Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

MITOLOGIA - A CAIXA DE PANDORA - YouTube

É incrível a capacidade do Brasil de se autossabotar. Diante de uma recessão gigantesca, nosso Congresso vai criando condições para que não saiamos dela.

Como se não bastasse a irresponsabilidade com que a questão sanitária é conduzida, começamos a despertar monstros adormecidos: irresponsabilidade fiscal, corrosão da moeda, quebra de contratos, degradação do ambiente institucional e volta do ativismo estatal.

Alguns projetos em pauta são perigosos, capazes de suscitar uma crise financeira, como o PL 1.166, que estabelece teto para os juros cobrados por bancos e fintechs, o PL 911, que aumenta a CSLL de instituições financeiras, e o PL 675, que proíbe que os bancos negativem o cliente inadimplente.

Bancos têm um estereótipo dissipado de ser um setor que gera lucros abusivos, e nada parece ser mais legítimo que dar a sua cota de contribuição durante uma pandemia. Os projetos fazem uso do momento de exceção para justificar uma ação temporária. No entanto, menosprezam aspectos relevantes com efeitos negativos para a sociedade.

A limitação dos juros foi proposta sem levar em conta seus determinantes. Os bancos, ao estabelecerem o preço do crédito, esperam ser remunerados pelo risco de inadimplência e por seus custos operacionais.

Se o limite proposto não compensar esses fatores, o resultado será a retração das concessões, justamente quando o crédito é mais necessário.

Falta compreensão de que os bancos emprestam o dinheiro dos depositantes. Por isso são regulados pelo BC e seguem acordos internacionais como o de Basileia. Se, com a expectativa de um aumento substancial da inadimplência, não forem cautelosos, o custo cairá no colo da sociedade. É bem possível que a limitação do juro gere o efeito de expulsão do tomador de maior risco do mercado.

O aumento da carga tributária, cuja alíquota efetiva já é maior que a dos demais setores, levará a um enfraquecimento da base de capital dos bancos concomitante à necessidade de aumento das provisões de perdas com a crise e à retração das linhas de crédito externas. Os bancos grandes aguentam tamanha descapitalização, mas isso não vale para os menores e para as fintechs. O resultado pode ser maior concentração.

Já a proibição da inscrição do consumidor inadimplente em cadastros negativos interrompe o fluxo de informação, fundamental nesse tipo negócio.

O inadimplente pode elevar seu endividamento muito além do que seu perfil recomendaria –sem o risco de ter as garantias executadas. Mais uma medida para deixar os bancos fora de algumas linhas ou selecionando apenas os bons pagadores.

É certo que o juro na ponta do tomador é muito alto. Há vários motivos: concentração do mercado, insegurança jurídica, subsídios cruzados (como a proibição da cobrança por determinados serviços) e custos, principalmente o tributário.

Diversas ações têm sido tomadas pelo BC visando incentivar a competição, melhorar a disponibilização da informação sobre os devedores e dar segurança às garantias dos empréstimos. Os projetos acima citados vão na direção oposta.

Instituições financeiras são apenas um dos alvos da chamada “agenda-bomba”, que propõe alterações contratuais. A lista inclui o confisco de lucro das empresas, a proibição de reajustar remédios e planos de saúde, a suspensão de pagamento de aluguéis e o impedimento de cortes de serviços essenciais por falta de pagamento.

A institucionalização da insegurança jurídica gera retração do investimento e uma alocação menos eficiente do capital. Qual empresário vai se sentir seguro em investir em infraestrutura em um país com esse ativismo regulatório? O investimento estrangeiro não especulativo já é baixo e ficará mais ainda.

Economia depende da confiança no cumprimento dos contratos. O alerta foi feito pelo BC na semana passada: corremos o risco de gerar um colapso da produção.

Estamos prestes a anular parte relevante do ganho da agenda pró-competitividade em andamento. Se há falhas de mercado, cabe ao regulador agir, considerando a informação disponível, e não o Congresso por voluntarismo. Todo cuidado é pouco quando estamos na iminência de abrir a caixa de Pandora.

Fonte: “Folha de São Paulo”

https://www.institutomillenium.org.br/abrindo-a-caixa-de-pandora/

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 16

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço