Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VI

História dos Tecidos – Idade Moderna e Contemporânea

Fonte:|modaspot.abril.com.br|

JULIANA SAYURI

Idade Moderna

As grandes navegações e a descoberta de novos tecidos influencia o comércio e a moda. As rendas ganham força entre os nobres e se destacam na maioria dos vestidos.

Século XVI: 1501 a 1600

No início do século XVI, a tapeçaria conquista status junto a nobreza. O life-style das cortes transparecia no requinte da tapeçaria, refletindo ainda o amor à arte. Nessa época, os tecidos em voga eram os linhos, lãs e algodão, além das sedas italiana e bizantina.

DIVULGAÇÃO

Vestido de pérolas, ouro e cetim
Vestido de pérolas, ouro e cetim

Nesta época nascia o cetim, assim batizado em homenagem a Zaitum (ou Tsenthung), na China, de onde se origina. Tecido admiravelmente luxuoso, o cetim é mais usado para roupas de noite e é altamente recomendado pelos alfaiates por sua classe e caimento.

Na época das grandes navegações e do comércio marítimo com a Companhia das Índias Orientais, não só a movimentação econômica era intensa, mas as mudanças no modo de vestir também. Assim foram importados os primeiros tecidos e, com eles, inovações na estética e nos estilos da época. Da mesma forma, a presença dos colonizadores europeus nas colônias americanas tiveram impacto nas trocas e influências culturais.

Idade Contemporânea

Conheça o percurso dos tecidos do século XVII até os dias de hoje.

Século XVII: 1601 a 1700

EDUARDO POZELLA

Renda
Renda

Por volta de 1620, as rendas se tornaram uma obsessão na França, na Itália e na Espanha. Rendas bordadas com ouro e pérolas, feltros e musselines, seda moiré, chamalote e tafetá, veludo frisado, cetim e adamascados eram os tecidos em alta para confeccionar os vestidos chiques da época.

JORGE BUTSUEM

Tecidos adamascados
Tecidos adamascados

O tecido adamascado foi assim batizado em homenagem a Damasco, cidade da Síria onde os tecidos foram vistos pela primeira vez pelos cavaleiros das Cruzadas. De cor única, os tecidos destacam desenhos no cruzamento da trama com os fios do urdume, sob o efeito da luz. Durante centenas de anos, os chineses faziam tecidos de seda ornamentada, do Oriente para a Europa.

No século XVII, ainda sob a influência da cultura renascentista, os tecelões italianos consolidavam seus avanços, unindo o glamour com referências culturais da antigüidade clássica, com pinceladas humanistas e naturalistas. Antes dominada pela Itália, a nova época via a ascensão da França no domínio das clássicas sedas.

Nos Estados, a cultura do algodão se inicia na Virgínia, no início do século XVII. Nos anos 1700, já se expandia a Flórida, Geórgia, Louisiana, Carolina do Norte e Carolina do Sul.

Século XVIII: 1701 a 1800

Enquanto a Inglaterra dominava a linha masculina, a França inovava a feminina. Nesta época, fortalece-se a influência da cultura oriental, com laços, florais luxuosos, cores exóticas e quimonos importados na Companhia das Índias Orientais. A seda ganha mais brilho, ao lado de materiais luxuosos como veludos, brocados de ouro e prata e rendas.

JORGE BUTSUEM

Tecidos, tafetá, viscose, lã e crepe
Tecidos, tafetá, viscose, lã e crepe

No final do século XVII, as mulheres nobres usavam lenços de tafetá sobre os ombros, carregando ainda agasalhos finos feitos de peles de animais, considerados elegantes à época. Luxo e frivolidade marcaram a sociedade francesa da época, com um carnaval de vestidos “sinos” – com quase 150 centímetros de circunferência. Os tecidos clássicos e luxuosos dos séculos anteriores foram aperfeiçoados, adornados ainda mais com lantejoulas e rendas. Por outro lado, o estilo passou por uma reviravolta com a queda de Luís XVI e Maria Antonieta, com a Revolução Francesa. A simplicidade se tornou a palavra-chave para o espírito da época.

ROGERIO MONTENEGRO

Tricô cashmere
Tricô cashmere

A cashmere conquistou fama na Europa no final do século XVIII e início do XIX. O tecido dos vales da Caxemira graciosamente conquistaria a forma de xales perfeitos e elegantes vestidos, flertando com as tendências de texturas adamascadas, tafetás encorpados e toile-de-jouy.

Além disso, duas tendências se destacavam: as estampas florais nos vestidos e as inovadoras técnicas com retalhos de patchwork. Antes experimentadas por amadores, as tendências foram apropriadas por profissionais no século XX, que a transformaram em uma forma de arte.

Durante o século XVIII, o domínio artístico da França e sua influência sobre a sociedade moderna impôs uma certa uniformidade na saída dos workshops que podem, por vezes, tornar difícil identificar a proveniência de um bordado particular. Mas, ao mesmo tempo, a diferença que sempre existiu entre os bordados feitos para o mais alto nível da sociedade e aquelas disponíveis para as pessoas de baixa patente parecia ficar mais acentuada, como a diferença notável entre o trabalho profissional e amador. Distintas tradições também tinham se desenvolvido no seio das comunidades camponesas em muitos países e os bordados sobreviventes, portanto, apresentam uma grande variedade de estilos que podem refletir o tanto seu desenvolvimento social quanto a sua origem geográfica
Jenny Udale

MARCO ANTONIO POMARICO

Tear
Tear

França e Inglaterra, “oficinas do mundo”

No século XVIII, a França dominava artisticamente os bordados criativos, os tecidos luxuosos e, claro, as tendências. Até a Revolução Francesa, a corte criava e recriava vogas ao bel-prazer da rainha Maria Antonieta, uma fashionista precursora.

Ainda no século XVIII, a Revolução Industrial alavancava novas realidades para a produção. Desde então, cruzou fronteiras, transpassando Europa, América e Ásia. No campo da moda, a produção têxtil ganhava novos contornos com os avanços técnicos com as máquinas e teares.

Século XIX: 1801 a 1900

MUSEU FAAP DIVULGAÇÃO

Vestido de Madame Moitessier - 1856
Vestido de Madame Moitessier - 1856

Na virada do século XVIII para o XIX, a época romântica trazia estampas com pequenas flores além da estética, as flores escondiam marcas sujas e manufatura pobre.

Motivos medievais e naturalistas também continuavam em alta. Xales eram feitos em diversos tamanhos e eram usadas para todas as estações. Os materiais utilizados foram o algodão, lã, seda, cambraia, musselina e renda.

As cores foram igualmente diversas: canário, verde, branco, vermelho e azul eram os favoritos. Foi o advento da cashmere, porém, que realmente fez o xale popular. O material macio, rico, feito de couro tibetano, foi primeiramente observado em 1755, mas apenas no século XIX realmente conquistou as atenções.

No início século XIX, uma grande inovação do francês Joseph-Marie Jacquard, de Lyon, daria um up nos tecidos adamascados: o tear automático, que é usado até os dias atuais: o jacquard.

DINAH BUENO PEZZOLO - EDITORA SENAC

1835: A alpaca nos Andes

A lã de alpaca, da família dos camelídeos dos Andes, se tornou um tecido em 1836, quando sir Titus Salt misturou a alpaca com a seda. A lã se tornou popular na década de 1840, usada para confeccionar peças e forrar casacos. Nos países andinos, o tecido continua em voga, nas peças tradicionais. Além da alpaca, os pêlos da lhama e da vicunha também são usados para se tecer lãs.

1873: O jeans nos Estados Unidos

CARLOS BESSA

501, o primeiro jeans da Levi's.
501, o primeiro jeans da Levi's.

O jovem alemão Levi Strauss (1829-1902) era um mercador de rolos de lona, usados para cobrir barracas e carroças. Em 1872, o alfaiate Jacob David passou a adaptar os rolos para costurar calças para os mineradores, por serem mais resistentes às intempéries climáticas.

Ao descobrir o denim, um novo tipo de brim francês importado de Nîmes, Levi-Strauss e David passaram a produzir novas calças e, para amenizar as variações de cor, tingia o tecido com índigo blue. Nascia, assim, o blue jeans, patenteado pela Levi Strauss & Co em maio de 1873.


1869: O acetato na Alemanha

O fio sintético de acetato foi criado na Alemanha, em 1869. Posteriormente, os químicos Camille e Henri Dreyfus de Basiléia, no início do século XX, continuaram estudando o novo material. No entanto, seus estudos foram interrompidos com a Primeira Guerra Mundial, quando o acetato foi usado na fabricação de encerados para revestir os aviões franceses e britânicos. Em 1920, uma companhia inglesa produziu fibras de acetato com o método Dreyfus. Desde então, o fio é usado em lingerie, vestidos e malhas.

1888: O aertex na Inglaterra

Tecido de algodão lançado na Inglaterra no final do século XIX por Lewis Haslam, Benjamin Ward Richardson e Richard Greene, que formaram a Aertex Company, em 1888. Três anos depois, a companhia estava fabricando lingeries com aertex.

1889: O raiom na Inglaterra, a primeira fibra química artificial

JORGE BUTSUEM

Raiom com lycra
Raiom com lycra

De 1900 a 1920

LUIS GOMES

Tecidos da Índia
Tecidos da Índia

Musseline, gaze e tule estavam na moda. Airosos e transparentes, gaze e tule davam frescor aos looks. A musseline é um tecido macio, fresco e fino, construído em ponto de tafetá – o nome é uma homenagem a “Mosul”, cidade no Iraque onde o tecido foi originado. Ao longo dos séculos, Índia e Bangladesh se tornaram o lar das musselinas exóticas. Alfaiataria, rendas, flores, arabescos e chinoiserie também marcaram a época.


De 1920 a 1939

JORGE BUTSUEM

Lamê, rayon, musseline organdi e organza foram os destaques da época. Entre as estampas, destacavam-se as listras e as ilustrações de arte moderna.

A palavra francesa lamé corresponde à ideia de “adornos dourados e prateados”. É o nome dado a tecidos feitos com fios metálicos nesses matizes. Desde a década de 1930, o lamé é muito usado em vestidos de toalete.

1921: O raiom acetato na Suíça

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, mais uma fibra química foi obtida nas experimentações laboratoriais. Os suíços Henry e Camille Dreyfus criaram a celanese, conhecida como raiom acetato.

1935: O nylon nos Estados Unidos

JOAO AVILA

Nylon, lurex, organza, plush, cetim, acrilico e jersei
Nylon, lurex, organza, plush, cetim, acrilico e jersei

O nylon nasceu em 1935, de maneira triunfante na história da moda, pois fazia a roupa não amassar. Em 1949, o francês Robert Weill lança a expressão “prêt-à-porter”

e traz a moda para a indústria, acessível para todos. Na esteira do nylon viriam o Tencel e a Lycra, tecidos importantes para o fast fashion.


De 1940 a 1950

JOAO AVILA

Viscose, lã, crepe, malha, jersei e boucle
Viscose, lã, crepe, malha, jersei e boucle

Na época, a moda mesclava jérsei de lã, veludo cotelê e crepes. Enquanto a Segunda Guerra Mundial dava o tom para o pesado clima político da época, a moda se desdobrava para se manter na Europa. O estilo militar, mais sério, continuava em voga, com tecidos pesados e resistentes, como o tweed. Devido à escassez dos tecidos mais finos, como a seda, a moda precisou buscar materiais alternativos, como a viscose, o raiom e as fibras sintéticas.

No pós-guerra, o New Look de Dior daria uma reviravolta na moda. O luxo e o glamour estavam de volta e, com eles, os tecidos nobres para vestidos sofisticados e peles.

1947: O acrílico na Alemanha

A fibra sintética foi lançada em 1947, mas o acrílico só foi produzido em larga escala a partir da década de 1950. É um tecido forte, usado na confecção de malhas e forro de botas, luvas e paletós, na tentativa de substituir a lã.

De 1950 a 1960

JORGE BUTSUEM

Tecidos, malha, plush, veludo, cetim e bucle
Tecidos, malha, plush, veludo, cetim e bucle

Na esteira do New Look, de Christian Dior, os tecidos luxuosos voltaram às produções. Fustão cotelê, cetim e sedas. Além disso, nos tempos de juventude rebelde, jeans e jaquetas de couro conquistaram espaço privilegiado nos figurinos hollywoodianos e no cotidiano de milhares de jovens.

1958: A lycra nos Estados Unidos

No início, a lycra era um fio tão grosso que se destinava à confecção de cintas cirúrgicas. Depois, o fio ficou mais fino, incorporando-se à lingerie e à moda praia. Atualmente, a Lycra é capaz de se ajustar às curvas do corpo, como uma segunda pele.

De 1960 a 1970

REPRODUÇÃO

MANEQUIM: janeiro/1965
MANEQUIM: janeiro/1965

Tweed, jeans e couro, estampas florais provençais e liberty, listras finas, bayadère e cartoons, vários estilos passaram a se mesclar ao longo da década de 1960. Enquanto muitos viam o auge de sua juventude em um simples e livre jeans, outros incorporavam a moda étnica, com túnicas floridas e xales indianos.

De 1970 a 1980

Arabesco estilo Pucci, motivos folclóricos e estampados românticos tipo hippie protagonizavam a moda da década de 1970.

De 1980 a 1990

Jeans, lycra e nylon com brilhos e cores estrelavam a década dos excessos. Assim como os modelitos, os tecidos eram over.

De 1990 a 2000

REPRODUÇÃO

Estilo: fevereiro/2009
Estilo: fevereiro/2009

Microfibra, poliéster e strecht entram em cena, assim como as novidades na indústria têxtil foram incorporadas à moda, criando novas possibilidades para peças e estilos.

Na página 132 do livro Fio a fio, Gilda diz: “No século XXI, tudo é permitido e as influências socioculturais entram na dança frenética de tecidos, cores e materiais. Usa-se do clássico, reciclado e com aspecto de novidade, às pequenas loucuras lançadas por estilistas e designers têxteis e aceitas socialmente. Festa para olhos e pele que favorecem à indústria têxtil e à versatilidade da moda”.

Exibições: 2207

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VI para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VI

Textile Industry

O Maior Portal de Informações Têxteis e do Vestuário do Brasil

© 2014   Criado por Textile Industry.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço