Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

África, o novo Eldorado da China o gigante asiático

Fonte: |maquiavelencias.blogspot.com|

O comércio da China com o continente negro foi dez vezes maior em 2008 do que em 2000 .
-
A China encontrou na África, no início do século XXI, um território virgem e promissor que pode saciar a sede de obter os seus recursos naturais, como os E.U. tinham no século XIX, a Europa e o Extremo Oriente até o século XX para o resto do mundo.
-
Em 2008, o comércio entre a China ea África atingiu um valor de 76.000 milhões de euros, dez vezes mais do que em 2000. O número é quatro vezes superior à ajuda oficial ao desenvolvimento total recebida pelo continente Africano, em 2008. O auxílio chinês não foi subordinada ao respeito pelos direitos humanos. O encontro entre duas civilizações exóticas medida beneficiou ambos.
-
A China necessita de matérias-primas e de energia, exigida, pela sua voraz economia e com isso os países africanos têm beneficiado de um rápido crescimento, económico, sem precedentes, desde os anos sessenta de quando a aceleração descolonização.
-
Ao longo dos últimos cinco anos África tem crescido a uma média de 5%. A China na ofensiva, económica, foi deslocando das antigas colónias as potências, coloniais, europeias.
-
Pequim oferece aos líderes Africano uma forma diferente de fazer negócios. Ao contrário da prática dos europeus e americanos desde o início dos anos noventa, o investimento chinês e os auxílios não estão sujeitos a políticas ou humanitárias.
-
"Eu nunca ouvi o ditado chinês que um projecto não vai terminar, porque o Governo não tenha feito o suficiente contra a corrupção. Se a promessa de construir uma estrada, eles vão", disse um porta-voz do Governo queniano.
-
O modelo chinês na região animado e fatigado pelos pobres resultados das receitas liberais. Crescem as vozes defendendo um Estado-económico que levou, por sua vez, ir ao encontra e desejo dos governantes de permanecer no poder através de reformas que eliminem os limites de mandatos presidenciais.
-
Líderes banidos pela comunidade internacional, como Omar el Bashir (Sudão) ou Robert Mugabe (Zimbabwe), Pequim encontrou neles os seus perfeitos aliados.
-
Ocidente temia um contágio de autoritarismo chinês e o discurso Barack Obama no sábado em Gana deu ênfase à necessidade de África para continuar a lutar pela democracia. Há sinais preocupantes. Em uma recente visita oficial à Nigéria, o presidente chinês, Hu Jintao, reuniu-se com um discurso no qual ele classificou a China como "um exemplo de desenvolvimento e democracia".
-
Além da perda de influência no campo das ideias, as potências ocidentais estão preocupados ao ser ignoradas na corrida às riquezas na África, disse que foram outros jogadores, emergentes, como a Índia, o Brasil e a Rússia.
-
Este último, país, reaparece no continente depois de ser usado como um campo de batalha na Guerra Fria. "Actualmente, mais de 70% dos contratos de obras públicas na África subsariana são concedidas a empresas indianas ou chineses", revela Patrick Smith, editor da "África Confidencial", uma influente publicação britânica sobre a África.
-
"O Ocidente está a perder o mercado e não será capaz de recuperar, porque não pode competir com os preços oferecidos pelas empresas chinesas e de outras potências emergentes".
-
A perda de peso de França nos países francófonos provocou um debate nacional sobre se o antigo, país administrador desses territórios, não teve tempo para se adaptar às mudanças no continente. "A forma de medir a influência de um país na África hoje pode não ser o mesmo que 20 ou 30 anos atrás", diz Roland Marchal, um investigador no CERI / Sciences Po, uma instituição com sede em Paris.
-
"Portanto, foi uma intervenção colonial, embora estes países depois de obter a independência a França colocou de lado a hipóteses de outros países dominar a economia dado que seguiam dentro dos sentimentos da língua francesa falada no Chade, Mauritânia e Costa do Marfim. Agora eles não vão ter a oportunidade de investimento, mesmo falando a nossa língua ".
-
O investimento, chinês, milionário, está a transformar a paisagem da África. Estradas, barragens, portos e aeroportos são construídos em muitas ocasiões a mando de Pequim, quem precisa (a China) destas infra-estruturas para o transporte de suas mercadorias.
-
Mas também transformou a paisagem humana com as comunidades chinesas na África do Sul, Angola, Sudão e Argélia.
-
Estima-se que em África já existem mais de 750.000 imigrantes chineses que trabalham sob os parâmetros de semi-ocidentais.
-
Mas, ao mesmo tempo, a presença da China está a gerar ressentimento local. "A China e a sua indústria têxtil está arruinar a economia, que foram os motores da região. Apenas a África do Sul e Senegal estão protegidos por elevar as tarifas", diz Mbuyi Kabunda,
-
De FERNANDO Peinado - Madrid - 15/07/2009 professor, do Instituto Internacional de Direitos Humanos, em Estrasburgo/El País. Tradução livre de José Martins

Exibições: 30

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço