Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Reação A presidente decidiu afastar do governo o grupo do PMDB que está no comando do Senado há uma deacada (Foto: AE)

A presidente decidiu afastar do governo o grupo do PMDB que está no comando do Senado há uma década, contrariando interesses, entre outros, dos senadores Renan Calheiros e Josè Sarney (Foto: AE)

Publicada na edição impressa de VEJA da semana passada, esta análise do mano a mano entre a presidente Dilma e o PMDB no Congresso, escrita por Daniel Pereira, continua inteiramente válida e achei interessante compartilhar com os amigos do blog.

 

FAXINA NO CONGRESSO

Dilma Rousseff isola parlamentares aliados do PMDB e do PR que impuseram ao governo sua primeira derrota política e que ameaçam se rebelar por cargos e verbas

 

No primeiro ano de mandato, a presidente Dilma Rousseff demitiu seis ministros acusados de corrupção, tráfico de influência e desvio de dinheiro público.

A decisão atingiu auxiliares herdados da gestão Lula e contrariou os principais partidos governistas, como PT, PMDB e PR, mas não resultou em crise política.

Pelo contrário, a presidente angariou dividendos com a faxina ética que foi forçada a realizar na Esplanada. Com as mudanças, marcou uma diferença fundamental em relação ao antecessor, que passava a mão na cabeça de correligionários e aliados pilhados em irregularidades. Além disso, ela conquistou a aprovação de setores da população que lhe negaram voto nas eleições de 2010.

Demissões e faxina reforçam capital político

De quebra, conseguiu com as exonerações em série – acompanhadas de trocas em estatais e cargos de escalões inferiores – retomar para o governo fatias da máquina pública que eram dominadas havia anos por esquemas partidários de arrecadação. Dilma venceu embates travados com velhas raposas acostumadas há décadas a tomar conta da res publica.

Até agora a faxina no Executivo funcionou como um dínamo do capital político e eleitoral de Dilma. Na semana retrasada, ela decidiu estender a limpeza ao Poder Legislativo. Um movimento muito mais arriscado, considerando-se o extenso arsenal à disposição dos parlamentares para atrapalhar qualquer presidente da República.

O plano foi posto em marcha com a substituição dos líderes do governo na Câmara e no Senado. As mexidas eram pensadas por Dilma desde o ano passado. Saíram do papel agora porque os senadores deram a ela um pretexto ao rejeitar a recondução de Bernardo Figueiredo ao cargo de diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Golpe no grupo de Renan, Sarney e Jucá

Em resposta ao resultado da votação, Dilma destituiu Romero Jucá da liderança no Senado, substituindo-o por Eduardo Braga. Um peemedebista por outro, mas dois peemedebistas diferentes.

A saída de Jucá representa um golpe no grupo formado por ele, Renan Calheiros e José Sarney. Eles dão as cartas no Senado há uma década. Ex-governador do Amazonas, Braga era adversário do trio nas trincheiras internas do PMDB. Ao assumir a liderança, ele reduz as chances de Renan voltar à presidência da Casa em 2013.

Traição Substituído pelo senador Eduardo Braga, o peemedebista Romero Jucá (à direita)foi identificado como um dos líderes da rebelião contra o governo (Foto: André Dusek / AE)

Substituído pelo senador Eduardo Braga, o peemedebista Romero Jucá (à direita)foi identificado como um dos líderes da rebelião contra o governo (Foto: André Dusek / AE)

 ”Não queremos mais o Brasil dos Sarneys, dos Renans…”

“Não queremos mais o Brasil dos Sarneys, dos Renans, dos Jucás”, diz um auxiliar da presidente. Dilma debitou na conta da trinca de comando do PMDB o veto a Figueiredo, que era uma escolha pessoal dela.

O trio teria votado contra a recondução do diretor da ANTT para pressionar o governo a atender aos pedidos de sempre: emendas, cargos e demais benesses oriundas da caneta presidencial. A presidente estaria determinada a renovar as práticas políticas no país não apenas por instintos republicanos, mas, sobretudo, movida pelo pragmatismo.

Combater o fisiologismo é uma velha demanda nacional. Políticos tarimbados, o tucano Fernando Henrique Cardoso e o petista Lula nem sequer tentaram cumprir essa missão. Cada um a seu modo, refestelaram-se no jogo que era jogado.

Nova classe média é o grupo que mais valoriza as vassouradas de Dilma

Segundo recentes pesquisas de opinião que chegaram ao Planalto, as pessoas gostam quando a presidente afasta corruptos e fisiologistas notórios.

A nova classe média, sonho de consumo dos candidatos nas eleições de 2012 e 2014, é o grupo que mais valoriza as vassouradas de Dilma.

 

De olho Para manter o PMDB na Câmara sob controle, o governo escalou o petista Arlindo Chinaglia (Foto: Sérgio Lima / Folha Press)

Para manter o PMDB na Câmara sob controle, o governo escalou o petista Arlindo Chinaglia (Foto: Sérgio Lima / Folha Press)

Desde julho de 2011, quando denúncias de cobrança de propina no Ministério dos Transportes levaram à demissão do então ministro Alfredo Nascimento, o PR ameaçava abandonar a base aliada do governo.

Ameaçava, ameaçava, ameaçava, até que os sete senadores do partido resolveram se rebelar. “Nossa posição é não mais apoiar nem acompanhar o governo no dia a dia”, disse o senador Blairo Maggi, líder da bancada.

Foi uma reação à decisão da presidente de não devolver ao partido o comando do Ministério dos Transportes. Tão logo foi avisada da decisão do PR de aderir à oposição, Dilma mandou suspender as conversas com o partido.

O portador do recado foi o novo líder do governo no Senado, Eduardo Braga. Amigo de Lula e do ex-ministro e deputado cassado José Dirceu, Braga tem traços de comportamento parecidos com os da presidente: cobra resultados, é estudioso, duro nos debates e gosta de uma boa briga.

“Não tenho queixo de vidro”, jacta-se. “Prefiro passar dez minutos vermelho a ficar amarelo a vida inteira”, acrescenta, prometendo não se intimidar diante dos problemas que se avizinham.

 

A escolha ameaça as intenções do peemedebista Henrique Alves na eleição para presidência da Casa em 2013 (Foto: Beto Barata / AE)

A escolha de Chinaglia ameaça as intenções do peemedebista Henrique Alves na eleição para presidência da Casa em 2013 (Foto: Beto Barata / AE)

Afetando os planos de Henrique Alves de presidir a Câmara

O enfrentamento do governo com os aliados também chegou à Câmara, com a indicação de um novo líder, o petista Arlindo Chinaglia, que substituiu o petista Cândido Vaccarezza. Mais um talhado para o confronto, Chinaglia carrega a fama de não ser, nem de longe, um poço de docilidade.

Ex-presidente da Casa, sempre nutriu o desejo de voltar a esse posto. Ao escolhê-lo como líder, Dilma disseminou entre os peemedebistas a sensação de que pode implodir o acordo firmado entre PT e PMDB que prevê a posse na presidência da Câmara, em 2013, do deputado Henrique Eduardo Alves.

Será que a ofensiva moralizadora atingirá também o PT?

Líder peemedebista e braço direito do vice-presidente Michel Temer, Henrique Alves está em baixa no Planalto. É visto como porta-voz das demandas mais fisiológicas do partido e um instrumento a serviço de deputados de péssima reputação.

“A Dilma está operando para mudar os interlocutores e o eixo da política. Ela está esvaziando os velhos caciques e suas práticas danosas ao país”, diz uma estrela petista.

É muito cedo para atestar a veracidade da declaração. Mais cedo ainda para saber se a ofensiva pela moralização do Congresso, que fustigou o PMDB e o PR atingirá também o PT, cujos ministros – com exceção de Antonio Palocci – sempre contaram com uma blindagem especial da presidente da República

Exibições: 71

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Comentário de Antonio Silverio Paculdino Ferre em 28 março 2012 às 12:35

Está me parecendo redistribuição de renda. Exemplo é o novo ministro das cidades.

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço