Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

A nova linha de defesa de alguns economistas e empresários mais alinhados ao governo é repetir que o Brasil não vai tão mal quanto alguns dizem, nem estava tão bem quanto o governo achava. Ou seja, havia excesso de otimismo antes, mas agora há excesso de pessimismo.

Não concordo. Ao menos com a segunda parte. O pessimismo de hoje é totalmente calcado em fatos da realidade. Não quer dizer, claro, que estamos na iminência de uma catástrofe – nem creio que seja esta a mensagem geral dos críticos. Mas se nada mudar, teremos sérios problemas à frente.

O mais revoltante, para esses que sabiam do inevitável fracasso do modelo nacional-desenvolvimentista do governo Dilma, é o custo de oportunidade. Raramente as pessoas levam isso em conta. Como dizia o economista francês Bastiat (1801-1850), há aquilo que se vê e aquilo que não se vê. O bom economista deve estar atento a esse segundo ponto, ignorado pelos mais míopes.

Pois bem: o resultado da gestão incompetente e equivocada de Dilma está aí, um crescimento medíocre com alta inflação. O Brasil cresceu 2% ao ano desde que ela assumiu o poder. Alguns acham razoável, ou ao menos não tão desesperador assim. Cabe perguntar: quanto poderia ter sido?

Cada país é diferente, lógico, mas podemos comparar com o crescimento de nossos vizinhos mais responsáveis. Falo da Aliança do Pacífico, o grupo de países que evitou as armadilhas bolivarianas, não quis saber de camisas de força ideológicas como o Mercosul, e partiu para políticas mais liberais na margem.

Eis o resultado, apenas no período em que Dilma está no comando do país:

Fonte: Bloomberg

Fonte: Bloomberg

Enquanto esses países cresceram, na média, quase 5% ao ano (mesmo incorporando o México, o menos dinâmico deles), o Brasil ficou nesse patamar medíocre de 2%. Com um pouco mais de sabedoria, rejeitando-se o modelo nacional-desenvolvimentista, mantendo a inflação no centro da meta com um banco central independente, nossa economia poderia ter crescido facilmente o dobro nesse período.

Vejam que nem levei em conta reformas estruturais ou algo do tipo. Estamos falando apenas em evitar as armadilhas ideológicas e as lambanças de uma equipe econômica incompetente que jogou no lixo a credibilidade institucional do governo. Agora pergunto: quanto seria isso em termos numéricos?

Um crescimento extra de 2,9% ao ano (para se igualar a média dos demais) daria quase 9% a mais acumulados nesses três anos. Nosso PIB está na casa dos R$ 4,2 trilhões. Ou seja, estamos falando de uma criação extra de riqueza na faixa dos R$ 380 bilhões!

Outra forma de ver isso: cada brasileiro teria hoje, a mais, quase R$ 2 mil. Quantos programas como o Bolsa Família essa riqueza extra poderia bancar? Uns 20 programas?

Brasileiro tem mania de ignorar o custo de oportunidade das coisas. Não deveria. É assim que se compara, efetivamente, o resultado obtido com aquele que poderia ter sido obtido. O governo Dilma entregou, até aqui, um resultado medíocre. Sabemos disso.

Mas o principal é quanto o país poderia ter a mais de riqueza não fosse o plano de voo totalmente inadequado que a presidente Dilma possui. Uma boa estimativa é essa: poderíamos ter crescido o mesmo que a média de nossos pares latino-americanos mais prudentes. E isso representaria uns R$ 380 bilhões extras produzidos em nossa economia. Eis o custo real do governo Dilma para o Brasil, em apenas 3 anos!

Rodrigo Constantino

Exibições: 104

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço