Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Lençois Contaminados e Computadores Assassinos

 

LENCOIS CONTAMINADOS E COMPUTADORES ASSASSINOS

Ora, sei que é exercício de futilidade a falar sobre isso, pois o assunto tende a sumir das manchetes, bocas serão compradas, e também esse caso devera acabar em PIZZA, mas como “A Mulher” já esta de volta, surge um novo lampejo de esperança.

Carlos Alberto, falando dessa importação de contaminados, a coisa funciona assim: Primeiro veja se os logotipos são Internacionais: Se forem além de (1) crimes contra a Saúde Publica (2) ha crimes nos Portos (bidú!). Nesse caso são pelo menos dois problemas a ser resolvidos.

Se estes trapos forem de infecções nacionais, ai ha só o crime de (1) DESVIO DE VERBAS, ou FURTO DE MATERIAL HOSPITALAR e (2) QUEBRA DE REGRAS DE PROCEDIMENTO HOSPITALAR DOLOSO, com um conhecimento taxativo de possibilidade de contaminar a população.

Agora, Carlos, o que a D. Dilma não sabe, (ela não é do Ramo Textil) e não creio que a ABIT lhe informou isso: O que o que sai na mídia é só a ponto do Iceberg.

Os sabichões estão comprando estas bostas (literalmente) e as desfibrando em forma de reciclagem de fibras. Ai esta o volume desconhecido, o resto do iceberg.

Com a alta do algodão, varias firmas começaram a recuperar os desperdícios. A maioria é gente honesta que usam de retalhos de confecções e restos de “chão de fabrica”, procedimento legal e correto.

Mas diluídos entre esses a gente, existe pessoas que compram qualquer tipo de retalho, roupas velhas e ate essa matéria hospitalar.

Geralmente esse lixo e separado por cores, para nem se gastar em tingimento do fio. Depois disso, passam os retalhos, trapos, lençóis por uma "picadeira" e depois metem os trapinhos numa recuperadora de fibras, e dai sai uma fibra mais curta de será transformada em fio. As recuperadoras de “resíduos” mais vendidas no Brasil são das Marcas LaRoche e Margasa.

Nesse processo textil correto e ecológico, há “maçãs podres” metidas em nosso meio que, como num passe de magica, transforma lixo infecto em fibra curta, já colorida pelo processo de seleção de cores dos trapos. Por exemplo, há milhares de lençóis esses, transformados em fios e já transformados em camisetas – ou em outros lençóis, talvez sendo ate usados por mim e voce.

O processo esse é simples e podemos ate obter um fio barato e de qualidade: Geralmente mistura-se a esta "fibrila" ou fibra recuperada um percentual de fibra longa (algodão ou poliéster) para gerar um fio mais resistente. Geralmente se usam uma retorcedeira de dupla torção para dar mais consistência a esse fio quebradiço vindo do resíduo textil, e ai tem-se um fio relativamente bom e vendível, que acaba geralmente em camisetas e outros vestuários.

Carlos, o processo esse quando usado LEGALMENTE e é uma coisa ate ecologicamente louvável, pois recicla os tecidos.

Mas nessa vertente entra algum pessoal “Gersista”, o oportunista, o malandro, que assim fazendo elimina a evidencia do crime, dos lençóis e outros tecidos infectos da vida...

Então deixem de serem trouxas, de fazer “oba-oba “ em comercinho pequeno do Brás, de Capibaribe e da PQP - e procurem os 90% da malandragem, na parte submersa do iceberg.

Diga a dona Dilma também para obter o NUMERO dos nomes nos logotipos dos hospitais.

Por aqui em Spartanburg, dizem que são quarenta e dois hospitais já identificados: Alguns são do Governo e outros de Instituições Militares. Nesse material do Governo, está carimbada (nas colchas e cobertores) em inglês o seguinte: “SE ENCONTRADO FORA DESSAS PEMISSAS CONSIDERE MATERIAL ROUBADO". E é ai que o crime se torna da Jurisdição Federal e por isso o FBI esta aqui.

A “origem” cítrica (laranja) dessa organização é a TEXTPORT INC, onde empregam uns dez gatos pingados. Dizem que ate ilegais trabalham lá, mas isso eu não pesquisei. O que fiz ontem a noite foi entrar na pesquisa, baseado NAO NO NOME DA FIRMA, mas no endereço da mesma, que salvo engano é 1210 Union Street, Spartanburg.

Ah Carlos, dei uma de Prato Feito (PF): Apareceram os nomes de TEXPORT (sem o T), de TEX POT Internacional, e outros nomes que ela opera. Notei também que do lado dela ha um deposito de outra firma, que faz a mesma coisa (não mencionado ainda na mídia, e agora de portas fechadas), e eles tem associados e representantes, MUNDO AFORA.

Agora Carlos a ultima dica: Dou o meu “chiquito” a tostão, se esse povinho humilde, caipira e provinciano que lá trabalha, tem a PENETRACAO de fazer mutreta com 42 hospitais espalhados pelos EUA afora e de criarem tantos nomes e redes de distribuição...

Ẩ boca pequena, dizem que isso esta vinculado a CACHORROS GRANDES daqui, que entre muitas coisas exportam materiais hospitalares, mundo afora. Mas geralmente esse povo está blindado e com sedes de seus negócios mais sensíveis em paraísos fiscais. E por lá ha uma blindagem muito grande; semelhante as que os vagabundos de alto porte de Brasília (e de outros “terreiros”) têm. Muitos sabem quem são eles e nada se pode fazer porque são INATINGIVEIS.

Mas Carlos, não ha IP (Identidade Pessoal) de computador, não ha transação bancaria, não ha mais nada que passou por computadores que seja completamente blindado. Há sempre um rastro.

Voces ai precisam ter mais HACKERS na folha de pagamento. Pagando ate a HACKERS internacionais para fazer uma escolinha de HACKERAGEM de alto nível para ser utilizada na inteligência do país. TODOS FAZEM ISSO e os que clamarem ETICA, mentem.

Claro que essa escolinha não terá o objetivo de ver “com quem o Sr. Antunes trai a D. Maria ou saber com quem D. Christina corneia o marido”. Nada disso: Só para ser usado em assuntos de inteligência,  para desmascarar vários vagabundos que pensam de estão acima da lei, totalmente blindados com os seus sistemas de sempre: (1) A Fachada, (2) ) O laranja e o (3) Sub-Laranja.

Ai, com o sábio uso da inteligência computadorizada e legal, passaremos o pente fino nesses paraísos fiscais, e depois com a ajuda do Tribunal de Contas e do Imposto de Renda, como fizeram com o Al Capone, poremos essas aves exóticas na gaiola.

 Não precisaremos nem de bater na cara dessa gente e dar-lhe um tiro na testa como os Líbios fizeram com o Muhamar Gadahfi: O computador, o medo dele, o cerco cibernético a esses gatunos, levarão muitos à morte.

Exibições: 745

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Comentário de Z em 22 outubro 2011 às 7:57

2X.

Comentários de alto nível e esclarecedores.

Parabéns ao site e participantes.

Comentário de Sam de Mattos em 21 outubro 2011 às 18:39
Edson: que o Grande Arquiteto do Universo continue a lhe abencoar. Essa comissao, lhe garanto, NUNCA fara-lhe-a falta. Se olharas no espelho com orgulho, dormira bem e tera RABO SOLTO. Comissao perdida? Sai na urina. Outras virao. Muitas outras. Mais ido o seu nome... Esse nao volta. Estarei na Turquia e na China na semana que vem a negocios (nada de lencois REPODRIDOS - como diz o meu amigo Argentiono, o Dani Gelber) e em breve, de trombone na boca. Entre na orchestra. Bozine alto. Pois assim acreditou o General Israelita o Josue (nada a haver con a Coteminas). E depois de muitas bozinadas de Shoffar (O trombone da epoca) , as muralhas Filistinas de Jerico, cairam por terra. Buzine Edson. Esquente o shoffar debaixo do sovaco, sempre! SdM
Comentário de Edson Baron em 21 outubro 2011 às 18:17

Não, caro Sam. Sua "boca no trombone" não é um exercício de futilidade. Oxalá tenhamos cada vez mais brasileiros "fúteis" assim.

Ainda que tantas bocas sejam "compradas", não venda a sua. A minha não está à venda.

Aliás, falando em venda, ontem perdi uma venda. Hoje perdi outra. Sabe porquê? Porque não quis vender sem NF. Não tem problema. Sou mesmo um idiota. Mesmo precisando tanto vender, já que elas estão tão fracas e as contas não param de chegar, me recusei a vender sem a famigerada NF. Não faço parte do time dos "espertos".

Após ter gostado tanto das roupas que fazemos, e diante da recusa em vender sem NF, a "chateada" lojista disse ao nosso representante que quem não gosta de correr riscos não pode ser empresário. Frase célebre diz que o "cliente tem sempre razão"!!! Será que tem mesmo???

Sabe Sam, o que precisamos é, urgentemente, nos livrarmos dos brasileiros "espertos".

Dos espertalhões que importam lixo e quando descobrem seu rabo imundo, faz de conta que é vítima. Acha que o mundo é trouxa e só ele é esperto.

Alguém publicou matéria neste blog sob o título "O Estado não é corrupto, mas sim corrompido pela sociedade". É exatamente isso!!! Adoramos meter o pau nos políticos e mesmo eles merecendo, são apenas a ponta do iceberg. O grosso do iceberg está embaixo.

Temos uma sociedade que tem dificuldade em combater a corrupção porque ela própria é a maior corrupta.

A sociedade do "jeitinho".

A sociedade do "você sabe com quem está falando?".

A sociedade do "eu roubo, porque se eu não roubar, os outros vão roubar mesmo!".

Oxalá cada vez mais levantem-se as vozes da indignação.

Se quisermos construir uma sociedade mais justa não poderemos mais fazer "vistas grossas" a tantos desmandos. Temos que nos indignar com quem quer que seja: com o vizinho, com o amigo, com o irmão, com a tia, com o policial, com a sogra, com o fiscal, com o padre, com o pastor, não importa quem e qual "título" tenha. 

Se quisermos uma sociedade mais justa temos aumentar a "orquestra". Precisamos de muitos mais "músicos" botando a "boca no trombone".

Grande abraço e bom final de semana a todos!!!

Comentário de Sam de Mattos em 21 outubro 2011 às 17:23

Daniela: Os desfibrado do Luiz sao bom mesmos. Ja visitei a operacao dele varias vezes. Exemplar.So que antes de saber a origem... So compro desfibrados (reciclados do Luis). nem do Papa eu compro mais. rsrsrs

 

 

Comentário de Sam de Mattos em 21 outubro 2011 às 17:18
 

Olha gente. De parte técnica o que o meu Mano Barboza falar eu assino em baixo. Barboza, eu ando indignado, mas nada de Flashback de Guerra. Cale esse BOCAO.

O meu objetivo em técnico textil eh algum dia aprender só o pouco que o Luis Barboza começa a se esquecer. Será muito.

Serio Agora:  Luis, leia direito: Falei duas vezes, realcei em "negrito" o que a GRANDE maioria dos desfibradores como voce e a Firma essa sua e dos italianos (LESTE TEXTIL, como era mesmo o nome?) fazem ou faziam. Coisa limpa, profissional e reciclagem louvável. Mas Luiz, depois se quiser fale comigo, esta havendo COISAS CABELUDAS NESSA AREA. Perdão pela possível propaganda negativa, mas quem reler com cuidado o artigo verá que separei o muito trigo do pouco de joio. Abs., Sam

Comentário de Luiz Barbosa Lima em 21 outubro 2011 às 16:48

O Sam radicalizou ! Relambrou o velho Vietnã.

A maquina é chamada de '"Desfibradora" em italiano "Sfiliciatrice". Apenas esclareço que fios finos

para camisaria tipo Polo fabricado com material desfibrado nessas máquinas, são usados trapos e aparas de malha circular de boa qualidade (procedencencia de fabricação de fios finos cardados e penteados), para que sejam possiveis fiar em open end fio Ne 24 50% desfibrado x 50%  poliester ou

acrilico virgem. Trapos e aparas de tecidos de tela, sarja de densidade para lençol, popeline etc,

quando desfibrado as fibras ficam muito quebradas e curtissimas e se consegue fiar fios grossos Ne 4, 2 e mechas para MOP (TRANÇAS DE MECHA usada para limpeza de chão) ou para industria automotiva painés e pisos de automoveis de fibras com resina em forma de placas. Portanto não

é provavel que este material possa ser desfibrado para fabricação de fios, exceto aquele que tiver no

forro de bolso de jeans (indigo) muito desfibrado que fica cinza e usado para fios grossos cinza,

mop e material automotivo para serem transformados em placas de piso e tetos e painés de carro.

De qualquer forma não vamos culpar todos da cadeia têxtil, mesmo porque 1 Kg de aparas e trapos de malha alvejada é vendida a R$ 1,60 e o Kg do forro de bolso alvejado hospitalar a R$ 8,35/kg e um

Kg de desfibrado cinza de indigo R$0.60/Kg para os fornecedores da industria automotiva. De qualquer forma a aula (sua) foi pertinente, mas não radicalize.

Comentário de Daniela Santos em 21 outubro 2011 às 16:03

Boa tarde!

Estava lendo essa matéria e quero registrar aqui minha indignação com essa patifaria do comércio ilegal de bactérias e fungos e outras cositas mais nojentas que constam nesses trapos imundos... e parabenizar o Sam pelo belo relato e desabafo aqui postado...Onde nessa terra todos querem ser os mais espertos e tirar proveitos de tudo e todos...Lamentável!

Comentário de Nelson Pereira Jr. em 21 outubro 2011 às 14:57
Comentário perfeito!!!

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço