Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Plano Real: 25 anos após entrada em vigor, tecnologia muda relação do brasileiro com a moeda

Especialistas destacam que o avanço da digitalização financeira ocorreu graças à estabilidade trazida pelo Real.

Cristiane, de 51 anos, viveu o período inflacionário e a transição para o Real. Daniel, seu filho de 23 anos, sempre vivenciou a estabilidade econômica Foto: Leo Martins / Agência O Globo

Cristiane, de 51 anos, viveu o período inflacionário e a transição para o Real. Daniel, seu filho de 23 anos, sempre vivenciou a estabilidade econômica Foto: Leo Martins / Agência O Globo

RIO — Em 1994, o Plano Real começava a deixar para a História ahiperinflação , que acumulava quase 5.000% em um ano, mudando radicalmente os hábitos dos brasileiros no supermercado, no banco e no cotidiano com a recuperação da confiança na moeda . Hoje, 25 anos depois da estabilização , o brasileiro experimenta uma nova revolução na sua relação com o dinheiro: a digitalização de operações financeiras.

Cada vez mais transações, incluindo as mais cotidianas, são feitas sem o uso de dinheiro vivo. A mudança vem acontecendo aos poucos — e não praticamente da noite para o dia, como foi no 1º de julho de 1994 com o início da circulação do real — e terá impacto não só nos hábitos dos brasileiros, como também na economia. A digitalização e as inovações financeiras, dizem os analistas, ajudarão na redução dos juros e na expansão do crédito.

Em apenas dois anos, 15 milhões de contas digitais foram abertas no Brasil, o que representa 10% do total de 155 milhões do país. Somente entre 2017 e 2018, os pagamentos de contas pelo celular cresceram 80% e as transferências, 119%. Ambos já são mais frequentes em smartphones que nos computadores. Para especialistas, essa nova realidade tem consequências que permitem paralelos com a ruptura provocada pelo real. Se antes da moeda forte ninguém guardava dinheiro na carteira por muito tempo porque o preço do feijão era um de manhã e outro de noite, hoje cédulas perdem espaço para cartões e aplicativos guardados no celular.

Cotidiano sem cédulas

Raul Miyazaki, diretor para a Indústria de Serviços Financeiros da Deloitte, observa que o avanço das tecnologias financeiras no Brasil só é possível na velocidade atual por causa da moeda estável e do sistema bancário saudável, conquistas do Plano Real.

— A estabilização da moeda permite que as pessoas se planejem. A regulamentação torna forte o sistema financeiro. Sem essas duas coisas não adianta ter a melhor tecnologia.

Segundo Silvio Marote, sócio da Bain & Company, a revolução tecnológica acontece mesmo em países onde não houve estabilização, como a Argentina. No entanto, o legado do Plano Real proporcionou ao país uma atratividade para investimentos em soluções de tecnologia que não seria possível sem ele.    

— Em um cenário de inflação alta, o nível de juros mudaria a relação entre risco e retorno. Muito possivelmente, os investidores não teriam a mesmo apetite apresentado hoje. Além disso, pensando nos consumidores, o acesso a bens tecnológicos tenderia a ser menor, reduzindo a base de alcance para esses novos serviços e soluções — observou. 

Cédulas e moedas não fazem parte do cotidiano do estudante de Publicidade Daniel Oliveira. Aos 23 anos, a maioria dos seus serviços bancários está no celular. Sair de casa sem dinheiro no bolso não é problema para ele. O transporte é pago com cartões de recarga que não existiam na época da inflação. Se precisar comprar algo, o importante para ele é ter boa conexão de internet e encontrar um estabelecimento que aceite pagamentos eletrônicos, por aplicativos ou por cartões. A multiplicação de maquininhas pelo comércio facilita a vida de Daniel, mas ele ainda espera mais: pensa não mais na extinção do dinheiro, mas dos cartões.

— Gostaria que todas as lojas tivessem algum aplicativo para fazer os pagamentos. Seja por transferência ou leitura de QR Code — diz Daniel, que já passou sede na rua sem achar alguém que venda refrigerante com cartão ou se surpreendeu quando tomou um táxi e o motorista pediu pagamento em dinheiro no fim da corrida.

Já a mãe dele, a técnica de radiologia Cristiane Oliveira, de 51 anos, não sai sem dinheiro na bolsa, mesmo com a carteira cheia de cartões. Ela e Daniel se diferenciam até na hora de economizar. Ele busca vídeos na internet com indicações de investimentos e usa o celular para fazer aplicações. Já chegou a investir em criptomoedas, como o bitcoin, mas hoje deixa o dinheiro em um CDB. Ela faz aplicações seguras, como títulos públicos, mas só depois de ir ao banco ouvir conselhos do gerente.

Cássia Almeida, Gabriel Martins e Rennan Setti

https://oglobo.globo.com/economia/plano-real-25-anos-apos-entrada-e...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 90

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

© 2023   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço