Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VII

Quantos Steve Jobs você precisa ter em sua empresa?

Poucos meses se passaram da prematura morte de Steve Jobs, e as livrarias de todo o mundo já expõem em suas prateleiras de maior destaque diversos livros falando sobre a vida e a história desse extraordinário empreendedor, bem como sobre a evolução da Apple, empresa por ele fundada, a qual no momento de sua morte estava em seu auge em termos de rentabilidade, crescimento e valor de mercado. Muitos desses livros estão na lista dos mais vendidos desde que foram lançados.

Esse interesse é compreensível tanto pelo sucesso da empresa quanto pela peculiaridade da personalidade do fundador e de seus métodos de gestão. Vale a pena conhecer essa interessante trajetória de vida e de negócios. E procurar aprender com ela.

O sucesso da empresa com produtos inovadores e extremamente bem-sucedidos foi originado em grande medida graças à genialidade de seu fundador. Logo após a sua morte, John Shook escreveu um interessante artigo que mostra a contribuição de Jobs sob a perspectiva lean (Steve Jobs Era Lean?).

Porém, devemos ter o cuidado de olhar atentamente para as nossas empresas, para as pessoas que a constituem, a fim de reconhecer que cada história pessoal e que cada personalidade é única e, por isso, a probabilidade de surgirem novos Steve Jobs em cada empresa é mínima.

Lembrei-me desses fatos em recente visita a uma empresa que tenho acompanhado há alguns anos. Nos primeiros momentos, por ocasião da implementação de um projeto piloto em umas das famílias de produtos (com foco nos principais problemas de determinado processo-chave), notava como o conhecimento sobre os princípios básicos da operação da planta pela direção, gerência e operadores era pouco. A princípio, até acreditávamos que o projeto de transformação lean tinha poucas chances de prosperar por conta dessa pouca qualificação.

Alguns anos se passaram, e para nossa surpresa, repetida ano após ano, o projeto inicial em uma primeira família piloto não só prosperou como se espalhou rapidamente para outras plantas da empresa. No ano que se findou, a empresa economizou milhões em um momento em que as condições de mercado e a competição se acirraram bastante.

Nas visitas mais recentes, notamos o enorme desenvolvimento pessoal dos colaboradores, da direção e da gerência, até nos níveis de supervisão e operação. Através da implementação das técnicas e ferramentas lean, não apenas o conhecimento sobre as operações da empresa melhorou como também o reconhecimento da importância e papel de seus colaboradores por parte de gerentes outrora autoritários. O trabalho em equipe se fortaleceu, muitas melhorias foram implementadas, e os resultados tiveram significativos incrementos ano após ano. Isso, muitas vezes, com ideias geniais, ainda que simples, de operadores resolvendo problemas crônicos e fazendo melhorias, sem investimentos.

Nessa empresa, devido a transformação profunda pela qual estão passando, as atitudes, comportamentos e o conhecimento das pessoas têm ficado muito distante das preocupações e prioridades do departamento de RH, totalmente distante e ausente desse processo. Aliás, como a maioria dos departamentos de RH nas transformações lean. (Veja o artigo: "Incorpore a Mudança em seus Processos de RH").

A maior parte dos departamentos de RH parece estar frequentemente em busca dos talentos individuais, dos "gênios" que trarão grandes e revolucionárias ideias. Cuidado com isso. Cansei de ouvir histórias de gênios e mentes brilhantes que alcançaram grandes vitórias e resultados de curtíssimo prazo. E, com isso, foram promovidos rapidamente, deixando para trás "bombas", que foram explodindo ao longo do tempo.

Assim que uma pessoa "normal" a substitui e começa a entender a situação, nota-se que os resultados conquistados foram de fato fruto de um tipo de genialidade, que através de manipulações simples trouxeram grandes resultados por um curto período de tempo. Não deixa de ser brilhante. Mas espero que você e sua empresa percebam isso. Não há resultados extraordinários, na maioria das vezes, se não houver melhoria significativa dos processos. Ideias geniais e revolucionárias ocorrem muito raramente.

É ótimo se uma empresa tem gênios com ideias brilhantes, pois podem ser conquistados alguns saltos de desempenho. Mas nem todas têm, nem todo dia essas ideias aparecem, e depender somente disso seria um grande risco. Mas todas podem ter milhares de colaboradores diariamente inovando os processos e produtos com ideias simples e alinhadas às necessidades dos clientes - um dos principais resultados do sistema lean. Isso através de seus conceitos de expor e eliminar desperdícios, operar de acordo com o tempo takt, entendendo sistemicamente os principais fluxos de valor, expor e resolver os problemas na base rapidamente e com método científico etc.

Você não precisa nem ser e nem ter nenhum Steve Jobs em sua empresa para fazer com que os resultados melhorem significativamente. Melhorar os processos, examinar de forma crítica as atividades da empresa, resolver os problemas sob a ótica dos clientes, tudo isso trará um desempenho melhor. E assim se desenvolverão as capacidades e o envolvimento das pessoas "normais" de sua empresa.

Cada pessoa tem um potencial enorme de se tornar melhor. Cabe ao sistema de gestão criar as condições para aproveitar e fazer desabrochar essa capacidade reprimida e subutilizada. Sem necessariamente criar gênios. E nem precisa.

José Roberto Ferro 
Presidente
Lean Institute Brasil

Exibições: 79

Tags: Brasil, Institute, Lean

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VII

Comentário de Luiz Bento Pereira em 31 janeiro 2012 às 18:31

Acredito que em cada grupo de mil pessoas, cinco apenas param e pensam para responder com uma pergunta inteligente uma afirmativa tipo assim:

 "Não podemos atender esse pedido, produto fora de linha, não temos mais disponibilidade, qt. insuficiente para produção, etc. etc. ou então não temos condições de aprovar esse projeto, tecnicamente inviável, ecologicamente incorrento, não existem recursos financeiros, etc, etc.

 

MAS... Ninguém precisa necessàriamente ser um Steve Jobs da vida, para fazer uma simples pergunta:

 

QUAIS AS ALTERNATIVAS QUE TEMOS?

 

Basta que todos reflitam sobre isso dentro de uma empresa pra que ela não retroaja ou permaneça estagnada, ou até mesmo vá à falencia, por causa de "profissionais" que simplesmente e somente sabem dizer não.

 

Eu diria, com todo respeito e admiração que tenho pelos genios, que não precisamos copiar ninguém, basta-nos o exercicio de buscar exaustivamente alternativas.

 

 

Textile Industry

O Maior Portal de Informações Têxteis e do Vestuário do Brasil

© 2014   Criado por Textile Industry.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço