Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Fonte:|valoronline.com.br|

Para uma indústria como a de colchões, considerada ainda pouco inovadora, a Flex do Brasil saiu na frente, correu atrás de novidades e descobriu o equilíbrio entre os lucros econômicos, sociais e ambientais.
Depois de introduzir a viscose de bambu no revestimento dos colchões,
que levou a temática ecológica ao consumidor, e conseguir aumento de
vendas de 20% nos 800 pontos de venda, lançou o ecofair, tecido
proveniente de cadeias certificadas de comércio justo e com comprovação
de rastreabilidade na etiqueta.

Na tentativa de sair do lugar-comum, a Flex encontrou a empresa belga DesleeClama que fabrica tecidos a partir do algodão orgânico. O algodão é produzido em comunidades da Índia e da Tanzânia, com certificação de
autenticidade e qualidade no cultivo orgânico, segundo Bete Bustamente,
gerente de marketing da Flex. "A utilização dessas matérias-primas é uma
novidade com forte apelo de vendas."

O lançamento do Ecofair, o colchão forrado com o tecido que segue os princípios do comércio justo, foi em maio de 2010, com distribuição para 160 pontos. Desde então, o produto já responde por 6% das vendas da
empresa. "O varejista utiliza o argumento do comércio justo para vender
mais e o consumidor fica estimulado e orgulhoso de ser um elo dessa
cadeia", diz Bete.

Cada lote de compra do fio de algodão da DesleeClama é certificado. "O consumidor pode acompanhar pela etiqueta toda a trajetória do fio - desde o plantio e colheita até a fiação até se transformar no tecido que
reveste o colchão que está comprando", explica Edmilson Santoro,
diretor geral da Flex do Brasil.

Embora a matriz da empresa seja na Espanha, a iniciativa do novo conceito foi da Flex do Brasil. A receptividade conquistada pelo Ecofair agradou a matriz - "tanto que o produto será lançado na Espanha já no
próximo ano", diz Bete. "A ideia é divulgar o conceito de comércio
justo, argumento de vendas para o varejista e irresistível para o
consumidor", segundo Santoro. "Todos saem ganhando."

O apoio à essa causa entusiasmou a Flex do Brasil a apoiar duas
comunidades do Nordeste que também trabalham com comércio justo, numa
fase ainda embrionária. Novo Chão e Nova Descoberta, as organizações
sociais selecionadas, recebem 2,5% do lucro da Flex em cada colchão
vendido para desenvolver seu trabalho. "Queremos que a empresa seja
também um agente de mudança social de forma inclusiva", diz Santoro.

Exibições: 123

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Comentário de Fabio Germiniani-TRIUMPH TEXTIL em 23 novembro 2010 às 10:09
No Brasil ja existe algumas cooperativas que cultivam o algodao organico,até colorido; embora nao tenha na qualidade o seu principal atributo, mas, com este tipo de desenvolvimento e destinando recursos, conseguira a qualidade desejada.A Triumph ja testa estas fibras a 2 anos com bons resultados...
Comentário de Luiz Gustavo Moreira em 23 novembro 2010 às 6:06
Caro Srs ,

Apesar de ser muito bonito e justo para eles , como fica nosso produtor aqui no Brasil ?

Luiz Gustavo

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço