Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VII

O PRECO DA IGNORANCIA

Inúmeras vezes disse que nos podemos viver sem lojas de R$1,99, sem as tranqueiras da Rua 25 de Marco, sem ate uma TV a plasma de 40 polegadas. Não disse queremos. Disse PODEMOS. Não, o Chinês não poderá viver sem comer - e suas indústrias se fecharão sem a nossa matéria prima. Esse e o nosso trunfo.

Mas estamos nos preparados a viver frugalmente, por um curto período, em caso de uma pequena retaliação da China?

Os Chineses assim o fizeram se sacrificaram, por tres décadas e agora colhem os frutos do aperto de cinto coletivo. Temos nós os "cojones" para fazer o mesmo - por pouco tempo?

Sim Alfredinho a ignorância e a habilidade de pensar-nos torna um "povo criança". Somos imediatistas e nos contentamos com tranqueiras. Com as miçangas para enganar índio.

Somos o povo que paga um dos maiores impostos no mundo. Pagamos como a Noruega, Suécia e Alemanha. Atente para a infraestrutura e para o padrão de vida deles versus o nosso. Vivemos na merda.

Onde andam as nossas estradas, escolas, indústrias, hospitais? O gato comeu. Digo, Brasília comeu.

E por que não nos indignamos com isso? Por que não combatemos a impunidade? Por que somos ignorantes. Não sabemos o como  se vive fora do puxadinho e da laje local. Ou do apartamentinho.

O Brasil é um gigante: Boécio, retardado e bêbado - e de carteira cheia. Caído pelas calcadas e mijado debaixo de uma marquise. É o epitoma do Cu da Mae Joana.

Por quê? Porque não nos educamos, não somos cognicentes, não temos autoestima, não temos ate um modelo em nossa liderança para nos servir de referencial como nação.

Somos ricos porem maltrapilhos. Temos mesa farta e passamos fome. Temos agua e vivemos na seca. Temos muito sol e andamos nas trevas.

O pior cego e o que não quer ver. E sem educação somos cegos. Educação não e cursos tipo MOBRAL que ensina o analfabeto a escrever o nome. Educação é ensinar ao povo a DISCERNIR!

Enquanto nos contentarmos com o farelo e migalhas que caiu da mesa dos corruptos, enquanto os nossos ídolos forem milionários que depenam o Brasil por meio de informações privilegiadas, enquanto o trafico de influencia enriquecer parlamentares, deputados, senadores, políticos em geral sem não nos causar indignação e SUBSEQUENTE ação, nós estaremos perdidos. E ao “nós” inclua a nossa indústria.

Já é hora de tentarmos nos EDUCAR. De para e exigir um fim ao Gersismo. Ao sistema de Capitania Hereditária, dividindo Ministérios do Brasil na Base da Politicagem. Da Casa Grande e Senzala que oprime o Nordestino e aos pobres das Metrópoles. De terminarmos com a Indústria da Fome. Do Analfabetismo. É hora de Luz no Brasil - fujamos das trevas.

E hora de entendermos o que poderíamos ter e o porquê do que não termos.

E uma vez educados, veremos. Vendo, poderemos julgar. Julgando Demandaremos um fim a impunidade e uma prestação de contas. A ignorância nos escraviza.

Mas enquanto permanecermos uma Nação de Maltrapilhos, de famintos, de Recipientes de Cestas Básicas e Bolsas Famílias e de ignorantes, nós Brasileiros estaremos como um Macunaíma, deitado eternamente em berço expendido: Ao som de pagodes, baladas, cheio de Cachaça vagabunda, ou pior, de cachimbo de crack na boca, baixo um belo sol tropical e um céu azul de brigadeiro.

E isso e a realidade. Se não cuidarmos dessa área, seremos uma Nação vassala, de maioria semi-indigente, ignorante e eleitores de demagogos beócios, de gente igualzinha a nos.

ACORDE BRASIL. Demande o seu destino!

Exibições: 93

Tags: Ignorancia!, O, Preço, da

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano VII

Comentário de Welington Soares de Paiva em 30 janeiro 2012 às 20:33

Muito bom Sam, verdade nua e crua .

Textile Industry

O Maior Portal de Informações Têxteis e do Vestuário do Brasil

© 2014   Criado por Textile Industry.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço