Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Algodão caro, roupa idem: coleções de outono/inverno devem vir com preços maiores

RIO - Apesar do câmbio favorável para a importação, o algodão está em alta no mercado internacional. A cotação da matéria prima subiu cerca de 50% em quatro meses, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit). Mesmo com um cenário que exige reajuste nas peças, muitas lojas estão atraindo os consumidores com promoções acima de 50%.

- A cotação do algodão, alvo de muita especulação dos mercados, chegou a bater o recorde dos últimos 30 anos. As coleções de inverno já devem sofrer os impactos dessa alta. As de agora ainda podem ter preços melhores porque muitas lojas fecham suas encomendas com alguma antecipação - disse José Augusto de Castro, vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

O empresário Rodrigo Ribeiro, sócio da grife masculina Foxton, já registrou um avanço de 40% nos preços do algodão. As altas somente não foram repassadas agora para os consumidores da marca porque a grife já havia feito as encomendas de peças antes da escalada dos preços da matéria prima.

- Conseguimos garantir bons preços para as peças do verão e mesmo para as roupas do fim de ano. Porém, as coleções de inverno já vão vir com preços mais altos - comentou Ribeiro, também estilista da marca, que espera aumento de vendas de 25% sobre igual período do ano passado até por causa de bônus nas compras acima de R$ 400.

Os efeitos do algodão, somados aos da renda - mais gente com mais dinheiro disponível para gastar acaba pressionando os preços -, já afetaram os preços do vestuário. Segundo o IBGE, o preço desses artigos, que incluem ainda calçados e bolsas, vem aumentando desde setembro, sendo que no ano já acumulam alta de 5,83%, acima da variação da inflação geral até novembro (de 5,07%). Com isso, aquela roupinha nova para a festa do réveillon chega mais cara do que no ano passado.

- O vestuário não foi o principal vilão da inflação neste mês de novembro. Mas teve uma participação relevante em novembro - disse Fábio Romão, economista da LCA.

Promoções atingem de roupas masculinas a lingeries

Enquanto os preços não sobem ainda mais, os consumidores podem aproveitar, inclusive, algumas promoções das lojas. Na Leader, o consumidor encontra ofertas: regatas gaivotas (estilo surf retrô) de R$ 39,99 por R$ 29,99 e regata básica T-Plus (para gordinhas) de R$ 29,99 por R$ 19,99 (ambas na filial do Catete). Na Dinde Empório Feminino, no Shopping BarraSquare, vestido em seda pintada de R$ 385 por R$ 180 e camisa em tricoline listrada com bordado de R$ 140 por R$ 45. Na Aroma Natural, no Botafogo Praia Shopping, há promoção de 20% a 50% em todas as lingeries. Na AD Life Style, até o fim do mês, há ofertas de até 30% nas compras acima de R$ 600. A Fábula, acima de 30 peças selecionadas, o desconto pode chegar à 50%.

link: http://oglobo.globo.com/economia/mat/2010/11/27/algodao-caro-roupa-...

Exibições: 77

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço