Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Início da Pandemia reduziu faturamento de metade das Franquias em mais de 25%

Início da pandemia reduziu faturamento de metade das franquias em mais de 25%

Geralmente resistente a crises, o setor de franquias foi fortemente impactado pela pandemia do novo coronavírus. Metade das redes amargou quedas superiores a 25% na segunda quinzena de março, em comparação ao mesmo período do ano passado, de acordo com estudo da Associação Brasileira de Franchising (ABF). A análise do primeiro trimestre de 2020 registra praticamente uma estagnação, quando comparado ao mesmo período do ano passado.

Nos três primeiros meses de 2020, o setor faturou R$ 41,537 bilhões, contra R$ 41,464 no mesmo período de 2019 – um crescimento de 0,2%. Para efeito de comparação, no mesmo período do ano passado o setor crescia 7%, em valores nominais.

A pandemia foi anunciada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no dia 11 de março e o comércio começou a fechar as portas no dia 16. Na comparação entre a segunda quinzena de março e a primeira, houve um reflexo semelhante à análise anterior, com quedas de 25% para quase metade das redes, mas com um maior número (17,2%) que alegaram não ter sentido grandes diferenças.

De acordo com a entidade, os bons resultados alcançados em janeiro e fevereiro foram rapidamente influenciados pela força da pandemia. “As políticas de isolamento social, principalmente o fechamento dos shoppings, provocaram uma diminuição sensível na demanda do consumidor. A queda só não foi maior pois essas ações foram implementadas no final do trimestre, sem contar que muitos estados ainda não tinham aderido firmemente à quarentena”, afirma André Friedheim, presidente da ABF. Dessa forma, os resultados do segundo trimestre podem apresentar quedas ainda maiores.

O setor concluiu o trimestre com 161.141 unidades abertas em todo o Brasil, 1% a mais do que o trimestre anterior, e 1.361.795 empregos diretos – apenas 0,3% a mais do que no último trimestre de 2019. A perda de ritmo também é creditada aos efeitos da pandemia, que teria deixado os potenciais franqueados menos propensos a investimentos no momento.

“Notamos também que algumas empresas deixaram o sistema ou suspenderam planos de expansão por meio do franchising, o que acabou se refletindo nesses números”, disse o presidente da ABF.

Serviços automotivos crescem e Alimentação tem queda

Serviços Automotivos (+7,4%), Comunicação, Informática e Eletrônicos (+6,9%), Limpeza e Conservação (+5,6%), Casa e Construção (+3,6%) e Serviços Educacionais (+3,5%) foram os segmentos com melhor performance nos três primeiros meses do ano.

De acordo com a ABF, o segmento de Serviços automotivos se amparou na necessidade de manutenção de veículos, em muitas cidades, e Comunicação, informática e eletrônicos tem se consolidado com empresas de tecnologia em meios de pagamento, além do crescimento do marketing digital e comunicações online.

Limpeza e conservação e Casa e construção se beneficiaram mais do período que exige maior higienização e adaptação de ambientes. Já o setor de Serviços educacionais conseguiu se manter por ser o período em que a maior parte das matrículas são realizadas e devido à adaptação das aulas para o digital.

Alimentação é o maior e mais tradicional segmento do franchising brasileiro, mas já sentiu os impactos da pandemia, com uma queda de 1,6% no faturamento do primeiro trimestre. A ABF acredita que as próximas pesquisas devem trazer resultados positivos em redes de supermercados e farmácias, que continuaram abertos durante todo o período de isolamento social.

Adaptação ao novo cenário

– Em mais de 70% das redes foram adotadas medidas de delivery, promoções, entrega de serviços online e orientações sobre a Covid-19.

– Mais de 50% concederam benefícios financeiros aos franqueados, seja por suspensão de taxa de marketing ou redução ou até parcelamento de royalties.

– 60% dizem ter criado novos produtos ou serviços.

– 19% encerraram unidades franqueadas.

– 9% repassaram unidades

Os planos de expansão foram postergados em 24,6% das redes, reduzidos por 27,7% e mantidos por 33,6%. Otimistas, 14,1% dizem que ampliaram as metas para 2020.

Negociações com shopping centers
Recentemente, a ABF divulgou algumas demandas que enviou à Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) para ajudar a minimizar os impactos do fechamento. Os centros comerciais vêm reabrindo as portas pelo Brasil, com novos protocolos de segurança e higienização, mas lojistas relatam perdas significativas de fluxo e faturamento nas reaberturas.

Fonte: PEGN

http://sbvc.com.br/pandemia-reduziu-faturamento-franquias-25/

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 11

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço