Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VI

Empresas devem rever a postura com redes sociais

Evento da Totvs reuniu público de 26 cidades para debater tecnologias.
Evento da Totvs reuniu público de 26 cidades para debater tecnologias.

 

Mercado ainda não acordou para o atual momento digital


Mais do que entreter, reunir amigos e estimular o relacionamento profissional online, as redes sociais viraram uma arma engatilhada nas mãos de consumidores e profissionais insatisfeitos. Ainda navegando meio sem rumo em meio a sites como Facebook, Twitter e Orkut, as empresas podem estar tentando conter o ímpeto dos usuários de forma equivocada.

O alerta é do psicólogo e coordenador do programa de dependência virtual do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP), Cristiano Nabuco de Abreu. "As redes sociais apenas ajudam a propagar o que já acontece nas companhias. Se uma corporação tem uma perspectiva negativa dos funcionários ou dos seus clientes, esses sites são usados para divulgar isso", observa. Dessa forma, é preciso parar de culpar a tecnologia e começar a olhar mais atentamente para as suas posturas corporativas. O especialista participou na semana passada de um evento promovido pela Totvs, transmitido e debatido simultaneamente através de videoconferência em 26 cidades brasileiras, entre elas Porto Alegre, Brasília, São Paulo, Cuiabá, Goiânia, Salvador, Belém, Fortaleza e João Pessoa.

Abreu observa que o mercado corporativo ainda não acordou para esse momento digital que os usuários, por sua vez, já utilizam plenamente. "Cruzar os braços e atribuir o sucesso desses sites a algo momentâneo é um erro. Se continuarem assim, as empresas poderão sofrer um revés devastador", alerta.

Na relação das marcas com os consumidores, o que mais acontece são situações nas quais as pessoas usam esses sites para reclamar de mau atendimento e mercadorias não entregues. Geralmente, partem para essa alternativa depois de não conseguirem resolver seus problemas através das formas tradicionais. E acabam angariando, entre seus amigos e seguidores, mais e mais críticos.

O mesmo tem se verificado na relação funcionário e empregador. Se as empresas não estão atentas para os colaboradores, as pessoas acabam externalizando esse mal-estar na internet. "Funcionários encantados não falam mal das empresas onde trabalham e, até mesmo, são capazes de propagar boas ideias", comenta Abreu.

Google abre inscrições para programa de estágio no Brasil

O Google recebe até o dia 8 de junho inscrições para seu programa de estágio. São 24 vagas para universitários das áreas de marketing, finanças, recursos humanos e setores técnicos. As inscrições devem ser feitas no site da
Cia de Talentos (http://www.ciadetalentos.com.br/jovens).

Em seu anúncio, a empresa diz procurar por jovens que amem inovação, tenham excelente desempenho acadêmico, grande capacidade analítica e habilidade em focar em resultados.

Os estudantes devem estar matriculados em uma graduação - curso com duração de quatro ou cinco anos, ou seja, cursos tecnológicos não servem - e com data de conclusão de curso prevista para dezembro de 2011. É preciso ter inglês fluente. O estágio inclui salário acima da média de mercado, seguros de saúde e vida, auxílio-transporte e alimentação de graça na empresa, de acordo com a empresa.

Twitter revela dados pessoais de um usuário pela primeira vez

O Twitter concordou, pela primeira vez, em liberar os dados pessoais de um dos usuários da rede social por pressão da Justiça. As informações de Ahmed Khan, conselheiro municipal da cidade inglesa de South Shields, foram abertas pelo site no âmbito de um processo por difamação movido na Califórnia, sede do Twitter.

Três conselheiros e um funcionário público da cidade South Tyneside, também na Inglaterra, moveram uma ação contra Khan nos Estados Unidos acusando-o de ser o responsável por declarações difamatórias publicadas em um blog e disseminadas pelo Twitter.

Khan, que nega qualquer envolvimento com as ofensas, diz que foi contatado pelo Twitter em abril por causa do processo. O site de microblog teria, segundo ele, lhe dado um prazo de 21 dias para submeter uma contestação legal. Caso contrário, dados como números de IP e de telefone e endereços de e-mail seriam liberados - o que acabou acontecendo. "Sinto que meu direito à privacidade foi violado, junto com a privacidade de qualquer pessoa que tenha se comunicado comigo pelo site", disse Khan, que admite ser um crítico ferrenho dos querelantes.

O Twitter, por meio de uma porta-voz, não deu detalhes sobre o processo. "Não podemos comentar sobre mandados ou solicitações específicas. Como preveem nossas regras de colaboração com a Justiça, nossa política é notificar os usuários antes da abertura de seus dados cadastrais."

Fonte:|jcrs.uol.com.br|

Exibições: 4

Tags: Empresas, a, com, devem, postura, redes, rever, sociais

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VI para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VI

Textile Industry

O Maior Portal de Informações Têxteis e do Vestuário do Brasil

© 2014   Criado por Textile Industry.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço