Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Ambientes saudáveis alicerçam a reputação corporativa

https://futurodotrabalho.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/2021/03/site-abre-300x122.jpg 300w, https://futurodotrabalho.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/20... 1024w, https://futurodotrabalho.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/20... 768w" sizes="(max-width: 1180px) 100vw, 1180px" width="1180" height="480" />

Expectativa de profissionais para o período pós-Covid-19 aponta trabalho mais flexível, empático e solidário, conduzido por nova geração de empreendedores e empresas focados em temas como diversidade, inclusão e sustentabilidade.

Tecnológico e, paradoxalmente, muito mais humanizado. Flexível, empático, solidário. Realizado por pessoas preocupadas com a saúde individual e coletiva, em ambientes saudáveis — de casa, do escritório, da montanha ou da praia. O trabalho depois da Covid-19 será assim, conduzido por uma nova geração de empreendedores e empresas focados em temas prioritários diferentes, como diversidade, inclusão e sustentabilidade. Esse é o panorama traçado pelos resultados de “Futuro do Trabalho 2021 – Uma Visão Pós-Pandemia”, estudo do Meio & Mensagem que aponta tendências e apresenta as principais mudanças em andamento. A pesquisa, que chega agora à sua terceira edição e consolida dados qualitativos e quantitativos, foi desenvolvida pela estrategista Cintia Gonçalves, fundadora da consultoria Wiz&Watcher, em parceria com Diego Selistre, head de pesquisa e estratégia da Chazz, e Alexande Catelan e Pierre Cohen, sócios da empresa de insights e analytics Provokers. Na parte qualitativa, foram realizados grupos de discussão por videoconferência em dezembro de 2020, com pessoas das classes A, B e C, incluindo trabalhadores de 20 a 30 anos, gestores de 35 a 45 anos e empreendedores de 20 a 45 anos. Na etapa quantitativa, realizada pela Provokers, 350 pessoas economicamente ativas, de 18 a 60 anos, de ambos os sexos (50% mulheres, 50% homens), das classes A (6%), B (36%) e C (58%), moradoras de São Paulo, responderam online, em fevereiro de 2021.

Como não poderia deixar de ser, a crise sanitária global perpassou todo o conteúdo apurado. “Em 2020, o mundo viveu uma transformação na forma de trabalhar”, resume Samantha Mazzero, diretora acadêmica do Profuturo, núcleo de estudos do futuro da Fundação Instituto de Administração (FIA), criada por professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP). “Mais do que pensar em carreiras emergentes, é preciso trocar o raciocínio para competências e habilidades que se tornarão fundamentais”, acrescenta. Segundo a pesquisadora, o movimento exige “uma metamorfose mesmo, do tipo de lagarta para borboleta”. Saber ouvir, enxergar o outro e ser curioso puxam a lista, que coloca ainda criatividade e resiliência no topo das características valiosas. “Os tomadores de decisão hoje querem avaliar alternativas. Indivíduos criativos conseguem pensar diferente e gerar soluções inovadoras”, explica ela. Já o último elemento, a resiliência, está ligado à capacidade de se reinventar. Um exemplo: o setor de turismo, talvez o mais afetado pela pandemia, que precisou de (olha ela aqui de novo) muita criatividade para sobreviver.

No dicionário do profissional bem-sucedido do futuro, “ação” será outra palavra-chave — o idealizador de antes abre espaço para aquele que, de fato, realiza. “Gestores estão em busca de terminativas, mais do que de iniciativas”, compara Samantha. “Vem daí o boom das startups: elas não podem só sentar e esperar, têm de atingir resultados concretos dentro de um determinado período.”

Saúde mental

O estudo “Futuro do Trabalho 2021” mostra ainda que trabalhar em casa aprimorou a administração do tempo. Após a experiência, as pessoas querem um mix do presencial com o virtual ou a liberdade de escolha entre os dois modelos. Sabe-se agora que produtividade pode acontecer em qualquer lugar, mas um ambiente sadio é sempre mais produtivo. Entra em cena, então, uma nova prioridade para os profissionais, os líderes e as organizações, que não costumava frequentar o universo corporativo: a saúde mental. “Qualidade de vida está diretamente relacionada a produtividade e compromisso. Empresas que trilhem o caminho da inclusão e da preocupação legítima com os indivíduos vão atrair os maiores talentos e obter deles um forte comprometimento”, analisa a pesquisadora do Profuturo. Na ponta oposta, o “burnout” de um funcionário significa riscos em cadeia, ela alerta. “Ele é péssimo para a equipe, para o líder e para a companhia, que acaba passando uma imagem ruim para todo o mercado.”

Um dos parceiros de Meio & Mensagem na série especial, o estrategista Diego Salistre conta que esta é a primeira edição em que os participantes falaram de emoções. “Saúde se tornou algo tão essencial que as pessoas nem perguntam mais se podem marcar uma consulta médica, elas marcam e apenas avisam.”

https://futurodotrabalho.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/2021/03/20.1110_MM_Netle-Start_up-034-300x157.jpg 300w" sizes="(max-width: 575px) 100vw, 575px" width="575" height="300" />

Escritório da Nestlé, em São Paulo: produtividade pode acontecer em qualquer lugar, mas um ambiente sadio é sempre mais produtivo (Crédito: Arthur Nobre)

Novas competências

A ascensão do home office — que, já é um consenso, veio para ficar — alterou o perfil de colaborador desejado pelas organizações. Ele deve ser disciplinado, flexível e autônomo, capaz de se concentrar e automotivar, enumera Genis Fidelis, gerente das recrutadoras Michael Page e Page Personnel.

Agilidade e assertividade também ganham peso, já que a resposta rápida das empresas ao consumidor e a imagem que transmitem nunca foram tão importantes como na era das redes sociais. “Competências técnicas seguem prestigiadas, mas as emocionais atualmente são mais decisivas”, afirma Fidelis. “O candidato mantém a performance de casa? Gerencia bem seu tempo? Além disso, as companhias agora buscam saber o posicionamento da pessoa em relação à diversidade. Empresas e líderes do futuro vão querer se mostrar diversos e inclusivos.”

De acordo com o executivo, vagas que pedem “experiência de cinco anos”, por exemplo, são cada vez mais raras. “Quanto mais o profissional passeia por áreas diferentes, melhor, porque traz uma visão mais holística”, diz ele, que não projeta as corporações voltando ao antigo normal após o coronavírus. “Teremos um modelo híbrido de físico com virtual. Todas farão medições e talvez concluam que a produtividade era calculada de maneira errada.”

Para Nélio Bilate, coach de desenvolvimento humano da NB Heart, a necessidade de maturidade e ressignificar o ócio são alguns dos impactos da pandemia que permanecerão. “Todos precisarão desenvolver novos tipos de relação, sem cafezinho, sem almoço de negócios, sem jantar em viagem corporativa”, diz. O trabalho virtual trouxe ainda o que ele chama de “síndrome da culpabilização”. “Muitos líderes e funcionários se sentem mal com essa modalidade. Existe uma lógica social enraizada que valoriza ir ao escritório.”

Com as vidas profissional e pessoal embaralhadas, dedicar tempo ao ócio tem sido um desafio corriqueiro, observa o consultor. “Mas é no lazer que as pessoas encontram reflexão, inovação, criatividade, além de cuidarem de sua saúde mental”, ressalta. “Acho engraçado quando ouço ‘Ah, meu time não inova’. Como o ser humano vai fazer inovação se não tem tempo nem para ver um filme ou ler um livro?”

https://futurodotrabalho.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/2021/03/home-office_Morsa-Images_iStock-300x200.jpg 300w" sizes="(max-width: 575px) 100vw, 575px" width="575" height="383" />

Home office aprimorou a administração do tempo: agora, as pessoas querem um mix de presencial e virtual ou liberdade de escolha entre os dois modelos (crédito: Morsa Images/iStock)

Reputação corporativa

Entre pesquisadores do tema e consultores, é unanimidade que a pandemia acelerou um cenário já há tempos desenhado. As organizações precisarão se humanizar — olhar para seus colaboradores, a sociedade e o planeta. “As empresas bem-sucedidas do futuro serão mais humanas, com representatividade social, ampla mistura no quadro funcional, cultura organizacional que sirva à estratégia e clareza corporativa”, aponta Bilate. “Elas vão falar: ‘Sim, eu gero muito plástico atualmente, mas estou matando a fome de milhares de pessoas e farei isso, isso e aquilo para limitar a quantidade de plástico que despejo no ambiente até 2025’.”

Reduzir a pegada de carbono e combater a mudança climática já entraram para a agenda do presente. Diante de consumidores e clientes mais conscientes, engajados em pautas sociais, a sustentabilidade se junta a temas como equidade, diversidade e inclusão, ganhando mais e mais relevância. “Vai crescer ainda mais o poder da reputação corporativa. E isso vai muito além da relação de consumo”, diz a estrategista Cintia Gonçalves, parceira de Meio & Mensagem no projeto Futuro do Trabalho. “As pessoas querem saber o que a empresa provoca no planeta, como beneficia a sociedade, como trata seus funcionários.”

Dentro das companhias, a humanização também ajudará no desafio de reter talentos, e novos modelos de conexão serão frequentes. “A antiga relação monogâmica que tínhamos com o trabalho já está sendo substituída. Poderemos ter, ao mesmo tempo, relações com diferentes empresas, em diferentes formatos”, acrescenta Cintia.

https://futurodotrabalho.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/2021/03/Circulos-300x257.jpg 300w" sizes="(max-width: 536px) 100vw, 536px" width="536" height="460" />

Na fase qualitativa da pesquisa Futuro do Trabalho, foram realizados grupos de discussão por videoconferência, em dezembro de 2020, com trabalhadores, gestores e empreendedores, das classes ABC, de 20 a 45 anos. Um dos exercícios foi a Dinâmica dos Círculos, em que eles escreveram seus desafios e aprendizados

País de empreendedores

Outra tendência trazida pela Covid-19 é a aceleração do empreendedorismo. Em 2020, o Brasil bateu o recorde de novos microempreendedores individuais (MEIs): foram quase dois milhões de registros, o maior número desde 2009. Existem hoje 11,3 milhões de MEIs ativos no País, 20% a mais do que no final de 2019. Estimativa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) indica que cerca de 25% da população adulta está envolvida com a abertura de um novo negócio ou uma empresa de até 3,5 anos de atividade.

Ainda de acordo com o Sebrae, a crise econômica provocada pela pandemia impulsionou esse crescimento. O pesquisador Diego Salistre recorre à metáfora “todos sob a mesma tempestade, mas em barcos diferentes” para avaliar como as diferentes classes sociais têm atravessado o momento no Brasil. “Alguns podem trabalhar em casa, outros precisam ir para a rua ou para a linha de frente de combate ao vírus. Alguns têm estrutura doméstica, espaço confortável, computador satisfatório, boa conexão, enquanto, para a classe C, um aumento de R$ 100 nas contas de luz e internet já causa grande impacto no orçamento”, diz ele. “É aquela história, uma parte do País está num transatlântico e outra, num caiaque a remo.”

Surfar a onda do negócio próprio será um movimento liderado por empreendedores das classes C e D, segundo a pesquisadora Samantha Mazzero, do Profuturo. “São pessoas que sonham ser a nova Cacau Show, que veem a Luiza Trajano como modelo a ser seguido e que têm maior propensão ao risco. O trade-off delas é melhor, já que não estão presas ao que chamamos de algemas de ouro — o cargo de VP para largar, o plano de saúde caríssimo do filho para abrir mão”, explica. “Com uma reforma tributária adequada, poderíamos ter o primeiro caso de crescimento da economia vindo da população.”

https://futurodotrabalho.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/2021/03/grafico01-271x300.jpg 271w" sizes="(max-width: 540px) 100vw, 540px" width="540" height="597" />

https://futurodotrabalho.meioemensagem.com.br/wp-content/uploads/2021/03/grafico02-243x300.jpg 243w" sizes="(max-width: 540px) 100vw, 540px" width="540" height="666" />

Exibições: 28

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço