Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

Contratações de tecnologia entram no ‘Grande Congelamento’

Número crescente de empresas de tecnologia está começando a frear as contratações. Mas será essa a hora de parar de investir em talentos?

Charlotte Trueman, Computerworld
Imagem: Reprodução/Shutter Stock

À medida que a crise econômica global continua se aprofundando, muitas empresas de tecnologia estão reagindo aos temores de uma recessão iminente freando as contratações.

Embora a redução dos custos da folha de pagamento possa parecer uma maneira fácil de reduzir os gastos no momento, o cenário de trabalho permanece em um estado de fluxo, com pesquisas mostrando que os trabalhadores são tão pessimistas em relação ao clima econômico quanto seus empregadores.

Como resultado, 60% dos candidatos a emprego nos Estados Unidos dizem sentir mais urgência em encontrar um emprego agora, antes que as condições do mercado mudem para pior. Isso pode deixar as empresas que decidiram parar de contratar com uma drenagem de talentos que não conseguem tapar.

Onde o congelamento de contratações está acontecendo?

Google e Microsoft estavam entre as primeiras empresas a anunciar uma pausa nas contratações, rapidamente seguidas por Meta, Apple e muitas outras.

Conforme relatado pelo The Verge, o Google enviou um memorando à equipe em julho afirmando que a empresa estaria “diminuindo o ritmo de contratação pelo resto do ano”. Pouco mais de uma semana depois, o The Information informou que Prabhakar Raghavan, Vice-Presidente Sênior do Google, enviou um e-mail para informar aos trabalhadores que nenhum novo funcionário seria contratado durante as duas semanas seguintes. O congelamento supostamente não afetará as ofertas de emprego existentes, mas nenhuma nova oferta será estendida a qualquer pessoa com inscrições ainda pendentes.

A Microsoft também anunciou que retiraria todos os seus anúncios de emprego em aberto e implementaria uma desaceleração nas contratações no futuro próximo. A desaceleração das contratações afetará predominantemente as unidades de nuvem e segurança da empresa, de acordo com um relatório da Bloomberg. O anúncio ocorre dois meses depois que a Microsoft disse que planejava desacelerar as contratações em seus grupos de software Windows, Office e Teams.

Google e Microsoft não são as únicas empresas de tecnologia que começaram a adotar uma abordagem mais cautelosa na contratação. No início deste ano, o Twitter inicialmente emitiu um congelamento de contratações e, em seguida, demitiu 30% de sua equipe de aquisição de talentos, no início deste mês.

No final de junho, o CEO da Meta, Mark Zuckerberg, foi hostil em uma ligação com os funcionários, dizendo que “realisticamente, provavelmente há um monte de pessoas na empresa que não deveriam estar aqui”. Um mês depois, os resultados financeiros do segundo trimestre de 2022 da empresa mostraram seu primeiro declínio na receita, com Zuckerberg dizendo aos investidores que o clima econômico parecia ainda mais grave do que no trimestre anterior.

Na mesma época, a Apple também anunciou que, embora a empresa continue investindo no desenvolvimento de produtos, não aumentará mais o número de funcionários em alguns departamentos no próximo ano.

Um cenário de contratação incerto

Esses movimentos ocorrem em um cenário de incertezas no cenário geopolítico e econômico, que levou a maioria das organizações a ajustar suas perspectivas financeiras. Um agregador de demissões da TrueUp estima que desde o início de 2022, 487 empresas de tecnologia anunciaram demissões, impactando 86.166 funcionários.

Jack Kelly, fundador e CEO do The Compliance Search Group e Wecruiter.io, disse que as empresas sempre tomarão medidas para mitigar as más condições econômicas, com o corte de custos na força de trabalho, geralmente, sendo uma opção fácil.

“A parte triste é que as empresas quase sempre procuram imediatamente cortar os custos dos trabalhadores”, disse ele. “Nunca é o CEO dizendo ao conselho de administração: ‘Ei, vamos todos fazer um grande corte’. Isso deveria acontecer, mas, em vez disso, as empresas acabam cortando salários e benefícios. Acho que vamos ver o mercado de trabalho se tornar muito fraco, dificultando a muitas pessoas encontrarem emprego”.

Como locais de trabalho podem responder?

Kelly disse que as empresas também devem se tornar mais cuidadosas sobre como contratam e, onde os congelamentos de contratação se transformam em demissões, podemos ver uma reversão em algumas das práticas de trabalho flexíveis que surgiram da pandemia, pois os funcionários temem ser rotulados como “acomodados” ou “de baixo desempenho”.

“Eu não ficaria surpreso se muito mais pessoas voltassem ao escritório porque, honestamente, eu voltaria”, disse Kelly. “Eu ficaria com medo se eles decidissem demitir pessoas e eu estivesse em casa. Se eles não me viram ou não se lembram de quem eu sou, será mais fácil se livrar de mim do que alguém que está no escritório todos os dias”, acrescentou. Essa questão do viés de proximidade continua sendo motivo de preocupação entre as organizações que buscam implementar com sucesso modelos de trabalho híbridos.

No entanto, Sean Farrington, Vice-Presidente Executivo da EMEA da empresa de software de treinamento Pluralsight, não acredita que fechar a porta para novos recrutas em potencial seja necessariamente a solução mais sensata em tempos difíceis.

Embora a economia na Europa não seja mais saudável, Farrington disse que as empresas europeias com grandes equipes de tecnologia com as quais ele conversou estão avaliando o talento que já possuem e estão procurando oportunidades para aprimorar e treinar os funcionários existentes.

Farringdon não vê os cortes na força de trabalho como a abordagem mais sensata para reduzir custos. “Especialmente considerando o cenário de uma crescente lacuna de habilidades em indivíduos tecnicamente qualificados e o diálogo político mais amplo sobre como reinventamos a economia para um mundo digital”, disse ele.

Pesquisas mostram que os funcionários desejam receber treinamentos regulares e a chance de desenvolver novas habilidades e são mais propensos a permanecer em uma empresa se tiverem essas oportunidades. A Grande Resignação foi um grande tema de conversa no primeiro semestre deste ano e, para as empresas que não estão mais contratando, perder mais funcionários não é uma opção.

“Se uma pessoa deixa sua organização, você tem uma lacuna e, portanto, não pode ser tão eficiente e produtivo quanto era”, disse Farringdon. “A primeira coisa que você deve fazer é ter cuidado com seu capital humano e se certificar de não perder pessoas sem querer por não demonstrar compromisso com seus funcionários ou deixar de mostrar que os valoriza de alguma forma”, disse ele.

Embora o mercado de trabalho tenha se recuperado amplamente após a pandemia, a recessão iminente provavelmente trará um novo conjunto de desafios para quem procura emprego. Embora os congelamentos de contratações em empresas de tecnologia ainda não tenham se transformado em demissões em massa, aqueles atualmente empregados ainda se encontrarão lutando contra salários estagnados, aumentos salariais abaixo da inflação e aumento dos custos de deslocamento ligados à espiral dos preços da gasolina, à medida que os tempos de expansão parecem estar chegando a um fim.

https://itforum.com.br/noticias/atos-abre-mais-de-300-vagas-para-pr...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 20

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço