Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Redução de jornada de trabalho pode ter efeito nulo na criação de empregos

Fonte: |osamigosdapresidentedilma.blogspot.com|

A redução da carga semanal de trabalho de 44 horas para 40 horas, prevista na proposta de emenda constitucional (PEC 231/95) aprovada na semana passada pela Comissão Especial da Jornada Máxima de Trabalho da Câmara dos Deputados, pode não trazer os benefícios previstos pelos autores da medida.

Teoricamente, a redução da carga em 10% tem um potencial de criar até 2,57 milhões de postos, mas na prática pode ter efeito nulo sobre o mercado de trabalho, avaliam representantes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do próprio Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Em tramitação no Congresso Nacional, a PEC estabelece a redução da carga semanal sem diminuição dos salários e estipula o aumento do adicional de hora extra de 50% para 75% do valor da hora trabalhada.

Estudo da CNI sobre os efeitos da redução da carga horária em termos de custos produtivos mostra que a diminuição da carga sem corte proporcional nos salários provocaria instantaneamente um aumento de 9,1% no custo do trabalho. Em média, a folha de pagamentos representa 22% dos custos industriais totais. Isso significa que a redução da carga horária implicaria um aumento no custo final de produção de 1,99%, na média.

O problema é maior no caso de setores cujo peso da folha de pagamentos sobre o custo industrial chega a 40%. "Em setores como o de confecções e alimentos, que são intensivos em mão de obra, o aumento de custo é maior", diz o presidente da CNI, Armando Monteiro Neto.

Outra preocupação é com o impacto da medida sobre pequenas e médias indústrias, que respondem por mais de 50% do emprego industrial no país. "As grandes empresas podem reduzir o impacto desse custo modernizando fábricas, mas a pequena indústria muitas vezes não tem acesso a financiamento para se modernizar e por isso utilizam intensamente a mão de obra", pondera Monteiro Neto.

Ele observa ainda que a carga horária estabelecida no Brasil está dentro da média mundial, sendo que países como Alemanha, Argentina, Chile, Dinamarca, Holanda, México e Inglaterra adotam regime semanal de 48 horas de trabalho. O último estudo realizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) revelava que 22% dos empregados do mundo trabalham mais de 48 horas por semana. No Brasil, esse índice chega a 18,3%, com carga horária maior sobretudo nos setores de comércio e serviços.

O economista do Dieese Cássio Calvete calcula que com a redução prevista na PEC, cria-se um potencial de 2,572 milhões de empregos no país. O cálculo leva em consideração os dados mais recentes do mercado de trabalho divulgados pela Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho.

Em 2007, havia no Brasil 25,911 milhões de trabalhadores empregados, dos quais 25,514 milhões estavam submetidos a contratos de 44 horas semanais; 75.141, a contratos de 43 horas; 299.722 trabalhavam 42 horas, e 22.474, cumpriam 41 horas por semana. Juntos, esses trabalhadores respondiam por 102,9 milhões de horas além das 40 horas semanais, número que possibilitaria a contratação de 2,572 milhões de empregos - considerando-se apenas o saldo além das 40 horas semanais.

Ainda segundo cálculo do Dieese, considerando que o número de horas extras feitas no Brasil chega a 52,8 milhões por semana (segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio -PNAD), existe potencial para criação de 1,2 milhão de empregos no país - levando-se em conta a carga horária atual, de 44 horas semanais; reduzindo-se a carga para 40 horas, o potencial de geração de empregos cresce para 1,3 milhão de postos.

"Esses são números potenciais. Sabemos que, se a jornada for efetivamente reduzida, os empresários compensarão de outras formas, ampliando o número de horas extras, intensificando o ritmo de trabalho ou investimento mais na automatização dos processos", observa o Calvete.

O presidente do Ipea, Marcio Pochmann, considera que a redução da jornada, se for aprovada, pode contribuir para um pequeno aumento no nível do emprego, mas a tendência mais provável é de que as empresas optem por pagar a hora extra aos seus quadros atuais, ainda que isso provoque aumento nos custos produtivos. "É preciso considerar como se portariam os diferentes setores. A economia caiu 4% de outubro a março puxada pelo setor industrial. O setor terciário cresceu acima de 4% e o setor agropecuário ficou estagnado. Cada área terá uma reação diferente, dependendo da sua estrutura e do cenário econômico", diz.

Para Calvete, do Dieese, para gerar postos de trabalho efetivamente, seria necessário regulamentar um limite para realização de horas extras no Brasil. A legislação atual estipula o máximo de dez horas diárias e a Justiça, normalmente estipula pagamento adicional de 50% sobre a hora extra e adicional de 75% quando a carga extra extrapola o limite de 2 horas por dia.

"O grande problema no Brasil é que a hora extra virou ordinária, não há limitação. A maioria dos países limita a 200 horas extras por ano. Na França, o limite é de 230 horas. Na Áustria, o limite é de 260 horas. Seria necessário regulamentar melhor, por exemplo, o banco de horas, para que as horas excedentes trabalhadas não impeçam a geração de empregos", afirma Calvete.

Por: Helena

Exibições: 39

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Comentário de António Manuel Miranda em 20 janeiro 2011 às 12:13

Esta proposta, se aprovada vai ser um tiro no pé.
Eu já vivi esta redução na Eurpopa e que mostrou-se totalmente contra-producente, pois o resultado foi contrário ao esperado, já que além do emprego não ter aumentado, houve desemprego, já que as empresas também reduziram suas horas de atividade e aumenaram, em muito a produtividade.
Portanto, esta proposta sera totalmente negativa para a geração de emprego.

Comentário de Ricardo Keller em 14 julho 2009 às 19:48
OUTRO ANGULO DA REDUÇÃO DE HORAS TRABALHADAS

Horas semanais trabalhadas na Europa desde 2003:
Segundo dados levantados na internet as horas semanais acordadas e regulamentadas junto a União Européia estão nas seguintes faixas:
Alemanha e França 35.7 e 35,6 hs.
Entre 37 e 37,5: Dinamarca, Bélgica,Inglaterra,Noruega e Holanda
Entre 38,5 e 40 horas semanais: Alemanha ( parte oriental),Espanha, Austria, Portugal, Finlândia e Itália.
Na Volkswagen da Alemanha já se discute 36 horas em 4dias, conceitos de flexibilização de horas já estão à muito introduzidos em vários países de primeiro mundo alfabetizado.

Se a “crise marolinha” ainda esta dando trabalho, como alega o governo, para que reduzir?
Como sabemos estas reduções foram empurrando as indústrias têxteis, calçados e outras com grande quantidade de mão de obra, para os paises do terceiro mundo.
A indústria automobilística robotizou tanto que o tiro saiu pela culatra em alguns países.

Ainda não está na hora de deixarmos este terceiro mundo de analfabetos canavieiros e políticos. Precisamos de no mínimo uma geração para trazer a mão de obra que será desocupada no campo nos próximos 10 anos (pela automatização) para alfabetizar e dar educação mínima para que possam habitar e trabalhar nas grandes cidades, já que o governo e a industrialização não vão reverter este fluxo migratório.
A situação escolar como é conhecida não da indicações de estar evoluindo em volume e qualidade principalmente no interior.
Será que os políticos não enxergam isto? Claro eles querem é votos e vão ganhar apoio dos que tem emprego, que são os que vão cavar a própria cova, pois os desempregados continuarão a ser “abastecidos” pelos que ainda podem trabalhar, naturalmente com benesses tipo bolsa família etc.
Ricardo Keller
Eng. e Técnico Têxtil 64

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço