Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

Mais de 510 anos depois dos portugueses chegarem ao Brasil, é agora a vez das empresas nacionais darem a conhecer em Terras de Vera Cruz as mais recentes novidades em têxteis-lar, estreando-se na primeira edição independente da feira Têxtil House, em São Paulo, no mês de Agosto.

A nova feira brasileira, que até agora se realizava integrada na House & Gift Fair, tem a sua primeira edição independente de 26 a 30 de Agosto. «É um nicho de mercado que tem se expandido a passos largos, que ganhou força nos últimos anos», considera Frederico Cury, director-executivo da Grafite Feiras, a entidade responsável pela organização do certame.

Com 15 mil m² de área de exposição no Pavilhão de Exposições do Anhembi, a Têxtil House antecipa a presença de grandes marcas de roupa de cama, mesa e banho, tapetes e carpetes, cortinas e acessórios para cortinas e tecidos para revestimento e decoração. Entre as marcas e empresas que já confirmaram presença estão as portuguesas Ideia 2003, Homania, AMR e Jotabe, todas integradas numa delegação da Associação Selectiva Moda, apoiada pelo Qren.
A empresa portuguesa Ideia 2003 vai mostrar no Brasil «artigos produzidos a partir dos nossos materiais mais ecológicos (o bambu e o algodão orgânico) e as versões mais simples e sofisticadas dos nossos produtos. Linhas depuradas, cores suaves e qualidade superior serão os nossos destaques em São Paulo», revela Lara Pimentel, directora de relações comerciais da Ideia 2003, que espera «encontrar fortes possibilidades de negócio, nomeadamente na área metropolitana de São Paulo, que representa actualmente a quarta maior aglomeração urbana do mundo, com quase 20 milhões de habitantes. Contudo, além do potencial de negócio, esperamos aprender um pouco mais sobre este mercado emergente e levar mais longe a nossa marca [Prince of Cotton]».

Direccionada para pessoas que gostam de estar em casa, a marca Homania, que deriva da junção das palavras Home (casa) e Mania, tem como filosofia «demonstrar que com os artigos da Homania as pessoas têm a “mania de estar em casa” para usufruir do conforto que lhe foi proporcionado», explica Noël Ferreira, administrador da A. Ferreira & Filhos, a empresa que detém a marca. Em destaque na nova colecção de mantas tricotadas que a Homania irá apresentar estão «a influência de motivos naturais em temas rústicos de coloridos sólidos e pigmentados pela floresta e incidências no romantismo campestre de outrora, com espírito manual que faz lembrar rendas antigas», sublinha o administrador, que pretende com esta participação «alcançar novos mercados, bem como a divulgação do produto desenvolvido».

Na AMR, os lençóis com elevados número de fios, uma luxuosa textura acetinada e tons pastel estarão em evidência, assim como as «colchas em jacquard matelassé, com acabamentos suaves que permitem um bom descanso. Para os amantes da cor temos também uma agradável surpresa já que vamos introduzir um apontamento que certamente despertará sentimentos de alegria», desvenda Ana Maria Ribeiro, gerente da empresa. «Fizemos um levantamento dos gostos dos brasileiros para a decoração da casa e sabemos que eles optam por cores neutras, sobretudo na linha de cama. Os tons pastel predominam sempre nas colecções que apresentamos para o segmento alto, pelo que entendemos que temos produtos que se adequam ao mercado», acredita Ana Maria Ribeiro.

Já «as colecções de linha de cama das marcas Innovar e 1986 valorizam a qualidade e o conforto utilizando apenas tecidos 100% algodão», afirma Pedro Lobato, administrador da empresa Jotabe. Entre os destaques que serão apresentados em São Paulo estará a linha em ponto Oxford a lembrar a camisaria masculina, onde os típicos desenhos clássicos e os botões de punho não foram esquecidos, sempre marcados por uma certa intemporalidade e frescura, onde se destacam os tons sofisticados e luminosos e a qualidade dos materiais e acabamentos. «O objectivo principal será a entrada directa no mercado brasileiro de retalho, redes de lojas, etc., ou indirectamente, utilizando um distribuidor local para a colecção Jotabe», conclui Pedro Lobato.

 

fonte: Portugal Têxtil

 

Exibições: 169

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço