmente sucumbem pela falta de gestão. Como estaria a moda brasileira (tida com alto grau de importância mundial) não fossem as importações de tecidos? Quando um estilista via um tecido diferente em Milão, comprava a peça e fazia peregrinação entre os fabricantes nacionais que impunham como mínimo, a partida de fio que teriam de comprar e pediam um prazo absurdo para entregar o lote, não um piloto. Agora, estamos frente a outro dilema. Nossa indústria de confecção tem no máximo 20 anos de sobrevida, até que a última costureira se aposente, pois a partir daí nossas roupas serão injetadas, prensadas, ou outras formas a pesquisar para montá-las. Costureiras não se atraem mais pelo salário ofertado. Isto é responsabilidade do Presidente da República? Alguns dirão, mas se a competitividade já torna difícil a manutenção de uma empresa, se os salários aumentarem aí sim, a roupa importada tomará conta. Duas coisas já ocorrem: 1- O custo da mão de obra de costura já é alto, mas o valor não vai para as costureiras. Não, não são aos encargos que me refiro. A diferença está indo para o LIXO, pela falta de produtividade. Uma costureira que recebe R$ 950,00 na carteira e rende 55% de produtividade, está na verdade custando mais de R$ 1.700,00. Uma facção que recebe R$ 0,45 por minuto equivale a uma costureira interna que receba R$ 2.000,00. O presidente da República vai consertar isto? 2 - Entre meus clientes, há vários empresários que já enxergaram o acima exposto e foram além, criaram estratégias de produto com alto grau de dificuldade para os importados os alcançarem, elevando o valor percebido e obtendo margens compensadoras. Suas costureiras, têm salários registrado de R$ 1.200,00 e mais outros benefícios. A meta deles agora é baixar a faixa etária média, num patamar inferior a 30 anos. Nenhum presidente vai prejudicá-los, por mais que tente.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço