Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

A industria têxtil brasileira trouxe para a Organização Internacional do Trabalho (OIT) um debate que considera 'crucial' para a sobrevivência de seus produtores, propondo sobretaxa temporária contra concorrência desleal no mercado do setor. O alvo dessa vez é não apenas a China e outros produtores asiáticos, mas também a concorrência africana, cada vez mais organizada com capitais internacionais, sobretudo chineses.

"O jeito é impor penalidades temporárias para quem pratica dumping social, trabalhista, ambiental e previdenciário", diz o presidente da Associação Brasileira da Industria Têxtil (Abit), Fernando Pimentel, que participa da conferência internacional do trabalho.

"Os produtos são globais, os modos de produção terão de ser cada vez mais globais", diz o executivo. "Estamos disputando mercados num cenário em que não há equilíbrio competitivo entre os marcos regulatórios de custo de produção. A OIT e a Organização Mundial do Comércio (OMC) precisam discutir isso."

Para Pimentel, as projeções para o setor de têxtil e confecções no Brasil, que faturou US$ 56 bilhões em 2012, justificam maior reação por parte do Brasil na cena internacional. Segundo a Abit, os importados têm 30% do consumo nacional na área de matérias-primas (fios, tecidos, filamentos).

Na área de confecção está o maior risco, com o produto importado tendo multiplicado por cinco sua participação no consumo nacional aparente, atingindo 15% do mercado. Nos grandes varejistas, o percentual chega a 35%. "Se nada for feito, chegaremos em 2025 com apenas 40% a 45% do mercado de confecções', diz Pimentel.

Além da ação na cena internacional, a industria têxtil vai propor ao próximo governo a criação de um regime tributário competitivo para a confecção, com o objetivo de reduzir a carga tributaria, auxiliar na formalização e induzir na consolidação do segmento.

Isso é considerado ainda mais necessário porque tudo indica que a industria nacional ficará só com metade do mercado de confecção. Para a Abit, o regime especial para confecções ajudaria a criar grandes grupos para atender ao mercado nacional e ser plataforma exportadora.

Segundo o presidente da Abit, a produção brasileira de têxteis e confecções foi mais fraca no segundo trimestre, depois de boas vendas entre janeiro e março. Segundo Pimentel, às vésperas do início da Copa o índice de confiança do consumidor piorou, assim como está também ruim o indicador entre os empresários.

No primeiro trimestre, o segmento de confecções conseguiu aumento de vendas de cerca de 4%, enquanto o de têxteis caiu 4%. Já em abril e maio, as vendas de confecções caíram e anularam o ganho do começo do ano. Em junho, as encomendas tambem já diminuíram, ou estão estagnadas.

No caso de têxteis, diz Pimentel, as vendas caíram tanto por causa da dura concorrência dos importados como também pelo custo da energia. O presidente da Abit conta que algumas empresas preferiram ofertar sua energia no mercado e reduzir um pouco produção, porque ganham assim mais que produzindo. "A produção não está dando nenhum lucro espetacular, pelo contrário", disse. Segundo o executivo, no custo de transformação, excluindo matéria-prima, a energia chega a representar 28%.


© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/brasil/3579360/setor-textil-quer-sobretaxa-...

Exibições: 887

Responder esta

Respostas a este tópico

a) importados têm 30% do consumo nacional na área de matérias-primas (fios, tecidos, filamentos).

tudo se torna matéria prima conforme fase de produção!!qdo se fala de fios ainda temos o restante da cadeia produtiva, entretanto qdo se fala de tecido, somente resta confecção, que aliás é a preocupação da ABIT. Nao se importam com os processos anteriores, os quais exigem grande nº de mão de obra!!! se importar confecção, mata literalmente toda a cadeia produtiva têxtil!!

b) Na área de confecção está o maior risco, com o produto importado tendo multiplicado por cinco sua participação no consumo nacional aparente, atingindo 15% do mercado. Nos grandes varejistas, o percentual chega a 35%. 

Pimentel será que vc teria nºs reais???em cada momento se houve números diferentes!!! qual é a nossa verdadeira realidade???a preocupação de ABIT é claramente ""somente"" confecção?????e o restante???!

c) Para a Abit, o regime especial para confecções ajudaria a criar grandes grupos para atender ao mercado nacional e ser plataforma exportadora

O custo para exportar ??? para onde??? se o exportador tem confecções mais baratas importando direto???por qual motivo irá importar de Brasil??? portanto nao tente criar ilusões em formar ""grandes grupos """  que seria o mesmo que tentar formar """cooperativas "" com empresas pequenas!!!!  não achas que o problema do Brasil, em todos os segmentos, não somente têxtil, tem outras causas e mais complexas????? por qual motivo fugir de altas tributações e apenas alguns setores a serem privilegiados???? esta não é a forma de resolver problemas isolados, na realidade tem que resolver na sua globalidade, todos estão cônscios da carga tributária, como tb da inexistência em  isonomia de custos!!! por qual motivo, ABIT e outros associações, sindicatos não se unem e parte para cima do governo literalmente???  vejo estas divergências  e brigas desde 1986, ou seja há  28 anos!!!!! vcs acham que o governo está interessado em fazer algo??? eles querem arrecadar tributos, e isto o fazem já contra liberação de importados, e depois qdo se comercializa internamente!!! o governo não abrirá mão disto, jamais!!!  Pimentel...vc  """está viajando na maionese""" independente, não sou contra suas intenções,  mas vejo falta de maturidade pois ainda está a esperar pelo próximo governo?????? não achas isto uma verdadeira heresia?????? pois entra governo e sai governo e a caca continua...os avanços não são significativos!!!!  vc tem ideia do que se importa  de tapetes para wc???que na china custa usd 0,30 até usd 0,60 ???de jogos de lençóis estampados e já embalados em nome do cliente ""fabricante"" ???desde 177 fios até 300 fios??? vc tem tb idéia do volume que se importa de toalhas de banho???

hoje em qualquer papelaria de garagem, vc encontra somente produtos chineses!!!e de boa qualidade e a preço de banana!!!!vc vá até a 25 de março e veja o domínio de quem é!!! vá no Brás e veja de quem é o domínio!!! vá na Florêncio de Abreu e constate de quem é o domínio!!! enfim vá em qualquer setor e veja que domina!!!

vamos agora falar de USA, que de toda a importação, em inúmeros segmentos, 40% vem da Ásia!!!Vietnan e Árica do Sul tem outro percentual que não conheço..Camboja...e inúmeros outros que vão surgindo vagarosamente!!!e sempre com custos definitivamente fora da realidade brasileira!!! 

bom, significa que ao longo destes anos nos tornamos dependentes da Ásia...não apenas o Brasil...mas o mundo...e tudo em função de custo em função apenas de carga tributaria fora da realidade, para sustentar vagabundos e corruptos  no governo!! e isto não é apenas aqui no Brasil...em outros tb!!! quase todos tem contato com a Itália, que paga um imposto final de 20% denominado IVA. porém existe o sistema compensatório...por exemplo : se vc adquire um produto por 100 euros e o vende por 150 euro, vc recolhe apenas a diferença, ou seja 20% de 50 euro.....e nada mais!!! e mesmo assim a Itália quebrou com produtos chineses!!!!nao foi somente em função da entrada no bloco de euro. somente para seu conhecimento, atualmente os chineses, paquistaneses,entre outros países,   compram uma empresa com"" porteira fechada"", envia seus funcionários para trabalharem...colocam em nome de laranja, e as fecham depois de um ano a um ano e meio....na realidade, somente mudam o laranja!!!Conseguiram quebrar o grande orgulho do artesanato italiano, o qual desenvolvia artigos de seda, tingiam e confeccionavam, onde se agregava um bom valor ( um pequeno povoado próximo a Como..não me lembro o nome!!: e sabe de que forma?? simples assim: entrara com alta produção  e preços ""de china""...Da mesma eles fazem isto com outros produtos/segmentos.

os chineses dominaram, e agora somos reféns deste poderio.  e não adianta pressionar, pois se eles pararem de comprar minério de ferro, ( que caiu de 1050 usd para usd 750 por tonelada aproximadamente) e outros commodities ( soja, carne entre outros ) simplesmente se quebra o país!! existe um pacto neste sentido, como tb com a exportação de carnes , sejam aves ou bovinas, ...basta falar que temos problema de febre aftosa....e quebra um monte de frigoríficos...constantemente vemos isto!!!e eles tem este e outros motivos para forçar está ""troca de importações x exportações""e ago-negócio somente dá lucro para os proprietários....

portanto mais uma vez, o problema é muito complexo, e torna-se necessário uma mobilização em todas as esferas ...e partir contra este desgoverno ou outro que vier!!! é necessário reestruturar  a base de comércio exterior, recriar empresas, e sobretudo limitar as importações  ...nao vejo outra forma de recuperação

adalberto 

19 99764 7960

parabéns João!!!!!!

Joao Carlos Loureiro disse:

A Abit esta querendo exportar o  modelo de custos do Brasil para o resto do mundo de forma a nos tornar competitivos....

É como alinhar todos por baixo...

Nao é uma má ideia......meia contra-mão mas ao menos faz sentido.....se o resto do mundo topar, vamos resolver nosso problema bem rapidinho...

O problema da ABIT é o mesmo a decadas....só olham para os problemas da classe e se esquecem de que estão integrados em um mercado globalizado....ACORDEM, VIAGEM e principalmente, SUPEREM O MEDO DE MUDAR porque MUDAR É (E SEMPRE FOI) NECESSARIO.

João Carlos

O setor busca alternativa para não sucumbir de vez...

As autoridades fazem vista grossa para o fato mais importante, praticamente um paradoxo.

Seria bom parar para pensar..

Estamos buscando que todo o processo de produção seja impecável , lutando contra o trabalho clandestino ou escravo, para que as condições dos trabalhadores sejam valorizadas.

...Mas, que tipo de produto importamos dos fornecedores "competitivos"?

...Produto fruto de trabalho escravo...bonitinho,  proveniente de trabalhadores que dormem em seus locais de trabalho, só tem um período de descanso ao ano...etc..etc...

Temos que ser competitivos em condições desleais?

Qual a lógica ?

JOAO CARLOS....veja que :

a) será que realmente somos improdutivos?? ou somos não competitivos??

b) tudo que a china faz, nós tb o fazemos

c) o chines nao é mais eficiente que o trabalhador brasileiro ou de outra nacionalidade qualquer

d) a diferença está que  o trabalhador chines,  trabalha 10,12, 15 horas e ponto final...e o salario é o mesmo!!!diferente do brasileiro ou outra nação, mais avançada,  em termos de respeito e valorização do trabalhador, e da carga trabalhista que se paga.

e) no Brasil,  tem excesso!!! e qualquer trabalhador, em um período de após 2 anos de dispensa ou pedir a conta, ele pode recorrer e entrar com ação trabalhista, mesmo que tenha recebido tudo de forma legal e homologado pelo sindicato. e qdo recorre utiliza de advogados sem a mínima moral/caráter  os quais se utilizam descaradamente de testemunhas e falsas alegações, e o juiz do trabalho, simplesmente dá ganho de causa ao ex funcionário  !!!!!  e isto está muito comum no Brasil!!! e está a aumentar a cada dia!!! veja nos fóruns trabalhistas o excesso de ações!!! e como funciona o esquema , que é pura bandidagem!!! 

portanto a importação é inimiga e muito maléfica para o Brasil!!!   se não o fosse, seguramente não estaríamos nesta situação de sucateamento de empresas......

e) portanto qualquer pais que independente de  condições de mão de obra mais barata , seus produtos tem um preço final menor...e isto não podemos denominar como sendo competitivos

f) não podemos ter 2 pesos e 2 medidas e dizer que estamos em pé de igualdade

g) lembre-se tb, que se não existe isonomia de economia, portanto é óbvio que alguém sai perdendo...

h) as importações continuarão cada vez mais forte, até que se extingue todas ou quase todas  as empresas no Brasil, e ficamos à mercê de qualquer exportador que ofereça preços mais baixos....Àfrica, Vietnam, Camboja..etc...etc...

o que falta na realidade, é este desgoverno atuar e colocar limites....ao invés de até financiar a juros baixíssimos  importações!!! da mesma forma que barrar ou limitar  inicialmente, oferecer condições e estímulos para uma re-industrialização....somente assim um pais vai para a frente!!!

abç/adalberto

19 99764 7960

Joao Carlos

a) eu nao conheço a china, mas tomo como base, um amigo que mora na china, e trabalha como trade...capta as necessidades do Brasil...procura, vende ae garante a qualidade e entregas.com isto ganha$$$ !!!portanto tenho informações atualizadas de como funciona o mercado chines, e como é a movimentação de trabalho...inclusive ""greves"" nao são permitidas, e a policia desce a pancadaria!!! um grande número vem de cidades de interior, largando a agricultura em busca de melhores salários, e retornam 1 x ano ( fevereiro ) que é a maior emigração do mundo!!!mas tb nao vem ao caso.

b) realmente tb não interessa a situação da china com relação a mão de obra...mas são condições extremamente inferiores, onde o trabalhador nao é respeitado!!! sao condiçoes totalmente diferentes do Brasil...onde os direitos são excessivos e as obrigações praticamente inexistentes  .....mas a china possui custo mais baixos!!!

c) da mesma forma tb não interessa os USA, visto que em função  de qualificação , o pessoal estuda e vao para empregos melhores. m o Japão, temos engºs , e outros com formação universitária, trabalhando inclusive de garí !!! e isto eu tive oportunidade de conhecer aqui no Brasil !!!mas tb nao vem ao caso.

d) com relação a mão de obra...concordo com vc, visto que não existe uma remuneração alta, e todos acabam estudando mais e portanto requerendo um salario maior, por isto que dizemos que a industria têxtil é voltada para países de 3º mundo.

antigamente todos gostavam de trabalhar em ind textil, onde a qualidade do profissional era uma exigencia grande,....mas com o avanço da tecnologia, praticamente  necessita  de ""apertadores de botão"", mas ainda necessitamos.

e) podemos portanto afirmar seguramente, que o nosso problema tb é resultado de tecnologia, entretanto de importadores inescrupulosos que apenas visam o momento certo para ganhar $$, MESMO FECHANDO EMPRESAS , pois para eles é apenas o ganho de $$$ imediato e não a função social de gerar empregos, etc..etc...sem pensar no futuro. E por trás temos um desgoverno   que nao medem esforços para ganhar tributos de imediato.

f) bancos deveriam ser proibidos de financiar importações, exceto equipamentos para que pudéssemos produzir aqui no Brasil

g) Em tempo, se voce considera a confecção brasileira eficiente, creio que voce deva estar se referindo a caso especifico e fora da curva. A realidade da confecção brasileira é outra....ineficiente na metodologia de produção, na qualificação de mão-de-obra e completamente desatualizada na tecnologia de produto, com raras exceções

eu não conheço confecções, portanto sou suspeito em declinar algo,mas em visitas a diversas, inclusive em Santa Catariana, pude ver muita organização ... agora se são ou não produtivas ...????

pude ver tb tecnologia, máquinas com 5 até 10 anos.......metodologia...tb nao conheço...mas reafirmo que o problema nao é este...acredito que temos e produzimos igual a china, com metodologia e tecnologia...sendo que o único problema é o custo!! CUSTO BRASIL X CUSTO CHINA!!! SAO ECONOMIAS DIFERENTES !!!

Portanto jamais podemos concorrer!!! e a única forma é frear  exportações, jjá que o governo nunca vai  tirar a carga tributária!!!

 

Estou a 45 anos no ramo, já convivi com várias situações de mercado, já fomos exportadores com parque fabril nacional sucateado e mão de obra ineficiente em um cenário muito pior que agora que vivemos. Mas tínhamos emprego e exportávamos época que protegíamos nossas industrias nacional e trabalhadores do ramo.Depois que abrimos as nossas portas para mercado global, textil e confecção com cambio desfavorável e os custos, impostos, encargos trabalhistas etc...onde o empregado tem mais direitos que deveres vai ser impossível competir com quem quer que seja, chineses, africanos , peruanos e etc...
Cada um sente a dor onde onde seu sapato aperta e defende sua posição e ponto de vista. Já vi agentes de comércio exterior muito competentes exportando nossos produtos e gerando divisas para nossas industrias e país, e vi esses mesmos agentes comercias quando o mercado muda como agora indo para Ásia e importando produtos para nosso país via empresas importadoras ou as próprias empresas nacionais que trazem produtos de fora com sua própria etiqueta com custo bem abaixo do que seria produzido aqui em suas próprias empresas em nosso país. Enfim quem pode joga nas duas pontas, exportando em um momento de mercado e importando em outro momento, e quem não pode e não tem essa competência sai de cena e fechas as suas portas e entrega a Deus e ao Governo brasileiro.

Joao Carlos

Joao Carlos, não vamos entrar em um acordo!!!rs... Para mim, conhecer superficialmente por intermédio de reportagens ou mesmo por amigos, que moram na china, e um americano, que alias estão no Brasil pelo menos 2 a 3  x ao ano,( este americano morou 22 anos na china ...) onde se conversa e muito a respeito da economia de cada país...mas muitas vezes emitimos...entre outros comparativos......opiniões pessoais os quais podem distorcer de uma realidade.

""Alem disso, voce só aponta o lado negativo das Importações que é a suposta concorrência desleal dos "CHINESES" com os pobres e desprotegidos empresários brasileiros..""

 

Joao ,minha visão não é tão superficial como imagina!!! vejo as consequências  que vivemos ( nós pobres  e desprotegidos empresários brasileiros...)...estamos quebrando a cada dia que passa...e simplesmente por uma enxurrada importações que são nocivas ao brasil!! por incompetência do governo para regular estas importações....etc...etc....e por incompetência de nós, pequenos ou grandes industriais, em continuar a insistir a manter o mercado brasileiro, em gerar empregos e PIB , em gerar impostos, em gerar estabilidade social..etc...etc...realmente somos idiotas!!!

Faça o seguinte....faça uma pesquisa de mercado e pergunte ao consumidor BRASILEIRO se ele topa subsidiar a industria de confecções brasileiras ou se prefere pagar mais barato os produtos Feito na China....

A resposta esta clara nas curvas de vendas das grandes organizações....

Alias, voce reparou que um dos grandes beneficios das importações é o de baixar os preços de varejos e contribuir para o combate da inflação. Isso é muito bom para o Brasil.

João, façamos o seguinte : perguntar ao consumidor, se ele prefere pagar mais barato da china e gerar empregos para a china, ao invés de gerar empregos no Brasil e pagar mais ...e manter empregos no Brasil...inclusive o próprio emprego!!!

Joao não me venha por favor, com estas alegações, que os produtos da china é para  contribuir para o combate a inflação,e isso é muito bom para o Brasil........Caramba...fechamos portanto todo o parque fabril do Brasil, e vamos importar tudo!!! o que achas??? e quem vai comprar???  Joao, vc se coloca como um grande estudioso e conhecedor dos problemas, por favor, qual seria a solução??é tão fácil assim??? ou nos que somos muito burros?? e vc ,como um grande gênio,ainda acredito  acredito que aprendemos a mesma história no grupo escolar > um país somente se desenvolve qdo há implantações de indústrias...ou isto tb está errado???

caramba...vc trabalha para o governo???deixe de apoiar e lute tb, para que o Brasil possa melhorar...e diga não as importaçoes nocivas e destruidoras do njosso parque fabril...éramos felizes e nao sabíamos!! por qual motivo temos que ter o mesmo custo que china??? sabemos que isto é impossivel!!! e nao é por isto que vamos entregar de bandeja , simplesmente pelo fato deste merda de desgoverno querer tanto impostos!! veja que para importar, o governo simplesmente leva 70% do valor aduaneiro e depois mais 40% do que for vendido!!! quer motivo maior para o governo perder esta receita??/ 

adalberto

19 99764 7960

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço