Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

O VELHO E A GREVE:

Conclui hoje que só seremos ouvidos por meio de GREVE:

Esfunicados = esfunicados + meio.

Sabe qual era a grande mágica do Sr. Luis Inácio da Silva? Ele sabia AMALGAMAR AS MASSAS com o seu carisma, com a sua fala simples que atingia o grande publico.

Engendrava greves, mas era um Máster em acordos.

Precisamos de uma liderança que unifique a nossa classe por meio de desiquilibrio social, legal e constitucional. Ai, só ai, seremos ouvidos.

Já conclui que cão que ladra não morde.

Somos, com eu puxando a fila, PATÉTICOS. E assim seremos tratados: Como pobre diabos.

Quem ignora os seus direitos, se torna escravo.

Quem não se organiza, perde as força.

Quem não se une, é aniquilado.

Que tem medo, não conhecera a liberdade.

Quem e subserviente, se torna um eunuco.

Quem se dobra muito, mostra à bunda.

Quem não fala consente.

Quem muito tolera, é sobrecarregado.

Quem não luta pelos seus direitos é um covarde.

Quem se acovarda o pouco que tem lhe será tirado.

Quem não está atento, come mosca.

Quem não luta por seus direitos morre escravo

Quem não quer a verdade morre nas trevas.

Quem fala sem agir pratica Masturbação Mental.

Quem não se educa se escraviza.

Apontar sem apresentar uma solução é patético.

Não conhecer seus direitos é fatal.

Não reconhecer sua força é ser fraco.

Vivemos baixo uma DITADURA OLIGARQUICA. Uns poucos dominam as massas.

Sabe por que isso acontece? Porque somos ignorantes, covardes, acuados, subservientes e medrosos.

A GRANDE LIBERDADE chega quando NADA A MAIS TEMOS O QUE PERDER.

Ah, por isso aguentamos. Temos um pouquinho.

Não queremos perder o carrinho velho. O café com pão que substituiu a janta. Os eletrodomésticos. Os importados vagabundos e cosméticos de terceira linha. Somos prisioneiros porque não abrimos mão de nossas chapinhas. Da cachacinha no boteco do portugues. Do joguinho de futebol numa TV a plasma a ser paga em seis anos.

Então somos uma nação de recipientes de Cestas Básicas, Bolsas Famílias e de subemprego. Uma nação de quase mendigos, de moradores de puxadinhos, que como escravos nos dão um mínimo indispensável de bens, de tranqueiras, restos da cozinha da Casa Grande e um cantinho na senzala para continuarmos a produzir, a viver nossas vidinhas de merda.

Não fosse sexo, droga, álcool, futebol e uma fezinha no jogo de bicho, o nosso povo se revoltaria.

Bom seria que eles nos tirassem TUDO. Ai, sem nada a perder, seriamos, finalmente, livres. Mas não, os Jesuítas atuais, os Senhores da Casa Grande Brasil, Os Capitães Hereditários nos dão algumas miçangas – e enganam-nos, os novos índios do asfalto.

Fazem com que ate matemos uns aos outros para termos uma miçangazinha mais bonita. Como porcos, vivemos, uns ate gordos, sobrevivendo de muita lavagem.

Temos uma Presidente Decente. Mas as forças ocultas - e outras, as detectáveis massas negras -, são fortíssimas e tentam neutralizá-la.

Todos nos sabemos quem são eles, onde operam, e ate como operam os canalhas. Mas nada podemos fazer por conta dos “QUEM” acima descritos.

Mas como mudar 500 anos de corrupção em oito anos? Eu não sei como, mas aqui estou para ajudar como cidadão desassombrado e de “cojones”.

Nós precisamos de uma pessoa simples, carismática, corajosa que nos amalgame e que comece um movimento de resistência pacifica como o de Mahatma Gandhi, como o de Martin Luther King, firme, corajoso, mas dentro da constitucionalidade. Eu não sou essa pessoa, mas a procuro e colaborarei com ela.

Não tendo isso, mais e mais do que é nosso de direito, vai para a cúpula de 1% de Oligarcas Brasileiros que comandam 90% de nossa economia - e muitos deles por meio de “maracutaia”, acordos, tráfico de influencia, desonestidades e mensalão. E nos, idiotas, batemos palminhas para eles, cheios de  deslumbres e subserviencias ao poder.

Não estou aqui a apedrejar gente de subiu na escada social com trabalho árduo e honestidade. Falo dos crápulas, dos cínicos, muito deles comandando nosso país.

Mais e mais penso numa parada geral, numa greve pela classe, pela justiça social, pela prestação de contas, pela punição e ate pela pena de morte para crime lesa-pátria, como por exemplo: Roubar alimentos dos pobres, medicamentos de hospitais, leite de crianças e por ai vai...

Essa gente é também maquiavélica.Eles tem a Grande Mídia os devendo favores, amordaçada, tímida ou na cama com eles.

Eles são bem capazes de começar uma onda de boatos dizendo que me falta equilíbrio, bom senso e que sou muito inflamado.

Mas tal não é o caso. Estou mais lúcido do que nunca! Agora vejo longe, vejo claro; já plantei arvores, tive filhos, netos e já escrevi meus livros.

Já pouco importa falar. Já combati o bom combate e não comprometi a minha fe. Eu tenho a coragem dos velhos.

Mesmo sabendo que os meus textos não conduziram a nada, mesmo sabendo que pagarei alto por dizer a verdade nua e crua, mesmo sabendo que perderei alguns amigos poderosos, assim mesmo deixo isso registrado para meus amigos, meus filhos e para a história. A minha parte eu fiz, se não o fiz, tentei faze-la, e dormirei tranquilo, cumpridor de meu deveres de cidadania e me sentindo honrado.

SdM

 

Exibições: 141

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Comentário de Sam de Mattos em 17 dezembro 2011 às 21:01

Nao me tornei. Ja sou. Lhe mandarei algo, Nobre Amigo Adalberto. Se o seu xara chama politicos de nobre eu tenho que lhe chamar de que? Vossa Majestade? Mas te esculhando mesmo e o ponho a "nivel de nobre" Essa que lhe mando foi quando bebia sozinho no Pier de Redondo Beach. California, comemorando o nascimento de minha sobrinha Mariana de Mattos Azevedo Andrade e pensando em toda a minha vida... (30 anos atras):

MARIANA

 

Mariana

Querida menina,

Mariana, que bonito nome

tem voce.

Ah, Mariana

O sol de Redondo Beach

Bate frio, refletindo saudades

Na garrafas de Michelob,

Refletindo marron brilhante,

Descansando em mesas que descansam

No pier de pernas de pau espetado

No Pacifico Norte.

Ah Mariana,

Seu nome reverbera musica,

Velhos sambas soturnos

Do meu saudozo Noel,

Nome que evoca chorinhos

Do finado Mestre Pichinguinha.

Mariana.

Mariana do Itacolomi,

Mariana da Serra do Mar,

De Guarapari,

De Sao Joao Del Rey,

Mariana Ouropretana,

do boteco do Irineu,

do boteco do Chicao,

do Boteco do Professor,

da cozinha de Dona Nana,

da Fonte dos Suspiros,

da velha Casa dos Contos,

do Beco dos Bois,

da sempre Escola de Minas,

da menina  bonita,

guarde segredo,

la da Casa de Dona Santita;

Mariana.

Das frias tardes das Alterosas,

do feijao tropeiro, do Itatiaia,

do choro Centenario,

das fonts das Minas Gerais;

 

 

 

 

 

Mariana.

Ah Mariana da historia,

Da Sinhá Maria,

Da Chica da Silva,

Do Chico Rey,

da Sao Francisco de Baixo,

da Sao Francisco de Cima e

da Senhor do Bonfim.

Mariana.

Da agua de coco,

Das tardes sertaneiras,

De cablocos violeiros,

Do ceu enluarado,

de estelas cadentes e

do Cruzeiro do Sul,

das praias morenas,

Do velho apito com fagulhas,

De um longinquo  trem noturno.

Mariana.

Ah Mariana da Pauliceia,

da Avenida Paulista,

da Rua Sao Joao,

da rua direita,

da Baixa do Sapateiro,

da Cidade Luz,

das Alagoas,

das Amazonas.

Do Belem do Grao Para,

da Praca Tiradentes,

do Convento da Penha,

emfim, Mariana,

de um pais tropical,

de lagrimas vertidas,

das paixoes proibidas,

da liberdade prometida,

de tantas coisas perdidas,

das Republicas de Bananas,

das Republicas de Estudantes,

da Pureza, da Vaticano e

do Jardim de Allah, da Verdes Mares,

do Ninho do Amor e do Hospicio,

da Republica Canaan e por ai vai,

Mariana dos amores,

De Lampiao e Maria Bonita,

 

 

 

Mariana

Do tio coruja e admirador

De rosas amarelas,

De livre folhas verdes,

De tinhoroes, de samambaias,

de capim Colonhao, Gorduna,

do Barba-de-Bode e da Soja-Perene.

Mariana, seje benvinda:

Aceite este abraco de seu tio

Sonhador e besta, o Ouvidor/body>

Comentário de adalberto oliveira martins filho em 17 dezembro 2011 às 2:25

SAn ...agora vc se tornou poeta!!!rs...rs...valeu muito!!!!!

tfa/adalberto

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço