Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Sem qualidade, setor têxtil do Brasil não consegue competir com a moderna indústria chinesa

O boletim informativo da Interface Engenharia Aduaneira destaca hoje valoroso depoimento do presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Matérias Primas Têxteis (Abitex), Jonatan Schmidt, criticando a falta de uma política de desenvolvimento produtivo no Brasil.

Para ele, a União tem ficado mais rica e com menos obrigações na prestação dos serviços públicos e, para piorar, vem falhando na transparência e na prestação de contas à população.

As indústrias chinesas, ressalta Schmidt, são bastante modernas, contrariando o pensamento daqueles que pensam ser os empreendimentos chineses locais "macabros". O presidente da Abitex é enfático ao apontar que o Brasil não consegue competir com a China por absoluta falta de qualidade.

Confira abaixo artigo do presidente da Abitex na íntegra.

********************************************

* por Jonatan Schmidt

O discurso “skafiano” da chamada desindustrialização brasileira, e que era encampado pelo Governo Federal como verdade absoluta, está sendo negado pelo atual titular do MDIC, Ministro FERNANDO PIMENTEL.

Em matéria divulgada pelo VALOR ECONÔMICO ONLINE (30/06/2011, 16:13h), PIMENTEL, considerado um dos Ministros mais próximos da Presidenta DILMA, foi taxativo: Há quem chegue a dizer que estamos correndo risco real de desindustrialização. Não é verdade.

Nesta mesma oportunidade, FERNANDO PIMENTEL disse que “a indústria sofre de perda de qualidade e de competitividade”, informando que o Governo “vai trazer soluções para esse problema ao anunciar o programa de desenvolvimento produtivo, em julho, com incentivos e desonerações, principalmente para empresas inovadoras”.

Enfim, parece que o Governo está descartando o discurso de um “sem-indústria”, como o ilustre Presidente da FIESP já foi chamado pelo jornalista JOSIAS DE SOUZA...

Vindo de um ‘sem-indústria” arruinado, o discurso da desindustrialização, inegavelmente absurdo e desfocado da realidade brasileira, se mostra como uma máscara para ocultar a verdade sobre a indústria brasileira em geral, com inegáveis e honrosas exceções.

Como bem disse o Ministro PIMENTEL, a indústria brasileira perdeu qualidade e, consequentemente, não consegue competir com a industria chinesa.

É lamentável que ainda há quem imagine que as industrias chinesas sejam locais macabros, com maquinários antiquados e sem tecnologia. Estas pessoas estão totalmente desinformadas... Basta ver o trem bala ligando PEQUIM a XANGAI, numa distancia de 1.318km, com velocidade de até 350km/h... Tecnologia totalmente chinesa... E o que dizer da “pequena” ponte com cerca 42km de extensão, fazendo a ligação entre a cidade e os subúrbios de Huangdao, na baía de Jiazhou? Tudo “xing ling” (perdoem-me o uso de uma expressão quase chula...), respeitado e admirado pelo mundo inteiro!

Aliás, quem atua efetivamente na área sabe que a indústria chinesa é moderna e com um nível de qualidade bastante elevado.

A CHINA aderiu à OMC e vem cumprindo todos os compromissos assumidos, inclusive na área dos direitos trabalhistas e dos tributos, assim como na restrição de subsídios marginais aos acordos internacionais.

O BRASIL, ao contrário, não tem uma política de desenvolvimento produtivo. Estamos no meio de uma guerra fiscal cuja origem está na incapacidade do Governo Federal em criar condições para que as Unidades Federativas possam se desenvolver de modo a eliminar, ou pelo menos reduzir, os desníveis verificados entre elas.

Na verdade, a União tem ficado mais rica e com menos obrigações na prestação dos serviços públicos típicos, enquanto os Estados, o Distrito Federal e os Municípios ficaram mais pobres e com mais gastos.

Não há que se dizer que a carga tributária brasileira seja exacerbada, pois estamos na média internacional. O nosso problema é de GOVERNANÇA DO ESTADO!

O Estado Brasileiro é falho na transparência e na prestação de contas. Não há responsabilidade social e a eqüidade é algo sempre renegado a um plano inferior. Os contribuintes não recebem os serviços públicos, que são seus por direito.

Consequentemente, além de a indústria brasileira ter graves problemas com qualidade, ela é onerada com a irresponsabilidade do Estado em áreas como a infraestrutura logística, com legislação tributária, previdenciária, trabalhista e sindical antiquadas e desfocadas da realidade mundial.

Mas isto não atenua a culpa dos industriais brasileiros! Infelizmente, muitos se locupletaram dos dinheiros fáceis do BNDES e do BNB. Muitos sucatearam as suas indústrias, levando-as à ruína, em favor dos seus bolsos pessoais.

Infelizmente, o nosso parque industrial é ineficiente e insuficiente em vários setores, em que pese sermos respeitados em outros.

Precisamos ter a coragem de admitirmos que precisamos nos modernizar, precisamos nos adaptar à nova ordem econômica mundial, da globalização, do conceito de que o “o mundo é plano”!

No setor têxtil, a importação é essencial, sob pena de desabastecimento da própria indústria local e do comércio como um todo.

A CHINA não deve ser vista como vilã – ela pode ser uma parceira comercial necessária.

Enfim, talvez os nossos problemas internos sejam maiores que os externos e o discurso do Ministro PIMENTEL pode ser sinal de maturidade do Governo Federal.

* Jonatan Schmidt é presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Matérias Primas Têxteis (Abitex)

 

Oo artigo está em http://www.interface.eng.br/dicas-integra.asp?id=623, afinal as visão de Schmidt é interessante, mostra sem preconceito a capacidade da indústria chinesa e convida o mercado para uma fundamental discussão.

 

Exibições: 812

Responder esta

Respostas a este tópico

Um exemplo da desindustrialização são as lâmpadas de baixo consumo.

Aproximadamente a 12 anos a Philips trouxe seu parque de fabricação de lâmpadas da Argentina para o Brasil - questão de custos e de mercado. Fabricavam lâmpadas incandescentes.

Hoje discute-se a eliminação dessas lâmpadas e o uso exclusivo dos modelos de baixo consumo por motivos óbvios.

Mas todas as marcas disponíveis são made in China ou RPC se preferirem.

A industria nacional de lâmpadas foi sucateada e/ou não mais existe.

Teremos que perder industrias, amargar com desemprego, convulsão social e mais problemas para ter massa de trabalho que aceite trabalhar em troca do que os Chineses estão pagando para os povos da África, para voltar a ser competitivo.

O governo nos tira tudo, até a prerrogativa de nossa própria defesa!

Em troca nos sacaneiam com os inúmeros roubos.

Vivemos em um país de frouxos.

 

Parise....muita salutar a sua colocação!!! parabéns!!!! Vejamos tb o ""protecionismos"" da industria metal, em que os USA colocam barreiras contra o Brasil, pois temos melhor qualidade, entretantro por ser uma industria muito representativa no USA obviamente o governo coloca restrições!!!! e subsidios!!!!é um governo que pensa no futuro!!!! vejamos outro exemplo tb, a industria de eletro domesticos, antes tinhamos uma phillips, uma Valita, uma Arno dentre outras....e hoje são importadores!!!!! Na cidade de Vargina, minas gerais, tem um porto seco, e ao lado temos a phillips-valita ....é um absurdo o que se vê !!!!continuamos a fomentar empregos na Asia e A DESEMPREGAR NO BRASIL!!!!!! Jonatan lhe enviei um e-mail ontem, no minimo espero que vc me retorne e dê as devidas explicações e justificativas  se é que existem!!!! nao é ponto de vista diferente, mas denota claramente sua  falta de visão, conhecimento e incapacidade  de analisar nºs  já apresentados nas inumeras estatisticas!!!!!!!!!jonatan saiba que o Brasil exporta materia prima para ser beneficiada  e deois

adalberto

ps.: estou copiando e enviando tb por e-mail a ABITEX para que vc possa tomar conhecimento

exporta materia prima a preço de banana e importa beneficiado, ...lembre-se do minerio de ferro, que estava cotado na faixa de 150 usd , o equivalente a uma placa de pc !!!!! ou seja importamos tecnologia. Veja que o japao nao tem praticamente recusos naturaris , importam, beneficiam e exportam tecnologia!!! veja como impera a idiotice,..............e assim vai em todos os segmentos!!!!!!!

adalberto

Ditto! A super taxacaoi e muita "roubacao".



adalberto oliveira martins filho disse:

o problema nao é e nunca será qualidade!!! vamos cair na real!!!! são pesos e mediadas diferentes!!!!nao somos competitivos pois temos por questão de custo apenas!!!!!! visto que se o governo chines paga atualmente ( desde 1 de 7 de 2011 ) o valor de 12% como estimulo para cada cnt exportado!!!!caramba!!! ne este valor era há alguns anos atras de 35% !!!!!! se trabalharmos com zero de lucro ainda temos 12% !!!!!!!e as fabricas chinesas, é sabido que trabalhavam no prejuizo, e agora que cai para 12% fica dificil manterem custos!!! outra coisa é que os importos finais na china é na casa de 20% !!! contra os nosso que passa dos 40%!!!!!pessoal ..acorde!!!!!

sds/adalberto

 

Este discurso foi mais ph KAFKAkiano.

De pau para cavaco, de novo reitero: POLITICOS BRASILEIROS SEJAM PATRIOTAS: ROUBEM COMEDIDAMENTE!

A proposito o maior sistema de trem bala do mundo (atende uma distancia mais ou menos de Porto Alegre a Aracaju) e também o mais moderno, foi inaugurados dias atrás na China. Prestei atenção no custo: R$ (REAIS) 56, 000,000.000 Cinquenta e seis bi.  A ponte mais longa do mundo de 47 km lá também, foi inaugurada por R$26,000.000.000. AGORA LEIAM A PROFESSIA DESSE NOSTRADAMOS TUPINIQUIM: O nosso sistema de trem bala de Rio a São Paulo sairá ao preço do Chinês e idem a pontinha cruzando o Guaíba...

Dona Dilma, chame as empreiteiras chinesas para fazer obras aqui. As nacionais trabalham em conchavos entre si, com políticos e fornecedores. QUANDO O POVO BRASILEIRO VAI ABRIR OS OLHOS?

No meu tempo quem levava na... Na cabeça a primeira vez, podia dizer para salvar as aparências, que “eu não sabia o que era aquilo.” Levasse a segunda, sempre haveria a possibilidade de tapar o sol com a peneira, dizendo que “a cigana me enganou.”  Na terceira levada, não tinha desculpa.: Era ser porque o cara esse tinha gostado mesmo. E nos? Quantas vezes levaremos (na cabeca)  para concluir que  nos estamos gostando?

Agora, uma outra temerária, que poderá excluir-me de alguns amigos: Ha um movimento de observação e escrutinização de grandes fortunas que foram formadas rapidamente. O Ex-Ministro de Obras esta incluído nessa, o Ex-Ministro Pelocci, o “Diluvio” etc., estaonesse barco. Mas porque ninguém tem os "cojones" de questionar a fortuna do Lulinha?

Outra mais, para degustação vagarosa: Sabe qual e o mensalão mais sofisticado do Brasil e nunca pego? Contribuições e postos de "assessoria" nos grupos "X" do Eike Fuenkel B. da Silva. Checa por ai com cuidado, D. Dilma. Nesta área é só cachorro grande e Pit Bulls. SdM

Só tenho uma coisa a dizer ao Senhor presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Matérias Primas Têxteis (Abitex), caríssimo Jonatan Schmidt

- Você pode dar a "mãozinha" ao também Senhor presidente da Associação Brasileira de Varejo Têxtil (ABVTEX), caríssimo Sylvio Mandel  e conhecer um pouco mais o parque fabril brasileiro que está longe do que tínhamos no início da década de 90... Temos inúmeras indústrias ultra modernas... Poderia aqui citar vários nomes mais vou falar apenas da Guararapes que quem conhece sabe que lá tem de tudo. Eles estão sempre se modernizando... Só que agora estão jogando o jogo e importando cada vez mais...

ELES ESTÃO FAZENDO ISSO PRA SOBREVIVER! SE ELE NÃO FAZ OUTRO VEM E O DERRUBA POIS OS PREÇOS SÃO MUITO MENORES NA ASIA E É IMPOSSÍVEL COMPETIR COM O MESMO PRODUTO PRODUZIDO NO BRASIL...

E os senhores acham que ele não tem qualidade no produto nacional???

O que é qualidade para os senhores??? PREÇO???

outras incoerências ridículas e  absurdas  de jonatan poderá ser encontrada no próprio site da ABITEX.......

 

no item PALAVRA DO PRESIDENTE """"Consequentemente, além de a indústria brasileira ter graves problemas com qualidade...........""""e ao lado temos:  

 

 

Já se filiou?

Filie-se à ABITEX e fortaleça nossa trama de intenções em prol do livre comércio e do desenvolvimento da indústria nacional. Nossa produção nacional é de altíssima qualidade em fios e tecidos naturais, mas para atendê-la em sua necessidade de produtos com fibras químicas e sintéticas, a importação faz-se mais que necessária.O discurso “skafiano” da chamada desindustrial... Ler mais

 

caramba...ou eu sou idiota ou este cara bebeu muito!!!! aí vem então:

 

A ABITEX está apta a representar os interesses das empresas associadas, atuantes no mercado de importação de fios, fibras, tecidos e demais matérias-primas têxteis. É uma entidade que visa uma maior competitividade na cadeia produtiva têxtil nacional, com adequação às tendências mundiais do segmento

 

Jonatan, a ABITEX com este objetivo acaba de matar a cadeia têxtil....sobra apenas confecções?????  jonatan, vc tem ideia do custo para montar uma tecelagem para produzir 250.000 mts/mes  de tecido ???tens ideia do investimento???do nº de funcionários que se emprega direta e indiretamente???( aliás saiba que a industria tem sua finalidade social e esta é apenas uma!!!!) da parte comercial???do capital de giro????enfim de todos os custos???

 

Estes 250.000 mts de tecido equivale em torno de 5 cnt. Agora te  pergunto qual o custo deste 5 cnt??? qtos empregos diretos e indiretos serão gerados para manter esta estrutura???qual o salario médio e a capacitação profissional que requerem estes funcionários??? qual o volume de riqueza que será gerado para o Brasil???

 

jonatan, vc como presidente desta merda de associação,  deveria no  minimo ter discernimento suficiente para analisar e definir o que é matéria prima....saiba que  fios e  tecidos NÃO SÃO CONSIDERADOS MATÉRIA PRIMA !!!!!!! JÁ PASSARAM POR TRANSFORMAÇÃO!!!!! Tu és apenas um medíocre insensato.

 

e segue mais :

 

Quem somos


A Abitex foi fundada por Salmon Ferreira de Lima há mais de dez anos buscando fortalecer o grupo de importadores brasileiros de insumos têxteis. A equipe da Abitex, respaldada por sua formação e experiência, e focada nas necessidades de seus associados, acompanha os processos de abertura e protecionismo ao negócio têxtil no Brasil e promove constante debate com as entidades governamentais e demais atores fundamentais ao segmento.

Esse direcionamento de ações para a cultura da inteligência competitiva vem mostrando que a atividade de importação de certos insumos é primordial para o desenvolvimento do setor têxtil no que tange à qualidade.

A Abitex tem como seu principal objetivo promover uma análise embasada em dados relevantes da indústria nacional e internacional, na qual as ações e normas relacionadas às importações das matérias-primas têxteis decorram de um aprofundamento técnico, sem excesso de protecionismos e com estabelecimento de diálogo entre importadores e industriais do setor de produção têxtil e de vestuário.... Saiba mais

 

jonatan, vc deveria ter vergonha de apresentar as tradings ( que apenas ganham   incentivos do governo, principalmente os de Vitoria onde vc está localizado ) como tb  os importadores que se gabam descaradamente no próprio site, e segue alguns exemplos :

1) A Avil iniciou suas atividades com aviamentos para confecções, passando a agregar em seguida tecidos e malhas no seu leque de produtos, com produtos nacionais.

Logo em seguida para atender a demanda, passa a importar tecidos e malhas. Constituindo a AVIL Têxtil e agregando o varejo para tecidos e aviamentos.

Hoje, 85% de tudo que é vendido é importado.

Atualmente o Grupo Avil negocia um contêiner por dia e 30 milhões de metros de tecidos por ano. Assim os clientes têm maior prazo e podem dispor de uma maior variedade com mais de 30 mil itens em tecidos e aviamentos. Tudo isso aliado a credibilidade do grupo e a pontualidade na entrega.

 

2) Bordados Cury – especializada na importação e distribuição de tecidos finos

 

3) FOCUS

 

4) SELEZIONE

 

5) ADAR TECIDOS

 

ENFIM TODOS QUE VC RELACIONA, SÃO IMPORTADORES !!!!!!VEJA QTAS EMPRESAS MORRERAM EM FUNÇÃO DESTAS!!!! E QTAS MAIS ESTÃO FADADAS A MORRER??????

 

jonatan, faltam-lhes consciência!!!!patriotismo!!! coerência!!!dignidade!!!!respeito aos industriais que trabalham arduamente  e se empenham para manter suas empresas funcionando a duras custas e sacrificios!!! seguramente  vcs apenas ""ganham"" dinheiro facilmente , pois nao necessitam  de esforço para isto!!!! e devem viver com ganhos elevados de propinas........tem muito podre ainda a ser levantado, enfim vcs tb nao tem caráter e nao merecem um pingo de respeito ou consideração!!! e se não tiver satisfeito tome as devidas providências!!!

 

joanatan, apesar de enviar-lhe e-mail, solicitei retorno de vossa parte, e estou encaminhando tb este  para vosso e-mail, no qual consta meus dados para qualquer evntualidade.

adalberto


Ditto!

Encapsulado toda a sujeira! SdM



Adalberto Bisi disse:

Um exemplo da desindustrialização são as lâmpadas de baixo consumo.

Aproximadamente a 12 anos a Philips trouxe seu parque de fabricação de lâmpadas da Argentina para o Brasil - questão de custos e de mercado. Fabricavam lâmpadas incandescentes.

Hoje discute-se a eliminação dessas lâmpadas e o uso exclusivo dos modelos de baixo consumo por motivos óbvios.

Mas todas as marcas disponíveis são made in China ou RPC se preferirem.

A industria nacional de lâmpadas foi sucateada e/ou não mais existe.

Teremos que perder industrias, amargar com desemprego, convulsão social e mais problemas para ter massa de trabalho que aceite trabalhar em troca do que os Chineses estão pagando para os povos da África, para voltar a ser competitivo.

O governo nos tira tudo, até a prerrogativa de nossa própria defesa!

Em troca nos sacaneiam com os inúmeros roubos.

Vivemos em um país de frouxos.

 

MARTELO ACERTANDO A CABECA DO PREGO! Paranes. SdM

 

"Não há que se dizer que a carga tributária brasileira seja exacerbada, pois estamos na média internacional. O nosso problema é de GOVERNANÇA DO ESTADO!

O Estado Brasileiro é falho na transparência e na prestação de contas. Não há responsabilidade social e a eqüidade é algo sempre renegado a um plano inferior. Os contribuintes não recebem os serviços públicos, que são seus por direito."

Oi,  li da muito tempo da fraca de competitividade do setor textil brasileiro contra os chineses (no futuro será para o Paquistão ou da Índia, etc.) Acho que o maior problema é a falta de vontade da industria Brasilera de se destacar no setor têxtil.
Minha experiência de trabalho no Brasil me fez entender que as empresas não têm interesse em competir internacionalmente, eu faço um exemplo prático: uma indústria que decide produzir tecidos de lã não pode ter tear  com 16 quadros   para a produção, não pode gerenciar a equipe e produção como se seja o algodão,etc.
Come se pode competir se já a produção não é competitiva?
Fala-se que um trabalhador na China ganha muito menos do que um brasileiro ou europeu, é verdade, mas como isso afeta o custo total de produção? Quantos tear controla? EM que misura fez abaixar o custo total.
Em algumas empresas europeias na produção de lã  um trabalhador controla 18 tear, quantos  no Brasil? Tem um rendimento de 80%, como è no Brasil.
E verdade è muito difficil competir, ma necessita mudar o pensamento, necessita professionalidade, flexbilizaçao e vontade.

Potri continuar com outros exemplos, mas o que importa fundamentalmente é que no Brasil não há liderança que realmente quer exceler, prefere que tudo permaneça como está e proteger os seus empregos com custo para a empresa.
O Brasil tem um mercado muito grande e interessante, mas não deve esquecer que, com produtos de qualidade e exclusivo, tem potencial de exportação de grande porte, em tempos de crise a  baixa classe de produtos e qualidade và sofrer com a competição, pelo contrário, os produtos com alta qualidade, inovação e estilo não têm grandes problemas.

Desculpa para erros de idioma nao sò Brasilero
Obrigado

Olá Claudio, interessante sua visão como italiano. A questão de fabricar produtos de qualidade e fazer disso um diferencial de mercado é importantíssima. Vamos abordar este assunto nesta semana em artigo que enviamos diariamente a mais de 15 mil pessoas do setor. Acesse nosso site, veja nosso arquivo e se cadastre no menu esquerdo, se assim desejar: http://www.interface.eng.br/dicas.asp

 

Caro Lucio,

Claro que a palavra existe. É pouco utilizada mas está à sua disposição em qualquer bom dicionário:

Presidenta

Acepções
substantivo feminino
1    mulher que se elege para a presidência de um país
Ex.: a presidenta da Nicarágua
2    mulher que exerce o cargo de presidente de uma instituição
Ex.: a presidenta da Academia de Letras
3    mulher que preside (algo)
Ex.: a presidenta da sessão do congresso
4    Estatística: pouco usado.
     esposa do presidente


Etimologia
fem. de presidente; ver sed(i)-


Lucio Marques disse:

Apenas para lembrar que no segundo parágrafo ha uma referencia À PRESIDENTE DILMA, mas escreveram PRESIDENTA????? essa pavra não  existe. Os parlamentares e muito ministros a chamam de PRESIDENTA, ou pq é uma "ordem" do ministro da educação que é um "INCULTO" ou por puro "puxasaquismo" pq a PRESIDENTE parece que gosta de ser chamada "PRESIDENTA". 

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço