Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Uma batalha perdida? - Balança comercial brasileira do setor têxtil e de confecção (2002 -2014)

Exibições: 1022

Responder esta

Respostas a este tópico

POQUE EXPORTAMOS CADA VEZ MENOS ???

INCOMPETENCIA E MÁ QUALIFICAÇÃO EM PRIMEIRO LUGAR.... E DEPOIS... PORQUE ESTAMOS PARANDO AS NOSSAS MAQUINAS E PRODUZINDO CADA VEZ MENOS...

Acredito que a maior parte do volume exportado seja de matéria prima "in natura".

O volume deve ser grande, mas o valor da venda é pequeno.

Produto manufaturado deve ser muito pouco!

Somos fornecedores de commodities. Nossa indústria está velha e sucateada!

O valor da importação na maioria, deve ser de produto manufaturado.

Não podemos esperar que o governo faça alguma coisa, pois é exatamente isso que ele quer, quanto mais dependente o povo for melhor para eles.

O que precisa ser feito é conscientizar o povo a não comprar produtos importados.

Conscientizar também aqueles 52% (aprox.30 Milhões) que votaram no PT, que eles estão ajudando a ferrar 170 Milhões de brasileiros, em troca de esmolas que recebem, trabalhar que é bom nem falar.      

Creio que a importação é um caminho sem volta. Vamos recuar um pouco nos próximos dois anos, não por melhoria interna, ao contrário, por queda no consumo interno.(Espero que esse recuo não seja argumento para mostrar alguma ação politica no setor).
Agora seria o momento de pensar em exportarmos, que é a única forma de compensar essa balança econômica. E aí sim o governo pode nos ajudar a compreender melhor os mercados externos e a forma de atende-los.Temos que explorar o apoio do MDIC, que possui condições de nos ajudar, e através de instituições de classe pensar num objetivo comum, e aí sim , utilizar os meios políticos que o setor tem. Creio que a área de fiação e tecelagem terão maiores problemas que a indústria de confecções, e um problema inicial será em pensar como a indústria de confecções sobreviverá com os tecidos nacionais nesse contexto.

Quando o setor automotivo e siderúrgico querem falar com o Governo, reúnem milhares de pessoas, fazem greve, gritam, esperneiam ... e em dias o Governo os ouve.

Quanto o setor têxtil quer falar com o Governo, reúnem 150 pessoas.

Dá para concluir por que o Governo não houve o pessoal do setor têxtil ?  Ou é preciso contratar um professor de Harvard para decifrar o enigma ...

PREZADO HERBERT,

AINDA TEMOS QUE CONSIDERAR QUA A CLASSE DOS EMPRESARIOS TEXTEIS NÃO EXISTE..... CADA QUERENDO "FURAR O ZÓIO" DO OUTRO, FINGINDO QUE SÃO TODOS COMPANHEIROS.... 

a realidade é apenas uma : CARGA TRIBUTARIA que somente existe no Brasil !!! somos bons no que fazemos ...e muito!!! nao temos um parque industrial tão antigo...mas temos juros as alturas...incentivos  praticamente zero e um governo sem vergonha !!!não existe isonomia de custos...ninguém consegue concorrer com a china!!!! e o nosso querido governo contínua a exportar commodities e importar produto acabado/manufaturado....o aço importado , bem como alumínio é mais barato que o nosso.....e feito com nossa matéria prima!!!!enfim continuamos como sempre na mesma!!!!  somente muda esta situação qdo tivermos um governo que se preocupa em gerar empregos de fato...em industrializar o país...não o que vem acontecendo desde 1986....!!28 anos e estamos cada vez pior!!! e não é apenas no têxtil!!!phlipps, walitta, arno...e uma cacetada de empresas se fundiram e hoje são apenas  importadores.....as cerâmicas faliram...sobrevive apenas as que importam porcelanato e outros a preço de banana!!! enfim...em todo segmento somos afrontados por um governo ineficiente e corrupto com apoio de pouco mais de 50% da população!!! enquanto isto...continuamos a permitir o sucateio de nossas empresas ....em benefício das estrangeiras!!!enquanto que o governo militar criou estrutura, a nossa ""liberdade"" cria, desenvolve e implanta a cada da o terrorismo deste caos que vivemos!!! 

adalberto

19 99764 7960

Nos comentarios, só vimos um TIPO DE DESABAFO - o governo.........Mas seriamente falando, nos da area textil, não que somos desarticulados, não temos um representante a altura, do nosso segmento. Um nome que dentro da cadeia TEXTIL, possa falar por todos. Sinditextil/Abit ,etc. não tem uma significação ou qualificação para ir em busca de resultados, não tem LOB no legislativo e menos ainda no executivo. ESTAMOS ACEFALOS de representação. A ANFAVEA, espirra, um monte de coisas acontecem, baixam as calças, desculpe, baixam os IPIS, dão prazos elasticos para tudo que querem. ESTAMOS NAS MÃOS DE D...NINGUEM, POIS DEUS NÃO TEM NADA A HAVER COM ISSO.



alfredo cardoso Neto disse:

Nos comentarios, só vimos um TIPO DE DESABAFO - o governo.........Mas seriamente falando, nos da area textil, não que somos desarticulados, não temos um representante a altura, do nosso segmento. Um nome que dentro da cadeia TEXTIL, possa falar por todos. Sinditextil/Abit ,etc. não tem uma significação ou qualificação para ir em busca de resultados, não tem LOB no legislativo e menos ainda no executivo. ESTAMOS ACEFALOS de representação. A ANFAVEA, espirra, um monte de coisas acontecem, baixam as calças, desculpe, baixam os IPIS, dão prazos elasticos para tudo que querem. ESTAMOS NAS MÃOS DE D...NINGUEM, POIS DEUS NÃO TEM NADA A HAVER COM ISSO.

caro Alfredo ...boa tarde!!!

concordo quase em tudo com vc...rs.rs...conheço o trabalho do SINDITEC....mas te asseguro que os problemas são grandes!!!!  fazem o que é possivel na realidade.....porém nao vejo outras entidades comprometidas da mesma forma que o SINDITEC .....na realidade ""pegam carona""  ...mas não poem a cara para bater!!!!, e disto falo de ABIT......entre outras ....veja que temos mais da metade do congresso "" que se dizem comprometidos"" ...assinaram a frente parlamentar textil...temos alguns senadores  e governadores....mas inegavel que trata-se apenas de cunho meramente politico!!! é claro para mim que o interesse é dar ""ibope""...aparecer na ""fita""....é propaganda enfim.....temos em nossa Americana  Caue Macris, temos Vanderlei macris , Sardelli........neste blog temos tb Zeca Dirceu .....filho do Ze Dirceu....já  conversei com ele pessoalmente via tel...na época que Dilma estava levando uma comitiva de industriais do Paraná, o objetivo de Zeca Dirceu era de ""vender moda para a china"""  !!!! caramba!!!! baita burrice!!! qdo os nossos políticos não entendem tecnicamente  vc já sabe o resultado!!!! somente sei que esta comitiva viajou para a china ...e muitos começaram a importar!!!!rs...rs..

 muito já foi feito...desde o inicio das importações desenfreadas na época de Collor ....veja no site do SINDITEC  e observe notícias  a respeito....

o que realmente falta, é saco roxo, para apelar e botar fogo em cnts!!!!!na minha opinião...somente utilizando-se  desta violência  é que poderá surgir algo!!!!! nao acredito de outra forma!!! veja que já tem algum tempo aqui neste blog....o Sr Schmit  ( nao se se é assm que se escreve) ele defendia com unhas e dentes que tecido era matéria prima ...nao se preocupava com a cadeia textil ....nao se preocupava  com os processos anteriores!!!por isto tem muitas fiaçoes deixando de produzir e simplesmente importando, inclusive fios de algodão!!! compram a pluma tb do Brasil...e vendem o fio mais barato que o produzido aqui!!! caramba...a RF sabe disto...o governo sabe disto...todos  sabem...mas não há interesse algum em barrar esta situaçao!! pos dependemos de vendas de comodites para a china!!! e o nosso governo, muito FDP ...faz vista grossa , vsto que a  china tem interesse neste mercado que gera alguns mlhares de empregos( ultrapassa 3 milhoes ...tenho um amgo morando na china que me diz que a cadeia textil é superior a 5 milhoes de trabalhadores!!!!!) veja a quantidade de empregos que são cortados aqui no Brasil!!!! em todas as cadeias produtivas!!!  veja tb que o minerio de ferro que exportamos caiu cerca de 35% , pois a china esta importando da Australia!!!rs...rs..frete mais barato e produto mas barato!!!rs..r.s...rs...entendo que é dificl equilibrar a balança , de forma a nao subtrair empregos...mas primeiramente sustentamos nossas famlias para depois ""ajudar"" os demais.....o nosso governo e a corja de politicos já fazem o contrario com o povo!!!

abç/adalberto

19 99764 7960

Bem, vou correr o risco de não ser politicamente correto, mas direi o que penso sobre nossa representatividade, já fui punido uma vez, então uma a mais outra a menos.... .. e não me arrependo, afinal ainda acredito que as mudanças sempre são feitas por idealistas e não por pragmáticos, e aqui começo:
Infelizmente somos um setor de pragmáticos. Valorizamos sempre o saber fazer e não a descoberta de como fazer melhor, ignoramos busca de conhecimentos e a pesquisa científica quer sejam de materiais , máquinas ou processos; investimos em máquinas e não em talentos...julgamos mais útil um técnico do que um pesquisador (sem retirar nenhum valor dos dois profissionais).
Quantos de nós no passado tínhamos nossos diplomas de engenharia ou de técnico valorizados? Quantos de nós fomos jogados na fábrica porque o que aprendíamos nos bancos escolares era diferente na prática? E o suor não era significava trabalho e produtividade? Quantos gerentes e proprietários do alto de sua arrogância julgavam-se certos pelos seus resultados, ampliações de negócios e esqueceram que estavam sentados sobre um mercado interno fechado? Quantos empresários achavam que poderiam manter um discurso de subordinação do poder público? Quantos disseram: Abertura de mercado? Isso passa , é mais uma onda, somos o segundo maior empregador, você acha que o governo não irá ser sensível a isso? Quantos empresários fizeram seus planos de negócios baseados no "jeito brasileiro de fazer negócios", "afinal, a gente tem que levar vantagem em tudo, certo?" . Lembrem-se do passado, ele sempre ajuda a explicar o presente.
Quantos de nós do alto de nossa arrogância, achamos que sempre estamos certos e os outros errados? Afinal, nós é que sabemos fazer.... vejam comecei com uma máquina e hoje tenho essa fábrica....e por ai vai...
Esses são comportamentos de visão estritamente pragmática.
Achamos no passado, que os jovens que saiam das universidades não sabiam de nada... esquecemos que a missão de alguns de nossos profissionais era de fazer o futuro, e não o de somente aumentar a produção e abaixar o custo....quantos profissionais foram perdidos? quantos não retivemos porque achamos que eles iram ganhar muito? (e na época, as empresas poderiam reter talentos, tinham margens para isso...)
E como todo pragmático, queríamos soluções rápidas... corremos àqueles em que residiam nossa esperança de manter tudo da mesma forma: corremos para os políticos... e instrumentalizamos nossas estruturas , preferimos o caminho mais fácil: nos politizamos, ao invés de se utilizar do poder político , fomos utilizados por ele. Como pode uma instituição setorial ter relações de "apadrinhamento" político? Afinal nosso setor possui a significância que pode ser utilizada na negociação de exigências e nunca deveria ser politizada, não tínhamos e nem temos a obrigação de troca de favores, isso é para políticos; temos e tínhamos empregos, faturamento, impostos, para serem colocados na balança das negociações, nunca as relações da meritocracia devem virar relações de interesses políticos; e no meio empresarial se não se faturar, não se paga contas; diferente da vida em um congresso; e empresários viraram políticos; a partir daí, a visão política no Brasil é de que "cada um deve defender o seu, ou ainda o interesse particular é submerso pelo interesse coletivo"
Porque não temos líderes? Porque os matamos quando surgiram. Os matamos com a nossa arrogância de que sabíamos de tudo, com nossa estrita visão pragmática e de lucratividade míope.
Somos como os demais setores, fazemos parte do caldo econômico formado pelo governo.
O que fazemos diferente dos demais setores? Somos iguais a tantos outros....
No Brasil há a impossibilidade da manifestação da opinião quando esta não está ressonante com que a maioria acredita o politicamente correto do momento; a liberdade de expressão ficou escrava da subsistência; o livre pensamento perdeu seu valor mediante a arrogância pode poder momentâneo, seja ele político ou econômico.
Então como numa sociedade que vende seus ideais; que ri do Homem sério; em que seus cidadãos se vangloriam quando obtêm vantagens; em que o estudo não tem mais valor em nome da igualdade de direitos; numa sociedade em que direitos se sobrepõem a deveres, que é mais rentável trabalhar sem carteira assinada para não perder benefício ou então não trabalhar; numa sociedade em que as politicas para as minorias elegem governantes; que penaliza quem paga impostos; que está amordaçada pela propaganda de uma sociedade perfeita; de que temos que compreender aqueles que nos agridem sem nos defender; uma propaganda que inverteu os valores; que nos atordoou e nos deixou perdidos porque deixamo-nos atordoar.
Por isso, que afirmo que nesse caldo, somente pessoas idealistas fariam alguma mudança. O idealismo é paixão e com todos os seus perigos, é a única possibilidade de mover algo quando é necessário remar contra a corrente. Mas quem está disposto a oferecer o seu "toucinho" para a feijoada? Não é mais confortável "latir enquanto a caravana passa"?
Infelizmente, deixamos levar pelo "canto da sereia", estamos anestesiados pela propaganda do politicamente correto...queremos ser perfeitos e evoluídos da forma que nos falam que é a correta representação disso.
Então amigos, se quisermos mudar algo temos que ter antes de tudo um ideário antes de uma lista de reinvindicações; e isso requer resignação, empatia, e clareza do futuro que queremos. Não podemos mudar o presente, somente o futuro. Quem estaria disposto a deixar o conforto do status quo, para debater alguma ideia? A recuar quando preciso e atacar quando necessário sem a preocupação se está agradando a alguém que poderá te ajudar? A entender que esse processo irá frutificar para outros e não para si? A entender que remendar a situação atual não é garantir o futuro? Quem?

PREZADO HILÁRIO !!!

FALANDO SOMENTE PELA NOSSAA INDUSTRIA TEXTIL, PODEMOS DIZER QUE IMPERA O AMADORISMO DOS DONOS DAS EMPRESAS, COM RARAS EXCESSÕES.

E A CLASSE, SE É QUE EXISTE CLASSE, É TOTALMENTE DESUNIDA.

CONCORDO INTEIRAMENTE COM VOCE.  SE FORMOS INICIAR UM DEBATE AQUI PROVAVEL MENTE CONTRIBUIREMOS PARA A CONDECÇÃO DE UM LIVRO SOBRE O ASSUNTO MAS... INFELIZMENTE O DESCRITO POR VOCE  É A REALIDADE.

PARABENS PELA CLAREZA...

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço